Prefeitos: EUA x Brasil

Publicado em 26 maio 2015

4 comentários

As comparações e cotejos ajudam, muitas vezes, a explicar diferenças entre comportamentos, técnicas de gestão ou características operacionais de instituições diferentes. Vou desenvolver, neste tópico, uma análise pessoal acerca da profunda distinção – e suas conseqüências – relativamente à administração de governos locais nos EUA e no Brasil. Por administração local em ambos os países estou considerando as cidades, distritos, municipalidades e microrregiões administrativas, conforme a lógica adotada para organizar hierarquicamente o governo e a administração pública em cada um deles. Nos EUA, a situação é mais variável, dada a autonomia constitucional dos estados. De qualquer forma, podemos considerar o padrão predominante: União; Estado; Condado (ou Paróquia, ou Distrito); e Municipalidade (ou Cidades, ou Vilas, ou Distritos, ou Vizinhanças). Por analogia, considerarei o padrão brasileiro como aquele formado por: União; Estado e Município. Ou seja, farei as comparações focando, nos dois países, a administração local correspondente ao terceiro nível ou menor na administração política. Há ainda uma distinção na forma de estruturação política dessas administrações locais nos dois países. No Brasil, essa célula básica de poder é constituída por um Prefeito eleito (Executivo) e por uma Câmara Municipal também eleita (Legislativo). Nos EUA o padrão estrutural também é muito variado com a predominância daquele representado pelo "Mayor" eleito (Executivo) e pelo Conselho Central (ou Comissão, ou Câmara) também eleita (Legislativo e Ordenador). Embora sempre democrática, a forma de provimento dessas funções é extremamente variada, sendo que, no momento, uma tendência crescente é a de contratação do "Mayor" ou Prefeito por parte do Conselho Central, com ou sem mandato fixo (pode ser removido a qualquer hora), como uma espécie de Síndico recrutado pela sua capacidade ou competência.


Quis o acaso que eu acabasse por reunir uma visão ampla e detalhada desses dois ambientes por ser, simultaneamente, "chairman" da AHS Development Group, empresa com sede na Florida e que desenvolve projetos em diversas cidades norte-americanas e "chairman" da MRV Engenharia, empresa líder na construção de imóveis econômicos no Brasil e que está presente em 132 cidades de 19 estados (além do Distrito Federal). Essa circunstância privilegiada possibilitou que eu fizesse análises e comparações, destacasse vantagens e desvantagens de cada ambiente e pudesse sugerir projetos ou atitudes mais vantajosas para a situação nacional. A primeira coisa a considerar nesse cotejo é que, em sua grande maioria, os Prefeitos norte-americanos costumam ter uma consciência clara das vantagens de atraírem investimentos para o seu território, como fator de melhoria da qualidade de vida das populações locais. Eles sabem muito bem, que a perda de uma oportunidade de investimento será definitiva e jamais poderá ser compensada por qualquer iniciativa subseqüente; ela estará perdida para todo o sempre, ainda que apareçam outras. Por conta disso, temos lá um ambiente muito mais favorável e ágil para os investimentos, especialmente na forma que costumamos denominar de "parceria público-privada". Entre nós, por outro lado, os prefeitos capacitados e competentes, que possam conduzir com seriedade e proficiência as administrações locais são, infelizmente, uma minoria. Um grande número deles não consegue, sequer, entender a importância da atração de investimentos e da transformação das respectivas cidades ou regiões em pólos econômicos de maior desenvolvimento ou prosperidade. O pior, é que existe uma parte desses mesmos prefeitos que ainda fica obnubilada pelo pensamento medieval segundo o qual é melhor impedir qualquer progresso. E, como conseqüência, estimulam a burocracia e criam dificuldades insuperáveis para a aprovação de projetos e instalações. Temos que enfrentar isso de frente.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Prefeitos: EUA x Brasil "

Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 27 maio 2015
O projeto arquitetônico do primeiro edifício que construí em Divinópolis, 13 anos atrás, levou 1 semana para ser aprovado pela Prefeitura. O último, aprovado em 2014, levou 10 meses.

Ótimo artigo!
Mônica Torres
Mônica Torres disse: 28 maio 2015
Olá, Rubens! muito esclarecedor este artigo. De fato, é uma lástima que hajam tão poucos governantes no Brasil (nas mais diversas esferas), com a luz da evolução como primeira ordem. Essa é uma prática americana, que nos impressiona bastante, quando temos oportunidade de ver isso em funcionamento. Nas visitas que fiz aos Estados Unidos, observei que o cuidado com o desenvolvimento é uma constante, e é interessante notar como a estrutura urbana por menor que seja (vi cidades de duas ruas principais), são como pequenos trechos de metrópoles, que ali estão como módulos que se unirão para formarem grandes urbes.
É a valorização dos investimentos, associada à identificação de boas parcerias e agilização dos projetos que os faz progredir e tanto nos tem feito falta no Brasil. Parabéns pelo artigo!
Mônica Torres
ECLAIR MARIANO BRITO DE ARRUDA
ECLAIR MARIANO BRITO DE ARRUDA disse: 29 maio 2015
Obrigada, seus posts têm contribuído para minha especialização em Gestão de Negócios e Empreendimentos Imobiliários.
Como é de seu conhecimento, está previsto nos Plano Diretor aqui em Curitiba, mas sem regulamentação ainda,a implantação ou mesmo obrigatoriedade de cotas para habitação social atreladas a construção em grandes empreendimentos imobiliários. Qual o seu posicionamento a respeito ?
Julio falcao
Julio falcao disse: 18 outubro 2015
Minha, grande duvida e em relaçao ao tamanho do estado, na brasil existem pouco mais de 5.570 cidades e no EUA mais de 18.000, as cidades americanas sao mais eficientes ? Quanto custa a estrura com prefeitos secretarios,vereadores se nosso numero de cidades e tao menor , onde estamos perdendo.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »