Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor econômico ou região que avança no uso de tecnologias mais modernas e atualizadas experimenta um surto positivo de prosperidade. Desta vez, quero abordar esse equívoco de interpretação que apareceu novamente após a divulgação, na semana passada, dos dados do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, apurados no mês de outubro.


Com efeito, essa ferramenta do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) apontou o pior resultado para a criação de empregos formais no país, em um mês de outubro, desde 1999 (1.748.656 demissões contra 1.718.373 admissões, deixando um saldo líquido de 30.283 postos de trabalho fechados). Esse péssimo resultado, que corresponde a cerca de 0,07% do estoque de vagas ocupadas no mês anterior (setembro de 2014), decorreu, principalmente, da diminuição de postos de trabalho na Construção Civil (33.556), na Agricultura (19.624) e em vários ramos industriais, baixas que não puderam ser totalmene compensadas pelo crescimento das contratações no setor público, no ramo de serviços e no comércio. Essa é uma questão complexa e que precisa ser revertida, mas decorre antes do baixo crescimento e das deficiências estruturais da nossa economia do que do avanço tecnológico em si, visto equivocadamente como o papão de empregos.


Sobre isso, é importante observar que a prosperidade das nações (de todas elas, assim como a nossa própria) decorre do aumento geral de produtividade obtido com a incorporação de novas tecnologias e com a conseqüente substituição da mão de obra menos qualificada por capital fixo (máquinas, equipamentos e processos automatizados). Vimos isso nos setores industriais e de serviços, com a incorporação acelerada de tecnologia da informação a partir da década de 1970. Novamente o processo se repetiu, atingindo, desta vez a agricultura, a partir da década de 1990, quando alcançamos índices superiores de produtividade e pudemos sustentar as nossas contas externas com um grande volume de exportação de grãos. Esse mesmo processo acabou por alcançar, também, a Construção Civil, a partir de 2005, até atingir a intensidade atual com a mecanização dos canteiros e com a assim chamada "construção industrializada". Atualmente, as construtoras brasileiras produzem mais do que há uma década (metragem quadrada total) e o fazem com a utilização de metade do número de trabalhadores ocupados naquela época. Nesse setor, que conheço de perto, o progresso não se restringiu apenas à melhoria da qualidade e da segurança dos produtos e nem à simples redução nos custos de produção. Houve, também, uma melhoria muito significativa nas condições gerais de trabalho (conforto e segurança), na remuneração dos operários e, principalmente, na capacitação e treinamento da mão de obra envolvida.


O que descrevi resumidamente para a Construção Civil vale para o conjunto da economia. O aumento da produtividade e o desenvolvimento econômico têm produzido o efeito secundário de impor a capacitação, treinamento e melhoria do nível cultural dos trabalhadores, alavancando, como um êmbolo, os contingentes menos qualificados para padrões superiores de educação e renda. Aliás, como a experiência internacional tem mostrado, os efeitos desse ciclo são muito mais profundos e permanentes: o porte e a importância relativa dos segmentos econômicos estão premiando os setores mais exigentes em detrimento daqueles que ocupam mão de obra menos qualificada, ou seja, o ciclo transfere ocupações e riqueza desde as atividades primárias (mineração, agricultura, etc.), passando pelas atividades secundárias (indústria, construção, etc.) até alcançar e ampliar o setor terciário (serviços, administração, etc.). Resta saber se estamos nos planejando e nos preparando adequadamente para surfar essa onda inexorável, com o máximo proveito para todos os cidadãos.


Por oportuno, já que mencionei a Construção Civil, quero registrar outro resultado importante do avanço tecnológico nesse setor. As construtoras brasileiras alcançaram, neste nível tecnológico, uma capacidade de produção muito superior àquela que apresentavam no passado. Portanto, pela lógica ou por simples bom senso, essa capacidade adicional deveria ser aproveitada e, ao invés de redução nos postos de trabalho, que demonstra um nível elevado de ociosidade, poderia estar sendo produzido um número maior de moradias para enfrentar de forma mais objetiva o nosso renitente déficit habitacional. É tudo uma questão de planejamento público, de prioridade institucional e de opção política. E de melhor distribuir a riqueza obtida com o aumento de produtividade, na forma da universalização do acesso à moradia.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Um setor em constante mudança"

andres mendez
andres mendez disse: 25 novembro 2014
Nossa cultura empresarial e profissional contribui bastante para o espirito conservador das mudanças e do progresso que trazem sempre os benefícios da sustentabilidade em todas as operações
O Brasil deve estar preparado para construir para faixas de renda mais pobres, com a mesma qualidade atual e com prazos mais curtos
mesmo com problemas de cultura e muita burocracia devemos enfrentar esta realidade, a construção deve ter no seu canteiro de obras uma simples linha de montagem com mão de obra sem especialização e com uma gestão muito eficiente
MRV esta neste caminho e pode ser um bom exemplo para o resto do mercado, inspirando outras empresas para seguir o caminho do sucesso. Tudo vai mudar na construção , RH- SUPRIMENTOS-Gerenciamento- Planejamento-Projetos-vai mudar principalmente para eliminar totalmente a incompetência e irresponsabilidade técnica e aumentar o lucro das empresas mesmo melhorando a qualidade do produto final o lucro deve ser maior
Andres P Mendez
Andres P Mendez disse: 25 novembro 2014
Nossa cultura empresarial e profissional contribui bastante para o espirito conservador das mudanças e do progresso que trazem sempre os benefícios da sustentabilidade em todas as operações
O Brasil deve estar preparado para construir para faixas de renda mais pobres, com a mesma qualidade atual e com prazos mais curtos
mesmo com problemas de cultura e muita burocracia devemos enfrentar esta realidade, a construção deve ter no seu canteiro de obras uma simples linha de montagem com mão de obra sem especialização e com uma gestão muito eficiente
MRV esta neste caminho e pode ser um bom exemplo para o resto do mercado, inspirando outras empresas para seguir o caminho do sucesso. Tudo vai mudar na construção , RH- SUPRIMENTOS-Gerenciamento- Planejamento-Projetos-vai mudar principalmente para eliminar totalmente a incompetência e irresponsabilidade técnica e aumentar o lucro das empresas mesmo melhorando a qualidade do produto final o lucro deve ser maior

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »

Troca de Tecnologia

Publicado em 26 agosto 2014

7 comentários

No tópico antecedente deste blog mencionei o moderno processo de gestão, usualmente denominado de "benchmarking", para justificar a conveniência de buscar sempre exemplos vencedores, estejam eles onde estiverem, e utilizar as experiências bem-sucedidas em nosso próprio benefício, ou seja, para ajudar a resolver os problemas da realidade em que estamos inseridos. Diante das possíveis e esperadas críticas que vivem repetindo o surrado e equivocado chavão segundo o qual os problemas nacionais são...
Leia mais »