Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características esperadas no período subsequente da sua recuperação.


De início, seria prudente observar que a forte redução observada nos meses mais recentes no setor terciário e, em especial, no comércio varejista, que apresentou a maior queda no volume de vendas dos últimos quinze anos, não deve ser generalizada ou estendida uniformemente aos demais setores, sem que se cometa um erro significativo de interpretação. De fato, em outros setores os efeitos foram menos pronunciados ou vêm ocorrendo de forma menos aguda. Por outro lado, existem segmentos econômicos que têm se ressentido da crise há mais tempo e de forma mais persistente, ainda que os seus indicadores apresentem quedas menos abruptas. Esse é especificamente o caso da Indústria, que pode ser apontada, sem risco de erro, como sendo o setor da economia nacional que mais se deteriorou nos últimos tempos. De fato, de acordo com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a nossa produção industrial encerrou 2015 com o maior tombo registrado nos últimos doze anos (o recuo de 8,3% nesse ano é o maior desde 2003, quando teve início a série histórica dessa variável).


Existem várias explicações para esse comportamento peculiar da Indústria e algumas alcançaram dimensão significativa no contexto da crise atual. Uma das singularidades setoriais que seria importante destacar de início foi a sensibilidade do setor diante da realidade cambial que manteve a nossa moeda excessivamente valorizada por muito tempo e que somente foi corrigida, em parte, no último ano. Esse efeito prejudicou muito a competitividade das nossas indústrias no mercado globalizado, seja por dificultar as exportações dos produtos nacionais, seja por facilitar a entrada de similares estrangeiros no mercado doméstico. Essa razão, por si só, respondeu por uma parcela significativa da diminuição de performance do setor industrial brasileiro. Uma outra singularidade igualmente importante do setor industrial é a constatação de que esse tipo de atividade ressente-se muito mais pronunciadamente do agravamento de fatores que compõem o denominado "Custo Brasil", em especial as deficiências na infraestrutura nacional (ferrovias, rodovias, portos, aeroportos, energia, comunicações, etc.). Essas duas peculiaridades do setor industrial acabam por somar-se a outros ingredientes que estão a prejudicar todos os demais ramos de atividade econômica, como a elevadíssima carga tributária e os níveis estratosféricos dos juros, que alcançaram patamares intoleráveis por conta da necessidade de combate ao recrudescimento inflacionário.


Paralelamente a tudo isso, eu gostaria de enfatizar, também, outra circunstância importante. A reconstrução, recuperação e reativação plena de um parque industrial, notadamente daqueles com características tão complexas e portentosas como já foi o brasileiro, demanda um tempo muito elevado. Em geral, esse tempo de recuperação costuma ser superior ao que foi aplicado na construção original ou na primeira implantação. Todas essas considerações já são de conhecimento geral e costumam ser apontadas em todas as regiões e países do globo, independentemente do seu estágio de desenvolvimento econômico. Em função delas, o setor industrial, por sua natureza estratégica, costuma ser justamente aquele que é mais protegido das adversidades na maioria dos países organizados e desenvolvidos. Em virtude disso, entendo que os esforços para a retomada do crescimento econômico no país deveriam incluir um elenco prioritário de ações aplicáveis especificamente à recuperação do nosso parque fabril e ao setor industrial como um todo. Seria uma medida prudente, estratégica e inteligente.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Mazelas da Indústria"

Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 19 abril 2016
Sem risco de bajulação, seus posts são muito bons e sua forma de escrever admirável, "nem rasteira nem complicada", na medida!

Parabéns
Prof. Daniel Melo
Prof. Daniel Melo disse: 21 maio 2016
Aprendi com o tempo, ouvindo e vendo como se comportam as pessoas e concluí este aprendizado através de uma mulher guerreira e sábia que foi minha mãe. Ela dizia e resumia a situação com simples ditados populares: farinha pouca, meu pirão primeiro, está é a regra. Fui criado graças à Deus prá não fazer parte desta "regra", pois quando se trata de política o interesse pessoal é mais importante que o da maioria, que sempre é mais susceptível as perdas em diversas áreas. Tenham certeza que estes que fazem parte desta " regra ", não se preocupam nem um pouco com os mais desprovidos financeiramente.
Estou escrevendo este texto, mas sei que prego no deserto.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Ambiente Empresarial

Publicado em 19 fevereiro 2016

14 comentários

Na economia, como na natureza, quase todos os processos e atividades – em maior ou menor grau, dependendo de sua espécie e complexidade – podem ser considerados como a resposta dos respectivos sistemas ao ambiente em que eles ocorrem. Em geral, existe uma regra básica que costuma ser aceita sem controvérsia: ambientes bons (saudáveis, equilibrados, sustentáveis ou racionais) são exigências obrigatórias para que os processos produzam bons resultados, incluindo, tanto aqueles de características...
Leia mais »