Manifestações de Protesto

Publicado em 24 junho 2013

2 comentários

O governo, a imprensa, os analistas políticos e muitos formadores de opinião estão confessando (por palavras e também pelo silêncio) uma enorme dificuldade de compreender as manifestações de protesto que tomaram as ruas brasileiras nos últimos dias. Palavras como "surpreendente", "inesperado", "inexplicável", "sem foco" e muitas outras aplicadas ao movimento já viraram lugar comum no amplo noticiário jornalístico que cobre os protestos em todo o Brasil.


Nessa perplexidade geral afloram, pelo menos, três coisas que não deveriam surpreender ninguém: a existência de um clima de insatisfação generalizado em um amplo estrato da sociedade (já consolidado muito antes das vaias ouvidas no Estádio Mané Garrincha); a crise da representatividade (com os manifestantes refutando a participação de partidos políticos e antagonizando as lideranças formais de todos os matizes); e os atos oportunistas de vandalismo, depredação e saques, paralelamente a confrontos mais radicais com o aparato policial (que sempre acontecerão em movimentos com as dimensões deste que alcançou pacificamente as ruas brasileiras).


A alternância das linhas editoriais e a revisão das opiniões jornalísticas nos programas noticiosos – que incluíram desde manifestações entusiasmadas pela eclosão dos protestos até destaques ridicularizando a pequena importância relativa do aumento tarifário do transporte urbano – testemunham a dificuldade de compreensão da real natureza do movimento. No entanto, essa incompreensão não deve obscurecer o nosso raciocínio e nem impedir que façamos as escolhas certas e adotemos as opções mais sensatas. Melhor do que comemorar "o despertar da consciência nacional" diante de problemas graves, teria sido a inexistência de motivos para que os protestos eclodissem. Mas, alcançado o ponto atual, melhor que se compreenda logo as origens do movimento e se lhe evite os desdobramentos, solucionando o que puder ser solucionado de imediato. E seria muita ingenuidade supor que as soluções imediatas exigidas restringir-se-iam, exclusivamente, à revogação dos aumentos tarifários no transporte urbano.


Acho importante que se reconheça que um movimento com a dimensão e a intensidade deste que estamos assistindo somente pode acontecer se existir um forte e generalizado sentimento de insatisfação popular, ainda que ninguém lhe verbalize adequadamente a natureza ou a origem. Mas, é evidente que o objeto dos protestos não fica corretamente retratado apenas nos cartazes e faixas que mencionam a corrupção, o custo da construção de estádios, a precária situação dos sistemas públicos de educação e saúde, a existência de 39 Ministérios, a alta carga de impostos e, até mesmo, uma proposta de revisão constitucional em exame pelo Congresso. A insatisfação pode até incluir esses itens, mas é muito mais abrangente do que eles.


É bem verdade que vivemos uma época de conquistas sociais, com a promoção de um grande contingente de pessoas à chamada classe média. Mas, certamente, a insatisfação não está concentrada nesse estrato recém-promovido. Quem está indo às ruas, são aqueles que já pertenciam a esse estrato social, mas que, diferentemente dos recém-chegados, não contam com os mesmos mecanismos de proteção e benefício (vale transporte, subsídios diretos, etc.) e que, além disso, já não podem usufruir dos tradicionais recursos de acesso à educação pública de qualidade e de atendimento no sistema gratuito de saúde. Esse grupo menos protegido está, também, exposto a uma perda significativa de poder de compra em decorrência da elevação dos impostos, da inflação e do endividamento forçado. Esse parece ser o núcleo principal dos insatisfeitos. O que pode ser feito, de imediato, para aplacar essa justa insatisfação? Essa, sim, é uma questão de Estado e exige ser encarada por estadistas.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Manifestações de Protesto"

Jose Carlos Hernandes Junior
Jose Carlos Hernandes Junior disse: 25 junho 2013
Gostaria de receber um e-mail para contato referente a um assunto urgente.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »