Copiando os Vencedores

Publicado em 19 agosto 2014

5 comentários

Em março deste ano desenvolvi, neste blog, o tópico "Lições dos países mais civilizados". Naquela oportunidade pretendi mostrar o equívoco contido em uma idéia muito difundida entre nós: a de que temos que olhar sempre para o nosso próprio umbigo, buscando soluções e métodos tupiniquins para resolver os problemas brasileiros e negando a validade das comparações internacionais e da importação de atitudes e processos bem-sucedidos que tenham sido descobertos ou adotados por outras nações. Alguns meses depois, no clima de perplexidade que se seguiu à retumbante surra que nos foi aplicada pelos alemães, voltei a cutucar essa embaraçosa relação de causa e conseqüência entre as atitudes nacionais, de um lado, e a falta de resultados, de outro lado, no tópico "Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro". Não sei, sinceramente, se esses dois textos tiveram algum resultado – por menor que seja – no convencimento de algum brasileiro à mudança nas idéias isolacionistas e autárquicas praticadas nestas plagas ou, até mesmo, no convite à reflexão. Mas, mesmo que o esforço expositivo tenha sido completamente inútil, não consigo livrar-me do ímpeto de voltar ao assunto, focando as coisas, desta vez, por uma ótica mais prática e, talvez por isso mesmo, mais convincente.


Tenho a convicção de que a melhor forma de aprender uma coisa ou de ser bem-sucedido em um método ou processo qualquer é copiar ou assimilar exemplos vencedores (internos ou externos, dependendo de onde eles existam) e, ao mesmo tempo, refletir sobre os nossos próprios erros ou insucessos. Atingido o patamar mínimo pretendido em cada caso, essa atitude deve continuar, em um processo que hoje tem sido usualmente denominado de "benchmarking". Para mim, isso é válido, tanto no âmbito da vida pessoal ou doméstica, como em campos mais dilatados e complexos (como a forma de organização da sociedade e de seus comportamentos, assim como da própria economia em seu sentido mais amplo).


Como país, nunca é demais olharmos para a nossa vizinhança mais próxima para colhermos alguns ensinamentos estratégicos. Talvez, começando pelo mau exemplo argentino. Há pouco menos de 70 anos, a Argentina emergiu da Segunda Guerra Mundial como um país desenvolvido e próspero, mais rico e bem estruturado que qualquer nação européia, com um nível invejável de cultura, educação e saúde, entre outros indicadores de bem-estar. No entanto, a seqüência interminável de atitudes equivocadas e de decisões erradas tomadas pelos "hermanos" acabou configurando a esdrúxula situação de ser a Argentina, hoje, talvez o único exemplo mundial de país que passou de desenvolvido a subdesenvolvido (afasto propositadamente o eufemismo tolo de tratar esse estágio final como "em desenvolvimento"). O estado atual de moratória dos vizinhos é apenas uma conseqüência mais imediata desse processo, que decorre do desequilíbrio fiscal e das contas externas argentinas, sendo que este, por sua vez, resulta simplesmente do populismo gerencial continuado. Ainda na nossa vizinhança próxima, aparece o exemplo diametralmente oposto do Chile, que tem uma economia equilibrada, um sistema previdenciário bem resolvido, uma economia de mercado que funciona, além de bons índices de educação, saúde e segurança pública. Não é difícil encontrar as atitudes e decisões adotadas pelos chilenos para alcançarem essa situação de sucesso.


Os exemplos são muitos e não haveria como resumi-los aqui. Mas, nunca é demais mencionar a situação de prosperidade atual da Inglaterra. Apenas para ficar em um detalhe de todo o conjunto: Londres ressurgiu como centro financeiro mundial, mesmo com a Europa castigada por uma grave crise econômica. As razões disso podem ser muitas, mas há que se reconhecer o papel fundamental da estabilidade institucional e financeira da Inglaterra, com a adoção de atitudes e métodos que produziram um ambiente econômico de regras claras e respeitadas, propício à prosperidade. Na Europa, a situação privilegiada da Alemanha também destoa do assim chamado Club Med (Grécia, Itália, Espanha e outras nações do Mediterrâneo), especialmente pelo desenvolvimento tecnológico e produtivo alcançado por sua portentosa indústria. Também lá é fácil reconhecer as atitudes e decisões que estão por trás desse sucesso. Basta que se pesquise a razão do aparente paradoxo: o salário do trabalhador alemão na fábrica da Volkswagen é muitas vezes superior ao salário de seu equivalente brasileiro, mas o seu custo final por unidade produzida (veículo equivalente) é surpreendentemente menor – o número de homens-hora aplicados na fabricação de cada veículo (essência da produtividade da mão de obra) é muito menor do que o da fábrica brasileira. Posso deixar de exemplificar com a situação dos EUA, cujo sistema universitário produz efeitos importantíssimos e bem conhecidos na economia daquele país. Mas, não gostaria de deixar a Coréia de fora dessa lista de exemplos vencedores. Esse, sim, há 30 anos, era um país subdesenvolvido e, hoje, tem 82% de seus jovens matriculados em ótimas universidades, tornou-se um grande exportador mundial de produtos de qualidade (automóveis inclusive) e colhe como prêmio principal o enriquecimento geral de seu povo (atualmente, a renda per capita dos coreanos é cerca de três vezes maior que a dos brasileiros). Esse é um milagre de muitas causas, mas as principais delas têm a ver, mais uma vez, com as atitudes e decisões tomadas ali ao longo dos anos.


O tema é instigante e poderia ser muito estendido e melhor detalhado. Mas, no espaço disponível deste blog, cabe somente a indagação final: vamos copiar os exemplos vencedores ou vamos continuar na atitude do avestruz que prefere enterrar a cabeça no chão?

  • COMPARTILHE:

5 comentários para "Copiando os Vencedores"

LEONARDO A S COSTA
LEONARDO A S COSTA disse: 19 agosto 2014
Meu Caro Rubens,

já tives inúmeras conversas com um colega alemão sobre este tema. Ele simplesmente não consegue entender porque o país insiste em cometer os mesmos erros que nações desenvolvidas cometeram no passado, enquanto as respostas para os caminhos da prosperidades já estão todas postas e nós insistimos em não enxergá-las. enquanto poderíamos encurtar o caminho, pelos ensinamentos da história, preferimos nos afundar em nosso orgulho tupiniquim, na nossa hipocrisia e demagogia. forte abraço
Robson Inácio
Robson Inácio disse: 19 agosto 2014
Rubens, interessante demais o seu texto e a reflexão que nos deixa. Somos uma nação de "vaidosos", e isso infelizmente nos impede de aproveitar os bons exemplos. Este insight é uma forma otimista de ver a evolução dos Executivos brasileiros, que estão buscando menos "dor" e mais "amor" nas experiências vividas.
Sejamos importadores e também exportadores de bons exemplos.
Abraço
Maria R Arendé
Maria R Arendé disse: 19 agosto 2014
"a de que temos que olhar sempre para o nosso próprio umbigo, buscando soluções e métodos tupiniquins para resolver os problemas brasileiros e negando a validade das comparações internacionais e da importação de atitudes e processos bem-sucedidos que tenham sido descobertos ou adotados por outras nações"...qual sua contribuição na política para mudar isso?
Edson Junior
Edson Junior disse: 20 agosto 2014
Saudações a todos;
Creio que a diferença entre os vencedores e os outros, é que os primeiros se atrapalham menos e deixam seus talentos fluírem com mais naturalidade. Os grandes atletas não pensam "se" acertarão a bola, eles simplesmente acertam.
Por que algumas pessoas brilham mais que as outras ? Existem mais talentos que vencedores ? Todos podem ser bem-sucedidos se assim o quiserem, porém, somos nós quem criamos boa parte dos nossos problemas. Superar o medo de perder, a dúvida e a insegurança, a falta de concentração e o estresse pois estes são os maiores oponentes. É a partir do momento da percepção que temos de nós mesmos que conquistamos a melhora!

Obrigado pela oportunidade da resposta Dr. Rubens Menin.
Grande abraço;
Edson Junior
PAULO CESAR BASTOS
PAULO CESAR BASTOS disse: 22 agosto 2014
O limite da capacidade humana é imensurável. Inesperadamente, surge uma forma melhor, um atalho, para contornar o obstáculo e a oportunidade de fazer diferente.

Assim, admirar e compartilhar os bons exemplos são, também, estratégias fundamentais para o progresso em direção ao sucesso.

Precisamos de bons exemplos, com valores verdadeiros, para o fomento das fortes atitudes e boas ações no sentido do Brasil a deixar de ser o eterno País do Futuro para começar a ser o almejado País do Presente, democrático, livre, socialmente justo, tecnologicamente desenvolvido e com sustentabilidade.
A hora é essa. Vamos começar agora. Não podemos atrasar para não perder o trem da história. Vamos emparelhar a crise com a oportunidade. Para isso, vale aplicar os, modernos e inovadores, Cinco Caracteres da Competitividade, os 5C: capacitação, cooperação, comunicação, compromisso e confiança.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »