Filantropia e Legado entre Gerações

Publicado em 19 setembro 2013

1 comentários

A sociedade norte-americana é singular em sua forma de entender a educação e de tratar as instituições que se dedicam à importantíssima tarefa de preparar e formar a população daquele país. Há, entre os hábitos, costumes e regras vigentes nos EUA, pelo menos três que são emblemáticos, conforme resumirei a seguir:


1) Os norte-americanos aceitam como obrigação natural dos cidadãos residentes em cada comunidade (bairro, cidade, condado, etc.) o custeio das escolas públicas de nível básico, pago na forma de "tuition", ou seja, independente do orçamento governamental, simplesmente para tê-las disponíveis para quem delas vier a precisar, no presente ou no futuro.


2)  Naquele país, as famílias têm por hábito generalizado, formar uma poupança progressiva para os filhos, religiosamente preservada mesmo em situações de dificuldade financeira severa, com a finalidade específica de custeio da caríssima educação colegial e acadêmica em instituições não públicas.


3) Os profissionais bem-sucedidos no mercado norte-americano têm por hábito fazer significativas doações, patrimoniais ou financeiras, às universidades em que se formaram, para que elas continuem a existir e possam educar novas gerações de alunos com o mesmo padrão de excelência.


Embora os três exemplos de atitude sejam, todos, frutos do mesmo espírito de legar à geração seguinte uma situação garantida e da importância atribuída à educação pela ampla maioria dos cidadãos norte-americanos, quero examinar o último deles, em mais detalhe, neste espaço. Esse hábito evidencia, pelo menos, duas características comportamentais importantes: um padrão de generosidade muito maior do que aquele que costumamos ver em nosso país e, ao mesmo tempo, a disposição para conduzir diretamente a solução de um problema sem esperar ou depender da ação governamental.


Nesse interessante modelo de compromisso entre os profissionais bem-sucedidos e as universidades em que eles se formaram, além de retribuírem um pouco pelo muito que receberam, os ex-alunos viabilizam com suas doações, a educação de gerações subsequentes. Ao contrário do que se costuma pensar por aqui, as principais universidades norte-americanas (Harvard, Columbia, Yale, etc.), embora sejam instituições privadas, são constituídas como fundações sem fins lucrativos, não têm donos, não distribuem dividendos ou lucros e não dependem de verbas públicas. Em geral, são dirigidas por um Conselho de Curadores sem nenhum interesse financeiro direto e cujos membros estão comprometidos, unicamente, com a sobrevivência exitosa das instituições que dirigem. Algumas dessas instituições, antigas de quase quatro séculos, já acumulam fundos patrimoniais (originários de doações de mecenas e ex-alunos) que, somados, são equivalentes ao PIB de pequenos países. Harvard, por exemplo, administra um patrimônio superior a US$ 30 bilhões. Yale, por sua vez, acumula um patrimônio operacional da ordem de US$ 15 bilhões.


Esse modelo de sustentação permite que continue a ser formado, naquelas instituições, um número elevado de profissionais, com um padrão de excelência que os habilita a serem candidatos frequentes ao Prêmio Nobel ou ao destaque no mundo científico, acadêmico, empresarial e político. Não fosse isso e, por consequência, as bolsas totais ou parciais que as universidades podem oferecer, quantos norte-americanos poderiam custear despesas (entre matrícula, mensalidades, alojamento e alimentação) que frequentemente superam um milhão de dólares por aluno-ano nos cursos de graduação?

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Filantropia e Legado entre Gerações"

Balquis Freitas
Balquis Freitas disse: 23 setembro 2013
Belo artigo Senhor.
Lamentável não termos essa cultura em nosso rico País. Muitos ainda acreditam que o poder publico tem por obrigação custear a educação e ainda assim não dão o devido valor.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

O que é uma empresa sustentável?

Publicado em 23 julho 2015

5 comentários

Embora "sustentabilidade" tenha se transformado na palavra da moda – e talvez por isso mesmo –, há uma grande confusão sobre esse conceito. A maior parte das pessoas acha que uma empresa é dita sustentável quando adota parques e praças e cuida do "verde" ou, no máximo, quando ela obedece as normas ambientais ou desenvolve posturas ecologicamente corretas. Claro que respeitar o meio ambiente e cuidar dele é uma atitude importantíssima e representa um requisito mínimo para se alcançar a...
Leia mais »

O envelhecimento das nações e a previdência

Publicado em 18 junho 2014

9 comentários

A população mundial está envelhecendo rapidamente. Os especialistas em demografia calculam, agora, que o planeta não deverá ultrapassar mais o contingente populacional de 10 bilhões de habitantes e que a sua população total passará a diminuir dentro de poucas décadas. Isso ocorre, basicamente, pela diminuição generalizada da taxa de fecundidade (n° de filhos por mulher) e pelo aumento da longevidade média decorrente das melhorias alimentares e de saúde (número de anos da expectativa de vida ao...
Leia mais »

Uma Parceria de Esperança

Publicado em 10 setembro 2013

Já mencionei diversas vezes neste blog a minha convicção de que as empresas bem-sucedidas têm responsabilidades e obrigações diante da sociedade e do ambiente que lhes proporcionaram o êxito e o sucesso. E uma parte importante desses compromissos está consubstanciada na obrigação, que cada empresa tem, de contribuir para a efetiva melhoria da qualidade de vida e da perspectiva de ascensão social ou de progresso humano das comunidades mais diretamente envolvidas com as respectivas atividades ou...
Leia mais »

Licenciamento Ambiental Desvirtuado

Publicado em 08 agosto 2013

2 comentários

Temos uma tendência natural para ir, pouco a pouco, complicando as coisas, burocratizando os processos, transformando procedimentos simples em rituais absurdamente complexos e demorados, criando empecilhos, taxas e custos extras e envolvendo equipes cada vez mais numerosas, caras e dedicadas a defender, em primeiro lugar, os seus próprios interesses corporativos e benefícios funcionais. Essa característica não é exclusiva de um setor ou de um ramo de atividade, sendo antes, uma tendência...
Leia mais »

Gestão Integrada das Regiões Metropolitanas

Publicado em 01 agosto 2013

2 comentários

Tenho mencionado com alguma frequência, tanto em textos mais recentes como em tópicos publicados há mais tempo neste blog, os efeitos da nossa elevadíssima taxa de urbanização, responsável por aglomerar nas cidades, quase 85% da população nacional. Analisei, com o detalhamento possível neste espaço, alguns impactos desse processo de intensa urbanização no mercado imobiliário, na organização do território e na desatualização precoce da infraestrutura das cidades. Todavia, quero acrescentar,...
Leia mais »