Investimentos (5)

Publicado em 23 abril 2014

1 comentários

A série Investimentos (1), (2), (3) e (4), que desenvolvi neste blog entre dezembro de 2012 e agosto de 2013, precisava ser atualizada e complementada em decorrência das profundas modificações experimentadas pela economia brasileira nos últimos tempos. Por isso volto ao assunto.


Os investimentos são o motor do desenvolvimento econômico de qualquer nação. Eles representam a aplicação direta de capital na implantação de projetos destinados à produção de novos bens ou serviços, gerando, em decorrência disso, empregos, renda e impostos, além do atendimento às necessidades básicas de consumo da população. Eles não se materializam apenas na construção de novas fábricas. A incorporação de máquinas ou de equipamentos mais modernos e de maior capacidade nas indústrias existentes também é um investimento do mesmo tipo e capaz de gerar idênticos benefícios. Até mesmo a utilização de novos implementos no campo (tratores, colheitadeiras, etc.) deve ser contabilizada com sendo da mesma espécie, porque também contribui para o aumento da produção, da renda e dos impostos. Além desses, existe outra categoria de investimentos de grande importância: aqueles feitos em equipamentos de infraestrutura (portos, rodovias, ferrovias, aeroportos, silos, sistemas de energia, de comunicação e de saneamento, etc.). Sem eles, a economia de qualquer país deixa de crescer, como, infelizmente, está acontecendo atualmente no Brasil.


Os investimentos dependem da disponibilidade de capitais, sejam eles nacionais ou estrangeiros, públicos ou privados. Em geral, costumam ser aplicados nos investimentos, especialmente naqueles de expansão, modernização ou manutenção da infraestrutura, capitais nacionais, públicos e privados. Quando esses são insuficientes, a alternativa é recorrer aos capitais externos, seja na forma de empréstimos, seja com a atração de investidores diretos.


A disponibilidade de capitais nacionais, em qualquer época ou país, depende da assim chamada Taxa Interna de Poupança, de cada nação. Infelizmente, a nossa Taxa Interna de Poupança (expressa como percentual do PIB) tem sido muito baixa e o seu desempenho tem piorado ainda mais em anos recentes. Em 2013 essa Taxa foi de apenas 13,9% do PIB, com uma significativa redução em relação ao ano de 2012, quando o valor foi de 14,6% do PIB. O resultado do último ano foi o pior desde 2001, quando a Taxa Interna de Poupança tinha chegado a 13,5% do PIB.


Poupamos muito pouco, menos do que países tidos como pobres (Haiti 23% e Etiópia 19%, por exemplo) ou do que nações em crescimento acelerado (China: 50% ; Vietnã: 34% e Índia: 32% , também por exemplo). Os dados de 2012 mostram que, no grupo dos BRICS, a nossa Taxa Interna de Poupança é inferior à de todos os demais parceiros além da China e da Índia (Rússia: 29% e África do Sul: 15%). Perdemos, também, para todos os países que, atualmente, constituem o MERCOSUL (Argentina: 21% ; Uruguai: 17% e Venezuela: 31%). O cotejo ainda nos é mais desfavorável quando analisada a situação dos nossos vizinhos que se reuniram na Aliança do Pacífico, organização constituída para rivalizar com o MERCOSUL (México: 24% ; Colômbia: 20% ; Peru: 22% e Chile: 22%).


Diante da insuficiência de capitais nacionais, o Brasil passou a atrair, no disputadíssimo mercado globalizado, duas formas de aporte de poupança externa (de empresas, de pessoas e de governos): o Investimento Estrangeiro Direto – IED e o Investimento Estrangeiro em Carteira – IEC. Essas duas formas de investimento externo já foram detalhadamente conceituadas e explicadas nos tópicos antecedentes desta série.  O fato que interessa, nesse particular, é que o ingresso desse tipo de capital também decaiu, em termos relativos, nos anos mais recentes. A vinda de IED para o Brasil vem diminuindo desde 2011, ano em que recebemos quase US$ 67 bilhões, até 2013, quando o total ficou em US$ 64 bilhões (que representa apenas 2,88% do PIB). Pior do que isso, pela primeira vez desde 2001, o IED foi insuficiente para cobrir o saldo negativo das nossas transações correntes com o exterior. Os especialistas e captadores afirmam que essa queda está resultando da formação de um clima geral de desconfiança externa em relação à economia brasileira, da forma de gestão das nossas contas públicas e da insegurança jurídica nos contratos e balizamentos regulatórios.


Além da Taxa Interna de Poupança e da importação de recursos externos, a situação dos nossos investimentos pode ser aferida, também, pela Taxa de Formação Bruta de Capital Fixo que mede, percentualmente em relação ao PIB, os gastos em bens de capital (máquinas, equipamentos, material de construção, estoques e assemelhados), ou seja, aqueles bens (fabricados no País ou importados) que servem para produzir, no futuro, outros bens de consumo final. Infelizmente, o quadro nacional nesse particular também é ruim. Além da taxa ser pequena para as nossas necessidades, ela tem decaído relativamente. Nos anos de 2010 e 2011, essa taxa esteve bem próxima de 20% do PIB, mas, nos dois últimos anos, esse mesmo indicador pouco excedeu a 18% do PIB. Em resumo, não só temos poupado pouco para investir, como também temos dirigido uma parcela muito pequena dos nossos gastos à formação de capital produtivo. Poupamos pouco e gastamos mal. Essa situação precisa ser revertida, no menor prazo possível, se quisermos prosperar.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Investimentos (5)"

Deildo Couto
Deildo Couto disse: 22 maio 2014
Bom dia Sr.Menin;
Gostei muito desta matéria;tenho em minha cartela de clientes,pessoas com perfil de investidores iniciantes,porém sem muitas fontes seguras de como fazer seu primeiro investimento em imóveis;os clientes se vem sem muita coragem para fazer o tão sonhado investimento.
Gostaria de lhe sugerir; que seria de tão grande importância;que o senhor mantivesse com seus funcionários um canal direto;que orientassem o direcionamento e argumentação para reter e efetivar mais vendas direcionadas para este tipo de cliente.
Obrigado;Sucesso!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »