2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram por produzir uma crise sem precedentes na história da nossa República. Negócios (novos e antigos) foram por água abaixo, setores produtivos inteiros desestruturaram-se, capitais evaporaram ou foram procurar outras plagas, um enorme contingente de brasileiros foi lançado no desemprego, famílias passaram a conviver com o opressivo fantasma da inadimplência, sonhos foram desfeitos e a maior parte da nossa sociedade passou a ostentar uma expressão comum de desalento, insegurança e apreensão.


Mesmo em um panorama desses, cada espírito reage de uma forma ao estímulo da proximidade simbólica da data de mudança de ano. Alguns reacendem uma chama de esperança e se preparam para enterrar de vez o mau período; outros encaram com desconfiança o advento do novo ano e a entrada de 2017. Vamos repetir ou aprofundar as nossas dificuldades e mazelas? Ou vamos dar a volta por cima e deixar para trás as incertezas e angústias?


Vivi de perto o que aconteceu com a indústria brasileira da construção civil. Esse setor ostentou, no exercício que agora se finda, um triste recorde acumulado: perdemos 700 mil postos de trabalho. Nenhum outro segmento econômico perdeu tanto! Aliás, nos 42 anos da minha vida profissional ativa nesse setor, nunca vi um período tão ruim e tão difícil. Além da conjuntura econômica desfavorável e da grande perda de renda dos brasileiros, a indústria da construção foi fortemente afetada pelas turbulências da Operação Lava-Jato, seja pela desativação de grandes obras e investimentos, seja pela própria perturbação política decorrente dessa investigação. No entanto, sou particularmente otimista quanto aos efeitos finais dessa grande operação investigativa e de suas consequências judiciais. Sairemos delas como um país muito mais amadurecido e preparado para observar os procedimentos éticos que comprovadamente conduzem à melhores resultados econômicos e produtivos finais. Vejo com otimismo, também, a própria retomada do nível de produção da construção imobiliária. Na minha percepção poderemos construir, em 2017, em todo o território nacional, de 100 a 200 mil unidades habitacionais a mais do que o montante construído neste ano de 2016. É uma boa retomada, que, na prática, depende de ajustes relativamente simples na estrutura de produção nacional e na adaptação gerencial das empresas ao novo ambiente econômico que passará a prevalecer já no próximo ano. É possível e pode ser alcançado. Em decorrência, poderiam ser recuperados cerca 200 mil novos postos de trabalho, em um prazo não muito longo. Ou seja, estamos conjecturando sobre uma belíssima contribuição potencial que a indústria da construção poderá prestar à inadiável retomada do crescimento econômico nacional.

Evidentemente, qualquer postura otimista sobre o nosso horizonte imediato somente poderá ser adotada se for acompanhada pela indispensável atitude de interesse, cooperação e engajamento propositivo nas ações fundamentais de reorganização política e econômica que a nação exige neste momento crítico, seja a nível pessoal, familiar, corporativo ou mais geral. Ou melhor, tudo dependerá de um comportamento proativo e consistente por parte da nossa sociedade ou de segmentos preponderantes dela, para que tenhamos o direito de encarar 2017 com otimismo. Mas, essa é uma aposta que vale a pena ser feita!

  • COMPARTILHE:

3 comentários para "2017 vem aí!"

Gustavo Malachias
Gustavo Malachias disse: 29 dezembro 2016
"O Brasil ganhou a chance de amadurecer e de se preparar para conviver com procedimentos éticos.
Que os grandes empresários brasileiros descubram que os procedimentos éticos conduzem aos melhores resultados econômicos e produtivos finais."
Antônio León
Antônio León disse: 01 janeiro 2017
Parabéns, excelente artigo. 2017 vem aí, vamos escrever uma nova história, com novas cores, mais colorida. Muito me honra trabalhar com os produtos MRV. Saúde, Paz, Sucesso... para todos!
Leandro Dias Viana
Leandro Dias Viana disse: 10 janeiro 2017
Senhor Rubens Menin, obrigado por tudo! Foi uma honra poder ter trabalhado aí na MRV! Que o Senhor Deus lhe retribui muito mais!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »

Ambiente Empresarial

Publicado em 19 fevereiro 2016

14 comentários

Na economia, como na natureza, quase todos os processos e atividades – em maior ou menor grau, dependendo de sua espécie e complexidade – podem ser considerados como a resposta dos respectivos sistemas ao ambiente em que eles ocorrem. Em geral, existe uma regra básica que costuma ser aceita sem controvérsia: ambientes bons (saudáveis, equilibrados, sustentáveis ou racionais) são exigências obrigatórias para que os processos produzam bons resultados, incluindo, tanto aqueles de características...
Leia mais »