Por que os Imóveis na Planta se Valorizam Tanto?

Publicado em 07 maio 2013

13 comentários

Tenho mencionado neste blog uma circunstância particularíssima do mercado habitacional brasileiro nos últimos tempos, qual seja, a grande diferença entre o valor dos imóveis prontos e o daqueles que são adquiridos na planta, quando do seu lançamento. Atualmente, essa diferença de valor pode alcançar até 50% do preço final de venda e um número crescente de compradores tem se aproveitado dessa economia na compra antecipada, para realizar negócios vantajosos ou para elevar o padrão do imóvel a ser adquirido. Embora a existência dessa diferença de preço já seja amplamente percebida e assimilada pelos compradores e pelo mercado em geral, a sua natureza e as suas origens nem sempre são bem compreendidas. Em vista disso, achei oportuno esclarecer melhor esse fenômeno, abordando, neste tópico, algumas de suas características.


A rigor, a diferença de valor (ou a economia na compra) vai se consubstanciando a partir do instante da aquisição em planta até o momento de conclusão da obra e de entrega do respectivo imóvel, quando, então, verifica-se que essa diferença pode ter alcançado até 50% do preço de venda da mesma unidade, já pronta. Alguma valorização de preço durante o período de construção sempre seria esperada, seja por conta da atualização monetária em um ambiente econômico com a presença de certo nível residual de inflação, seja pela simples antecipação do cronograma de pagamentos, com a dedução da respectiva taxa de interesse ou juros da aplicação. Mas esses fatores não poderiam resultar em uma diferença da ordem de 50% em prazos que, às vezes, não excedem 15 meses. Num período dessa duração, as variações de custo retratadas pela atualização monetária através do INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) situar-se-iam, no máximo, em 15,3% (extremo observado em 2008). De onde viria o restante dessa enorme valorização?


O restante dessa diferença pode ser explicado por dois fatores principais. O primeiro deles decorre do baixíssimo estoque atual de imóveis prontos e disponíveis para venda ou aluguel nas principais regiões metropolitanas e nas maiores cidades brasileiras. Tendo em vista a existência de uma demanda aquecida (pressão de compra) e de uma limitação no estoque de unidades disponíveis (restrição de oferta) a lei da oferta e da procura busca um novo ponto de equilíbrio, com a elevação final dos preços. É por essa razão que o valor dos imóveis tem aumentado tanto no Brasil, circunstância facilmente constatável pela elevação dos aluguéis mensais equivalentes. Atualmente, estes já alcançam médias de até 0,8% do preço dos imóveis, enquanto que, na maioria dos países desenvolvidos, essas taxas mensais raramente excedem 0,3%. Em resumo, quando um imóvel adquirido em planta fica pronto e é entregue, ele passa a integrar a categoria de um bem escasso diante das demandas existentes e, como consequência, absorve uma valorização imediata.


O segundo principal fator responsável pela diferença de preços analisada neste tópico decorre das dificuldades enfrentadas atualmente pelo setor da Construção Civil para financiar as suas operações e atividades, conforme já tive oportunidade de tratar em outros tópicos deste blog. A venda antecipada de unidades, além de viabilizar muitos empreendimentos pela confirmação de uma fração mínima garantidamente comercializada, possibilita aos empreendedores o acesso a capitais significativos, representados, não só pelas entradas ou princípios de pagamento (incluindo a parcela transferida do FGTS), como também a outros mecanismos de financiamento (como os praticados no âmbito do SBPE – Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, os correspondentes ao crédito associativo e, até mesmo, os subsídios governamentais em unidades que integram programas de incentivo para moradias econômicas).  Por essa razão, as incorporadoras e construtoras têm oferecido preços mais atraentes na venda antecipada, aumentando a margem de valorização dos imóveis durante a construção, como forma de equacionar os meios de financiamento de suas próprias atividades. Na maior parte das situações, esse desconto adicional corresponde ao repasse integral, aos compradores antecipados, dos ganhos de produtividade que vêm sendo obtidos recentemente no setor.

  • COMPARTILHE:

13 comentários para "Por que os Imóveis na Planta se Valorizam Tanto?"

Gabriel Jacobis
Gabriel Jacobis disse: 07 maio 2013
Assunto muito importante durante uma negociação, todo mundo sabe que valoriza mas não sabe o porque, mais um reforço para auxiliar no fechamento de uma venda.
leoncio
leoncio disse: 10 maio 2013
por que se valorizavam tanto? agora os megaespeculadores já estão lançando os imóveis por preços que não poderão ser praticados na época da entrega das chaves.
Rogerio Machado
Rogerio Machado disse: 21 fevereiro 2014
Prezado Rubens,
Com o número crescente de posts, a falta de DATA DE PUBLICAÇÃO dificulta fazermos referência aos textos em outros blogs e sites pessoais.
Sugiro, pois, que você inclua essa DATA no início OU ao final de cada post (sendo recomendável que um auxiliar seu atualize todo o blog enquanto é viável faze-lo :-).
Abs.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 28 fevereiro 2014
Prezado Rogério, cada post e comentário exibe sua data de postagem. Agradeço pelo comentário.
Apartamentos do Futuro | nossoimovel
Apartamentos do Futuro | nossoimovel disse: 17 setembro 2014
[...] Blog Rubens Menin [...]
Clauton Veloso Pugas
Clauton Veloso Pugas disse: 17 setembro 2014
[...] Blog Rubens Menin [...]
Fernanda Ferreira
Fernanda Ferreira disse: 17 setembro 2014
[...] Blog Rubens Menin [...]
Por que os imóveis na planta se valorizam tanto? | Guia do Empreendimento
[...] Blog Rubens Menin [...]
Seu Apartamento Ideal - Acabamento | nossoimovel
[...] Blog Rubens Menin [...]
Seu Apartamento Ideal - Preço | nossoimovel
[...] Blog Rubens Menin [...]

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »