Por que não somos competitivos?

Publicado em 28 maio 2013

2 comentários

A ideia de competição está sempre relacionada à de comparação. No mundo globalizado, em geral, a competitividade da nossa economia costuma ser medida pela comparação entre os preços dos bens e serviços produzidos no Brasil e o de produtos equivalentes originários de outros países, de quem importamos e para quem gostaríamos de exportar. Nessa comparação mais frequente, é fácil observar que não somos competitivos porque é caro produzir no Brasil.


Em outros tópicos deste blog já tive oportunidade de conceituar o assim chamado "Custo Brasil", que é o diferencial que gastamos a mais que os nossos concorrentes internacionais para a fabricação dos mesmos produtos e que, no cotejo com a maioria dos mercados que nos interessam mais de perto, pode ser estimado como sendo um acréscimo médio da ordem de 30 a 40% do preço final. Esse adicional ou "Custo Brasil" varia de setor para setor ou mesmo entre produtos diferentes de uma mesma linha industrial, já que decorre da ação conjunta e variável de vários fatores, como a elevadíssima carga tributária, as deficiências de infraestrutura, o excesso de burocracia, o alto preço de alguns insumos semi-monopolizados pelo governo ou desfavoravelmente regulamentados (tarifas de energia, combustíveis, saneamento, comunicações, armazenamento e transporte, por exemplo) e os juros estratosféricos.


Volto a esse tema para abordá-lo por um prisma diferente e complementar. O "Custo Brasil" não está prejudicando a nossa competitividade apenas no que diz respeito aos produtos industrializados, que temos capacidade para fabricar, mas que, cada vez mais, perdem espaço para os similares estrangeiros. Também não estamos perdendo a corrida apenas em alguns mercados do setor de serviços mais expostos à concorrência com outras ofertas internacionais como o turismo, por exemplo, (onde as nossas tarifas hoteleiras são das mais altas do mundo). Existe um lado menos visível nessa perda geral de competitividade e que não tem sido muito comentado. Alguns segmentos industriais não estão expostos diretamente à concorrência internacional. É o caso da Construção Civil, por exemplo, cujos produtos só interessam ao mercado comprador nacional se forem construídos aqui, dada a impossibilidade de importá-los prontos. Idêntica situação ocorre também, largamente, no setor de serviços. Ninguém imagina substituir fornecedores da categoria de serviços pessoais (manicure, por exemplo) por concorrentes estrangeiros. Nesses setores, também, não temos a pretensão de exportar os nossos produtos para outros mercados externos. Não temos como fazer isso com um apartamento ou com um atendimento odontológico, também por exemplo.


Mas, mesmo não estando expostos à concorrência direta com os similares internacionais, os bens e serviços mencionados no parágrafo anterior não estão protegidos dos efeitos perversos do "Custo Brasil". O nosso mercado interno tem uma certa e limitada capacidade de compra desses bens e serviços e, quando eles são oferecidos a preços muito elevados, a demanda final diminui naturalmente. Se pudéssemos produzir imóveis ou serviços pessoais mais baratos, um volume muito maior de vendas seria alcançado. Com benefício para a economia, para o setor produtivo e, principalmente, para o bem-estar dos consumidores. Infelizmente, o aumento continuado do "Custo Brasil" tem anulado boa parte do crescimento do mercado doméstico, que foi originado com a melhoria dos níveis de renda e emprego observada nos últimos anos.


Acho importante destacar esse efeito menos visível. Não basta apenas repetirmos que os brasileiros gastam duas ou três vezes mais do que os cidadãos de outros países para comprar automóveis, eletrodomésticos, combustíveis e alguns tipos de alimentos. É igualmente importante sabermos que também pagamos muito mais caro por produtos ou serviços que não estão expostos à concorrência internacional. Um bom indicador disso é o "Índice Big-Mac", que utiliza, como unidade de comparação, o preço do popular sanduíche nos diversos países. Na última divulgação desse índice, o Brasil ocupava a quinta posição entre mais de cem países. Ou seja, o sanduíche produzido e vendido aqui, com as mesmas especificações padronizadas, custa mais caro do que em quase todos os demais países, perdendo apenas para Venezuela, Noruega, Suécia e Suíça. Com a redução do "Custo Brasil", um número muito maior de sanduiches desse tipo poderia ser vendido aqui, para ficar apenas nesse único e emblemático exemplo.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Por que não somos competitivos?"

Victor Dahan
Victor Dahan disse: 28 maio 2013
Realmente, um problema estrutural. À época das transações Portugal x Inglaterra e até hoje , somos vistos lá fora como um grande celeiro de matéria prima, sendo que nos últimos tempos, por conta do que foi comentado pelo senhor, até nesses setores primários estamos perdendo muito espaço para países de pouca expressão comercial. Tenho esperança que se investirmos forte numa educação digna, poderemos alcançar níveis próximos aos da Coréia do Sul, no nosso caso ,com repercussão direta na ordem política das nossas coisas. Acredito que, naturalmente, o sentimento de Nação, Pátria, voltará ao nosso povo e, aí sim, muito se poderá mudar.
Manoel Santos
Manoel Santos disse: 29 maio 2013
Essa ganância da administração pública que impede o país de ter preços competitivos e de qualidade, ainda não perceberam que se abaixar a um certo ponto, teremos uma produção maior e automaticamente o montante compensará, o problema é que se faz politicagem e não política ou administração do país, não vêem que os produtos que são passiveis de importação como os citados no artigo nos tiram espaço a cada dia, estamos voltando a ser colônia e agora de vários países.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »