Por que tudo é absurdamente caro no Brasil?

Publicado em 31 outubro 2013

4 comentários


Essa é uma pergunta fácil de ser respondida. O difícil é corrigir essa distorção. As coisas são caras aqui, em decorrência de dois fatores principais: a nossa produtividade é muito baixa em quase todos os setores e somos afetados pelo chamado "Custo Brasil", que onera a produção nacional e, até mesmo, a importação de itens com origens externas. A nossa produtividade é baixa por muitas causas, mas as principais são a burocracia, a regulamentação antiga e imprópria e a falta de infraestrutura e das demais facilidades que garantiriam maior eficiência. O "Custo Brasil" é um valor adicional que é gasto por todos os que se dispõem a produzir em nosso país e que resulta, entre outros fatores, da nossa opção política em favor de sustentar um Estado enorme e acima de tudo, muito caro. A elevadíssima carga tributária necessária para sustentar esse modelo é apenas a consequência inevitável das nossas escolhas.


Havia e ainda há uma enorme expectativa para o lançamento, entre nós, de dois produtos eletrônicos que, no mundo todo, converteram-se em objeto de desejo: o Playstation 4 e o novo iPad 5. No entanto, o preço destes produtos no Brasil é quatro vezes maior do que nos respectivos países de origem. Essa distorção não acontece apenas com esses dois campeões de popularidade. A mesma diferença ocorre também com quase todos os produtos importados, desde automóveis até peças de vestuário, passando por itens de maquiagem e cosméticos, por aparelhos eletroeletrônicos e por toda uma variada linha de bens produzidos em outros países. Essa situação estende-se, também ao setor de serviços e à indústria do turismo. Convertemo-nos em um país onde fica mais barato viajar para o exterior do que curtir as nossas belezas nacionais. Ou, ainda, em um país cujos habitantes preferem usar as suas férias anuais em viagens de compras no exterior, livres de impostos, mas com volumes de gastos e sangria financeira batendo sucessivos recordes.


Incompreensivelmente, muitas pessoas parecem não se dar conta dessa situação. Por isso, utilizei esses exemplos mais visíveis. Poderia acrescentar outros para mostrar como essa distorção afeta as possibilidades de escolha do cidadão brasileiro e a competitividade da nossa indústria. Atualmente, não temos mais condições de competição até mesmo com outras nações emergentes ou que apresentem economias menos avançadas do que a nossa. Muitas vezes, produtos nacionais exportados para outras nações têm preço de venda muito menor no país importador do que no Brasil. Um exemplo dessa situação é o carro Siena 1.4 – fabricado em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte – que é vendido internamente por um preço da ordem de R$ 45 mil e que pode ser encontrado nas concessionárias do Chile por cerca de R$ 25 mil. Quantos brasileiros deixaram de comprar esse carro por causa desse absurdo acréscimo de 80% nos preços internos?


Só conseguiremos sair desse impasse e fugir da espada que pende sobre as nossas cabeças com uma corajosa e ampla mudança de modelo. Temos que buscar a eficiência e a competitividade. Temos que eliminar, ou pelo menos diminuir significativamente, a burocracia infernal que se instalou entre nós. Temos que reformar, aperfeiçoar e reduzir a ciclópica máquina pública, cada vez mais voraz na arrecadação dos impostos e taxas necessários para sustentá-la. Mais do que nunca, o nosso foco deverá se concentrar na sábia recomendação: temos que fazer mais com menos e, se possível, fazer melhor. Se melhorarmos a nossa produtividade geral e se simplificarmos o burocrático ambiente econômico nacional, os preços dos produtos fabricados aqui se aproximarão, inevitavelmente, daqueles praticados no exterior. Além de sobrevivermos como país viável, certamente observaremos um nível maior de prosperidade, conforto e segurança para os brasileiros.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Por que tudo é absurdamente caro no Brasil?"

Lílian Araújo
Lílian Araújo disse: 31 outubro 2013
Concordo plenamente com este texto, infelizmente estamos "pagando" por esta baixa produtividade.
Marcos Drews
Marcos Drews disse: 01 novembro 2013
Os comentários do Dr.Rubens Menin retratam fielmente o cenário econômico brasileiro. No entanto a pergunta que se faz é por que
não se consegue esse modelo no país? Há pelo menos 20 anos se fala em reformas fiscal,tributária, eleitoral, em diminuir o tamanho do Estado Brasileiro e ele só cresce de tamanho (39 ministério e uma dívida pública enorme).Quando teremos força e competência para mudar o perfil do Congresso (políticos), a legislação arcaica e complexa,a falência no exercício da autoridade, etc? Tenho esperança que o Dr. Rubens e outros empresários de peso possam liderar um movimento que leve ao povo informações que o convença da sua importância no processo de mudança da "cara" deste amado País. Atc. Marcos Drews
Emanuel
Emanuel disse: 04 novembro 2013
Eu concordo mas com uma ressalva sobre a baixa produtividade, grandes empresas no Brasil continuam com sua estrutura de empresa familiar, pararam no tempo, o gerenciamento na ponto é falho, pode até ter uma excelente estrutura no topo da piramide que ainda é a forma que a maioria das empresar por aqui trabalham, na minha humilde opinião só vamos mudar quando começarmos a dar valor aos colaboradores, principalmente os que ficam no ponto mais baixo da hierarquia, um exemplo simples fácil de usar é na área onde o Senhor Rubens é especialista, vende-se uma unidade de seu empreendimento (...) e o corretor de imóveis ganha uma bagatela (...), num mercado cada dia mais disputado.
Imóveis em Atibaia
Imóveis em Atibaia disse: 05 novembro 2013
Eu concordo em grande parte deste texto, porém, creio que com a ascensão da classe mais baixa, ocorreu um aumento significativo no poder de compra do brasileiro.\nBaseado na infalível lei da Oferta/Procura, resultamos então no aumento de preço.\nHoje, o brasileiro compra o que oferecerem. Quase que não importa o que, mas se for parcelado, será comprado.\nCom relação aos imóveis então nem se fala. \nTivemos um aumento inédito em preços praticados pelo mercado imobiliário.\nMais uma vez, qual o motivo? OFERTA/PROCURA. \nCom financiamentos imobiliários, a possibilidade de se trocar o aluguel por uma propriedade se tornou real e a procura disparou.\n\nDiscutir valores,preços, políticas vão muito além de cargas tributárias. Isso é cultural e demanda até gerações para que o cenário mude.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »