O que esperar do governo Temer

Publicado em 12 maio 2016

4 comentários

O Brasil acaba de conceder ao Vice-Presidente Michel Temer a missão dificílima de formar e conduzir um governo de emergência nacional durante o período de até 180 dias em que se processará o julgamento final do processo de impeachment. É possível que esse mandato provisório venha a ser convertido em delegação para a chefia de um governo definitivo, dependendo do resultado final do julgamento da atual mandatária. Mas, neste tópico, pretendo abordar apenas esse primeiro e transitório estágio, dada a importância extraordinária de que ele se reveste.

De imediato, há um desafio ciclópico e que excede a capacidade individual de qualquer estadista, por mais qualificado e inspirado que seja ele: a de reunificar o país e sua representação política, para que toda a nação possa dedicar-se, coordenadamente, a reversão do atual quadro de deterioração econômica. Nessa emergência, não haverá espaço para divisionismo e para embates ideológicos. É fundamental que se estabeleça um clima de ampla cooperação que empolgue a nação em favor da necessidade incontornável de se vencer essa guerra duríssima. Caso contrário, entendo que a crise desandará, assumirá vida própria e ameaçará a própria integridade da nação. Por outro lado, acho que entrará em jogo um ingrediente importante para esse processo de união nacional. Não será difícil convencer a grande maioria dos congressistas de que, tendo sido do próprio Congresso a iniciativa de conferir ao Vice-Presidente a missão de enfrentar o desafio, esse mesmo colegiado não poderá negar-lhe o apoio na aprovação das medidas urgentes e incontornáveis de enfrentamento da crise. No ambiente militar existe um ditado que descreve muito bem essa situação: "quem da a missão dá os meios". Acho também que o mesmo espírito contagiará todos os outros agentes políticos e o próprio Poder Judiciário, instância importantíssima para evitar a interposição de óbices e contratempos impensáveis. Tomara que eu esteja certo nessa suposição, pois não haverá caminho alternativo. É vencer ou vencer.

Garantida a unidade da nação diante de seus objetivos imediatos, o novo governo transitório terá que se dedicar, em tempo extremamente curto – quase instantaneamente –, a correção dos rumos econômicos, à recuperação fiscal e à reorganização da perdulária e ineficiente máquina pública. Uns poucos passos errados ou a simples hesitação nesse particular serão suficientes para pôr abaixo, implacavelmente, todo o esforço inicial de unificação da nação de que tratei nos parágrafos antecedentes. Atrasos e hesitações simplesmente não poderão acontecer nesse estágio.
No espaço dessas providências emergenciais destaco algumas que seriam as mais importantes na minha visão. Em primeiro lugar, há que se fazer um esforço de guerra contra os juros estratosféricos que são praticados hoje no país, que travam toda a economia e que acabam por onerar de forma intolerável a dívida pública. É sabido que esses juros elevadíssimos ocorrem por uma decisão estratégica do Banco Central, como forma de combate à inflação, que, por sua vez, é outro inimigo implacável nas taxas em que se encontra. Mas, o remédio amargo dos juros poderá ser substituído por uma redução drástica na gastança pública e no desperdício fiscal (que, a meu ver, foram as principais causas do recrudescimento inflacionário). Não há como corrigir os rumos da economia sem a redução corajosa dos juros primários.

Em segundo lugar, aparece um conjunto interconectado de ações e planos de implementação imediata, para revitalizar o ambiente econômico e permitir uma reação mais rápida dos níveis de crescimento. Destaco especialmente as reformas, previdenciária, tributária e trabalhista. Temos que remover o entulho arcaico de disposições e fatores que impedem o crescimento saudável da economia, seja na atração de investimentos, seja nos ganhos primários das atividades econômicas. É claro que, para que recuperemos os desejáveis níveis de competitividade no mercado globalizado, passa a ser importantíssimo que as medidas citadas anteriormente sejam complementadas por outras que resultem na redução drástica do "Custo Brasil". Nesse particular, destaco principalmente o combate à excessiva burocracia que tomou conta do Estado no período mais recente. A maior parte dessas providências dependerá da aprovação do Congresso Nacional. Por esse motivo, elas terão que ser propostas e comandadas ainda no período inicial em que haverá mais receptividade e apoio político ao novo governo.
Em minha opinião, esse seria um cardápio mínimo a respeito do qual, não nos bastaria a sua consecução parcial.

Essa é uma agenda mínima e imediata e não haveria espaço para qualquer comemoração se não vier a ser exitosamente implementada em sua inteireza e urgência. É uma tarefa árdua do ponto de vista político, mas não é menor do que as dimensões e efeitos potenciais da crise econômica atual. Torço pelo sucesso integral do novo governo nessa batalha. Não haverá uma segunda chance.
  • COMPARTILHE:

4 comentários para "O que esperar do governo Temer"

Felipe Vizerra Dos Santos
Felipe Vizerra Dos Santos disse: 12 maio 2016
Grande Rubens Menin, bom dia!

Sempre muito sensato e coerente, belíssima postagem!

Concordo plenamente, Temer está com uma grande missão. Torceremos demais para que ele trabalhe com muita seriedade e dê conta do recado.
Obrigado!
Abraços!
Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 12 maio 2016
Concordo com seu pensamento, o mesmo congresso que votou pelo impeachment deve ter igual empenho para agora aprovar, de forma urgente, as medidas necessárias.
Edmílson - MINISTERIAL
Edmílson - MINISTERIAL disse: 15 maio 2016
Prezado Rubens,
Muitas são os desafios impostos nesta atual conjuntura. Tenho comigo a seguinte visão quanto maior o desafio maior será a vitoria pois vivemos um momento de amadurecimento político na nação.Foco,visão,fé e muito trabalho e o sucesso ocorrerá com certeza.
Emir Jacob
Emir Jacob disse: 16 maio 2016
Excelente texto. Paralelamente às reformas mencionadas, o Brasil tem que voltar a investir já. O investimento público em infraestruturas talvez seja possível sem grandes pressões inflacionárias, aproveitando a tendência para zero do deficit em transações correntes. Petrobrás é outra locomotiva de investimento. O aumento do preço dos derivados, ainda que anacrônico e inflacionário, não precisa passar pelo congresso e capitalizaria a empresa para terminar as obras inacabadas
Assim, o emprego começa a voltar e o círculo (vicioso) pode mudar de sentido

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »