Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências apresentadas neste mesmo atendimento. O sistema que decidimos implantar e operar é caríssimo e torna-se cada vez mais oneroso não só pelos extraordinários avanços da Medicina e de seus complexos exames, como também, e principalmente, pela demanda crescente que ocorre nesse processo de universalização continuada (que além dos procedimentos médicos propriamente ditos, passa a abranger um conjunto de benefícios associados – gratuidade de medicamentos, de fornecimento de próteses e aparelhos, transporte especializado, etc.). Nessas circunstâncias, o sistema brasileiro de saúde pública, passou a exercer uma grande pressão no orçamento do Estado brasileiro, na companhia do nosso gigantesco e deficitário sistema previdenciário. A diferença entre os dois é que a questão das aposentadorias e pensões atingiu um patamar razoavelmente bom, quando comparado com a experiência internacional. Evidentemente, o seu modelo geral de estruturação precisará ser redefinido para garantir-lhe o equilíbrio futuro, já ameaçado por déficits progressivos e insustentáveis. Na saúde, a situação é muito diferente, porque, além de demandar recursos que não temos (especialmente nesta época de crise econômica) os baixos resultados, a insatisfação e o desconforto dos usuários levam a um nível alarmante de queixas.


Independentemente das medidas emergenciais de caráter econômico que o governo, o legislativo e as demais instituições de Estado venham a tomar para reequilibrar as finanças públicas, para driblar a recessão e para retomar o crescimento, alguma coisa terá que ser feita para melhorar o desempenho do sistema de saúde se quisermos manter a sua concepção de universalidade e gratuidade.


Nos negócios privados – que por sua própria natureza não dispõem de instrumentos de aumento das receitas por meio da criação de impostos e taxas e nem de fidelização da clientela através do monopólio legal do mercado – as crises de desequilíbrio financeiro ou de insatisfação generalizada por parte dos consumidores costumam ser atacadas com a adoção de boas técnicas gerenciais ou com o redesenho do sistema de produção, para que possam ser alcançados melhores padrões de produtividade, contas mais ajustadas e melhoria do nível de satisfação da clientela. Com o Estado, deveria ser a mesma coisa, ou seja, a busca permanente de maior eficiência na gestão dos sistemas públicos, na racionalização do uso de recursos (físicos, humanos e materiais) incluindo a eliminação de segmentos ociosos e a aplicação das modernas técnicas de regionalização, setorialização e compartilhamento das facilidades operacionais. Acredito firmemente neste caminho. E caminhar por ele poderia ser um resultado positivo e inesperado da crise.

  • COMPARTILHE:

7 comentários para "Eficiência na Gestão Pública"

Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 01 outubro 2015
Agradeço por compartilhar boas ideias, sempre agrego conhecimento lendo seus posts!
JOSE PEREIRA DOS SANTOS
JOSE PEREIRA DOS SANTOS disse: 03 outubro 2015
Excelentes comentários e ensinamentos para uma alavancagem do equilíbrio da governança das coisas públicas.
João Campos
João Campos disse: 04 outubro 2015
Ótimo artigo! Nos faz refletir qual é a função do estado, hoje. Sobretudo, qual o tamanho do estado estamos dispostos a financiar, e o que pode ser delegado ao setor privado.
João Carlos Campos
João Carlos Campos disse: 04 outubro 2015
Ótimo artigo! Nos faz refletir qual é a função do estado, hoje. Sobretudo, qual o tamanho do estado estamos dispostos a financiar, e o que pode ser delegado ao setor privado.
Eronilde
Eronilde disse: 01 dezembro 2015
Ótimo artigo; quero dês DI já parabenizar ao sr Rubens Men in pelo grade artigo és muito importante que agues da política posa si espiara neste artigo de grade in portas ia e fazer ou pelo menor teta fazer um Brasil melhor um grade Abraso
Eronildes de Araujo Silva
Eronildes de Araujo Silva disse: 01 dezembro 2015
Ótimo artigo; quero dês DI já parabenizar ao sr Rubens Men in pelo grade artigo és muito importante que agues da política posa si espiara neste artigo de grade in portas ia e fazer ou pelo menor teta fazer um Brasil melhor um grade Abraso
Eronildes de arujo silva
Eronildes de arujo silva disse: 01 dezembro 2015
Ótimo artigo; quero dês DI já parabenizar ao sr Rubens Men in pelo grade artigo és muito importante que agues da política posa si espiara neste artigo de grade in portas ia e fazer ou pelo menor teta fazer um Brasil melhor um grade Abraso

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »

O Caso Eike Batista

Publicado em 17 março 2015

15 comentários

Os rumorosos acontecimentos que envolveram o empresário Eike Batista nos últimos anos fizeram com que a sua situação ficasse bem conhecida do grande público. No entanto, embora conhecida, essa situação não tem sido bem interpretada pela maioria dos brasileiros. Não estou me referindo, aqui, aos detalhes bizarros dos processos movidos contra ele, notadamente o último deles, em que um juiz de mau comportamento (e já afastado das suas funções), passou a usufruir pessoalmente dos bens do...
Leia mais »