Desoneração Burocrática (2)

Publicado em 29 agosto 2013

1 comentários

Embora o índice de robustez e dinamismo, por seu caráter sintético, indique de forma mais objetiva e prática a evolução no comportamento do segmento de Edificações, acho importante examinar algumas características intervenientes nesse mesmo comportamento, conforme já mencionei no tópico antecedente desta série. Uma dessas características é o próprio porte econômico do segmento, representado pelo valor das obras prediais construídas em cada exercício. Nesse caso, se adotado como referência (100,0%) o valor de R$116,8 bilhões, correspondente ao ano de 2012, poderia ser formada a seguinte série de valores atualizados e homogeneizados: 2003 (14,1%); 2004 (18,6%); 2005 (24,6%); 2006 (32,3%); 2007 (42,6%); 2008 (53,8%); 2009 (65,7%); 2010 (86,4%); 2011 (97,6%); 2012 (100,0%).


A série reproduzida no parágrafo antecedente é especialmente interessante para enfatizar a importância crescente da participação do crédito imobiliário no financiamento do montante anual de construções prediais e para evidenciar os efeitos das mudanças de comportamento nesse particular. Adotado o valor de R$ 76 bilhões como o montante de financiamento originado no SFH em 2012 (65,1% do valor construído), poderia ser formada a seguinte série da participação relativa dessa fonte no financiamento do conjunto de construções prediais, já homogeneizada para a mesma referência final (2012 = 100,0%): 2003 (21,4%); 2004 (24,7%); 2005 (26,3%); 2006 (37,5%); 2007 (55,6%); 2008 (71,0%); 2009 (66,1%); 2010 (82,2%); 2011 (101,1%); 2012 (100,0%). Da mesma forma, o número de unidades construídas com financiamento originado do SFH daria origem à seguinte série, construída com os mesmos critérios de homogeneização (2012 = 423 mil unidades = 100,0%): 2003 (9,2%); 2004 (14,6%); 2005 (15,4%); 2006 (24,2%); 2007 (45,9%); 2008 (69,5%); 2009 (69,5%); 2010 (96,0%); 2011 (111,6%); 2012 (100,0%).


As séries que indicam a participação relativa do crédito imobiliário, listadas no parágrafo antecedente, são aquelas que apresentam maior interesse para o objeto das propostas de "desoneração burocrática" que pretendo alinhavar neste espaço. No entanto, decidi registrar algumas outras, para facilitar eventuais consultas e referências futuras, restringindo esse acréscimo àquelas mais informativas, de modo que a leitura do presente tópico não resultasse demasiadamente cansativa. Assim, considerada sempre a mesma estrutura (2012 = 100,0%) e os mesmos critérios de homogeneização, podem ser formadas as séries de participação relativa do segmento no PIB nacional: 2003 (36,6%); 2004 (42,2%); 2005 (50,2%); 2006 (60,0%); 2007 (70,6%); 2008 (78,1%); 2009 (89,1%); 2010 (101,1%); 2011 (103,8%); 2012 (100,0%) e da massa salarial paga pelo segmento: 2003 (22,4%); 2004 (24,9%); 2005 (28,3%); 2006 (32,2%); 2007 (36,1%); 2008 (48,3%); 2009 (60,5%); 2010 (80,5%); 2011 (96,1%); 2012 (100,0%), por exemplo.


O fato a considerar para concluir o presente tópico é que o segmento de Edificações depende cada vez mais do crédito imobiliário para financiar as suas operações, especialmente nesta época extremamente desfavorável para a busca de capitais em bolsas de valores ou na atração de investidores estrangeiros. Sob essa ótica, a reversão do comportamento menos dinâmico, observado nos últimos exercícios, com a consequente preservação de postos de trabalho e dos níveis de renda, poderia ser obtida com a simples "desoneração burocrática" na forma das proposições que pretendo oferecer e justificar na sequência desta série.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Desoneração Burocrática (2)"

Adjomar José Bezerra
Adjomar José Bezerra disse: 03 setembro 2013
Boa Noite Sr. Presidente Rubens Menin da MRV. Venho através deste comunicado enfatizar a respeito desta empresa e oferecer mãos de obra qualificada na área da construção civil, principalmente área de acabamento como gesseiros, pintores, pedreiros especializados em assentar cerâmica e azulejos.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »