Turnover X Capacitação

Publicado em 10 dezembro 2014

1 comentários

Incluí no título deste tópico uma palavra emprestada diretamente do inglês (turnover) porque ela já é de uso corrente no Brasil e expressa com mais fidelidade o conceito de gestão que vinha sendo descrito com a expressão "rotatividade de mão de obra" existente em português. Para o interesse específico deste assunto, devemos fazer uma distinção: rotatividade (medida geralmente como a razão entre a média de demitidos e admitidos em um período de tempo e o estoque de trabalhadores existentes ao fim do período imediatamente anterior) e "turnover", embora aparentemente sejam a mesma coisa, correspondem a indicadores diferentes para quem gerencia uma empresa. "Turnover" é muito mais do que uma indicação da velocidade com que o quadro de colaboradores de uma determinada organização é renovado ao longo do tempo.


Modernamente, o conceito importado de países ou regiões em estágio mais evoluído de administração empresarial é utilizado como indicador prático do estado de qualidade e proficiência do time de colaboradores (medido não apenas como resultado da educação formal, como também das habilidades adquiridas "on the job" para lidar com equipamentos e processos mais sofisticados no ambiente de cada organização, segundo suas diretrizes e políticas internas próprias, ou ainda, dos programas de treinamento e capacitação). Aliás, já que estou tendo o cuidado de definir a acepção que estou atribuindo a cada palavra usada no título, seria bom esclarecer o termo "capacitação". Neste caso, não se trata apenas de um modismo atual de linguagem e deve ser entendido como o conjunto de iniciativas, programadas ou não (incluindo desde treinamento e cursos de desenvolvimento de habilidades e aptidões, passando pelo estímulo à integração funcional, até chegar à simples leitura e compreensão de manuais ou catálogos de um novo equipamento). Todos esses benefícios ocorrem com mais intensidade e maior efetividade, quanto mais lentamente é renovado o time de colaboradores de uma organização.


A grande inovação iniciada nos anos 1970 pela indústria automobilística japonesa, materializada originalmente naquilo que ficou conhecido como "Sistema Toyota de Produção" e que rapidamente se expandiu pelo mundo industrializado, incluiu a busca incessante da diminuição de "turnover" visando o aumento da qualidade dos produtos e a melhoria da produtividade e competitividade industrial. Coisas muito interessantes surgiram no âmbito desse processo japonês, como a substituição da departamentalização pela diversificação funcional integrada em nichos mais amplos, e a prática do conhecido "Botton-up System, forma de premiar desempenhos, descobrir e reter talentos ou aumentar a motivação para o treinamento e a integração. Os resultados foram imediatos, especialmente na grande melhoria de qualidade dos produtos, que passaram a dominar os mercados globais, e na surpreendente elevação da produtividade e da competitividade.


No caso brasileiro atual, precisamos seguir, ainda que tardiamente, a tendência mundial de gestão vencedora, que reconheça as vantagens das práticas mencionadas nos parágrafos precedentes. Elas melhorarão, em curto prazo, a nossa produtividade e a nossa competitividade no mercado globalizado. Para isso, é necessário que as nossas empresas mudem as relações de trabalho com o seu corpo de colaboradores, estabelecendo os atrativos necessários para que os colaboradores queiram permanecer nas organizações por tempo mais longo. Isso inclui a criação de benefícios conhecidos, transparentes e confiáveis, bem como a evolução tecnológica permanente das próprias organizações (quesito que serve como estímulo e desafio aos mais arrojados e exigentes). E, paralelamente a tudo isso, muito treinamento, muita atividade de integração e muitas iniciativas para elevar o nível cultural de todos. É tratar de se fazer isso logo ou, do contrário, continuaremos a descer a ladeira da perda de competitividade e da estagnação da produtividade.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Turnover X Capacitação"

Sérgio Azevedo Sampaio
Sérgio Azevedo Sampaio disse: 29 outubro 2015
Prezado Rubens Menin

Ao ler este artigo percebi a sua preocupação. Ela pode ser resumida em Como manter e capacitar os melhores colaboradores para aumentar a produtividade.

Capacitar e manter a motivação dos colaboradores e ao mesmo tempo aumentar a produtividade é um dos maiores desafios de um Líder/Gestor.
O principal recurso de uma empresa para aumentar a produtividade são as pessoas/colaboradores. O ser humano é por natureza um ser que busca o menor esforço. Naturalmente/espontaneamente ele procura uma forma mais fácil, rápida e de menor esforço para realizar suas atividades. A roda, o automóvel, a energia, as edificações, prédios de apartamentos são soluções que surgiram neste espírito de tornar a vida mais fácil e confortável. Este comportamento gera maior PRODUTIVIDADE, ou como fazer mais com menos. Fator fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Vem então a questão na mente do Líder/Gestor. Como reduzir o Turnover capacitar os colaboradores para aumentar a produtividade?

Reduzir turnover = manter motivados os melhores colaboradores ou aqueles que podem contribuir para aumentar a produtividade.

Aumentar a produtividade = capacitar os colaboradores para que eles gerem maior produtividade.

Capacitar = gerar conhecimento para solucionar problemas, inovar, melhorar resultados, para aumentar a produtividade.
Gerar conhecimento = identificar informações úteis que possam solucionar, problemas, inovar, melhorar resultados, para aumentar a produtividade.

As informações estão disponíveis como os colaboradores, internet, livros, artigos, revistas, jornais, sistemas da empresa, etc.. Mas para que eles geram soluções elas devem ser mapeadas, analisadas e disponibilizadas para os colaboradores para que eles em equipe gerem o conhecimento que a empresa precisa para aumentar a produtividade.

As novas tecnologias e aplicativos baseados na internet facilitaram o acesso a informação, mas para gerar conhecimento é preciso saber utiliza-las de maneira efetiva e eficiente.
Para fazer isto utilizo o conceito de REDES DE CONHECIMENTO. São grupos de trabalho que compartilham seus conhecimentos utilizando as redes sociais/profissionais para gerar soluções/conhecimentos.
Gostaria de poder aprofundar neste tema pessoalmente, mas espero ter podido colaborar para solucionar suas duvidas/problema. Qualquer duvida estou a disposição.
Saudações.

Sérgio Sampaio

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »