Como reconstruir o ambiente econômico brasileiro

Publicado em 23 fevereiro 2015

O "Caso Petrobras" e sua repercussão contribuíram enormemente para agravar o quadro mais geral de deterioração da nossa economia, não só por terem trazido mais combustível às disputas políticas e por dificultarem a atração de novos investimentos, como também, e principalmente, por alimentarem uma grande onda de indignação popular, mesclada com um sentimento geral de desânimo e de descrédito nas instituições. Secundariamente, estão resultando deste triste episódio outros efeitos igualmente perniciosos para a situação econômica do Brasil, entre os quais destaco os prejuízos à imagem internacional do nosso país.
É justa a indignação do povo brasileiro e é perfeitamente compreensível a pressão popular para que as instituições resolvam este imbróglio jurídico, político e criminal, corrigindo os desvios, punindo os culpados e recuperando a normalidade plena do funcionamento da Petrobras e de seu importantíssimo programa de investimentos. O que não é saudável e muito menos inteligente, é a exacerbação da atitude de passividade, falta de cooperação e desânimo por parte da população e dos agentes econômicos. O enfrentamento de crises desse tipo exige disposição, coordenação de propósitos e de atitudes cooperativas e, sobretudo, planejamento estratégico. É preciso criar uma agenda positiva mínima, que obrigue as instituições a buscarem a imediata recuperação da nossa estrutura econômica, política e social, independentemente do avanço paralelo das indescartáveis ações legais de criminalização dos culpados e de ressarcimento das perdas do erário público.
A despeito do "Caso Petrobras", mas potencializado por sua eclosão, a economia nacional já tinha alcançado patamares muito críticos e que precisam ser rapidamente revertidos para que não se perca o bonde da história e nem se atinja um ponto de não retorno (ou simplesmente de institucionalização do caos). São quase unânimes as projeções – oficiais e não oficiais – de que o ano de 2015 (e talvez o de 2016) poderá apresentar crescimento negativo do PIB – Produto Interno Bruto. Previsões publicadas no início deste mês apontam que o PIB de 2015 deverá encolher 0,42% quando comparado ao exercício de 2014. Segundo essas previsões, estaríamos descendo a ladeira aceleradamente. Ainda no final do ano passado, o sinal de alerta já tinha soado, entre outros indicadores, pelas revelações do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego) segundo o qual, o número de postos de trabalho criados em 2014 foi 64,4% inferior ao das vagas abertas em 2013. Isso não se restringiu ao setor de petróleo e gás, mais diretamente afetados pelo "Caso Petrobras" e retrata o conjunto da economia. Essa tendência não pode continuar. Tem que ser revertida rápida e energicamente.
Infelizmente, alguns setores que são grandes empregadores, como a indústria manufatureira, o turismo, os serviços pessoais e o comércio varejista dificilmente recuperarão a sua dinâmica própria, no curto prazo, e certamente continuarão enfrentando um período mais longo de dificuldades, até que o país volte a crescer. Por outro lado, há setores que poderiam superar as suas dificuldades de modo mais rápido, desde que adequadamente estimulados por uma política de Estado coordenada e estrategicamente planejada. Refiro-me, por exemplo, ao agronegócio (agricultura e pecuária), ao setor de serviços não pessoais (mais elásticos em relação à renda) e à construção civil. Mas, para que uma estratégia desse tipo possa ter o sucesso esperado, especialmente nessa época contaminada pelo desânimo geral, seria essencial que a sua implementação se fizesse acompanhar por ampla campanha de esclarecimento, de motivação e de mobilização dos agentes políticos e da sociedade civil nos moldes dos programas de comunicação social ativados à época do "New Deal" (Programa de Ação Pública ativado nos EUA no período de 1933 a 1937 para combater a Grande Depressão).

10pixel
  • COMPARTILHE:

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »