Preço do Terreno no Brasil

Publicado em 27 dezembro 2012

6 comentários

Em tópico anterior deste blog, apontei a situação favorável do valor dos imóveis no Brasil diante daqueles observados em outros países e destaquei o fato de que temos o segundo menor preço médio de venda por metro quadrado construído entre os BRICS. Essa situação vantajosa, que se repete na comparação com países em outro estágio de desenvolvimento, como os EUA e a maioria dos integrantes da União Europeia, por exemplo, resulta de diversos fatores, entre os quais já mencionei, também, o preço favorável de alguns insumos e o elevado índice de produtividade alcançado pelo setor da construção civil nacional.


No entanto, esse diferencial está sendo progressivamente comprometido, e pode deixar de existir em futuro não muito distante, em decorrência de uma distorção grave. Um dos insumos mais importantes na formação do preço dos imóveis é o custo dos terrenos. Em geral, os terrenos custam mais caro em países de maior renda, existindo uma relação bem definida entre essas duas variáveis, aplicável a quase todas as economias do mundo. O Brasil foge a essa regra geral e dela se afasta cada vez com maior velocidade. Em outros termos, enquanto ainda conseguimos manter o preço médio de venda dos imóveis, por metro quadrado, em níveis inferiores a US$ 4 mil, o valor dos terrenos desembaraçados para construção cresce continuamente e em taxas cada vez mais elevadas (superando, às vezes, 25% ao ano durante muito tempo).


Nesse aspecto, a situação atual já é absolutamente anacrônica no cotejo internacional. Como exemplo desse absurdo, há que se observar que o preço por metro quadrado de terrenos destinados à construção de imóveis comerciais em qualquer avenida de grande circulação localizada em São Paulo, no Rio de Janeiro ou em Belo Horizonte é até dez vezes superior ao do seu equivalente situado em uma grande cidade norte-americana. Essa distorção decorre da lei da oferta e da procura, por limitação e encarecimento da primeira. Ou seja, não existem terrenos suficientes para atender, imediatamente, a procura para a edificação de novos prédios ou casas. Os preços têm que subir, inevitavelmente.


E, por que a oferta de terrenos desembaraçados está tão limitada? Mais uma vez, aponto o responsável perverso por tudo isso: a burocracia. Enquanto, nos EUA, um loteamento é aprovado em um prazo máximo de 90 dias, essa mesma aprovação, no Brasil, pode demorar até quatro anos. O impacto disso no preço dos terrenos desembaraçados é imediato.

  • COMPARTILHE:

6 comentários para "Preço do Terreno no Brasil"

Tiago Santana
Tiago Santana disse: 27 dezembro 2012
Sensacional, Muito boa Materia.
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 30 maio 2016
Boa tarde Debora, tudo bem? Você encontra mais inspirações de decoração no site www.mrvdecora.com.br ;)
Rafael
Rafael disse: 27 dezembro 2012
Eu acredito que a única explicação para os preços absurdos praticados na venda de terrenos no Brasil, é a GANÂNCIA de seus proprietários, alguns construtores e corretores de imóveis. Há menos de 5 anos, terrenos de 360 metros quadrados, em minha cidade, eram vendidos por R$ 7.000,00 parcelados em 60 vezes. Hoje, os mesmos, estão sendo avaliados por R$ 50.000,00, no mínimo. E nada explica essa valorização, pois os mesmos serviços são oferecidos (escolas, farmácias, posto de saúde, mercados...), as ruas continuam sem pavimentação, e há até fatores de valorização, como vizinhos de classes mais baixa (não é preconceito, mas a realidade do mercado).
Ednildo Carvalho Morais
Ednildo Carvalho Morais disse: 30 dezembro 2012
Sou Corretor de Imoveís, no Estado da Bahia, da nona região, em Teixeira de Freitas. Concord0 plenamente com esta realidade, em que passa o país, o mercado imobiliario está super aquecido.
A politíca imposta pelo Governo Federal tem ajudado tanto as construtoras,imobiliarias, prestadores de serviços da construção civil,e a quem queira construir.Torcer que melhore ainda mais, principalmente nos escritorios de Registro de Imoveís.
Francisco
Francisco disse: 05 março 2013
O que puxa um preço de um insumo é sempre o produto final. Com o mercado imobiliário não é diferente. Os terrenos só subiram porque o mercado imobiliário resolver embolsar o benefício da redução das taxas de juros aumentando descontroladamente os preços dos imóveis.

E ainda é preciso dizer que as construtoras estocaram muitos terrenos antes destes terem seus preços majorados.
Hudson
Hudson disse: 05 março 2013
O que puxa um preço de um insumo é sempre o produto final. Com o mercado imobiliário não é diferente. Os terrenos só subiram porque o mercado imobiliário resolver embolsar o benefício da redução das taxas de juros aumentando descontroladamente os preços dos imóveis.

E ainda é preciso dizer que as construtoras estocaram muitos terrenos antes destes terem seus preços majorados.
Rodrigo
Rodrigo disse: 05 março 2013
O que puxa um preço de um insumo é sempre o produto final. Com o mercado imobiliário não é diferente. Os terrenos só subiram porque o mercado imobiliário resolver embolsar o benefício da redução das taxas de juros aumentando descontroladamente os preços dos imóveis.

E ainda é preciso dizer que as construtoras estocaram muitos terrenos antes destes terem seus preços majorados.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »