A Carga Tributária e o Consumo

Publicado em 02 julho 2013

2 comentários

Os brasileiros, no conjunto, estão sentindo que perdem poder de compra a cada dia ou a cada mês. E se ressentem disso, seja diretamente pelas restrições de consumo que impõem a si mesmos, seja indiretamente por conta do endividamento forçado a que se submetem para manter o padrão anterior de gastos. A maioria dos cidadãos e das famílias identifica os efeitos perniciosos da inflação, reconhecendo que o aumento de preços limita ou impede o consumo de alguns itens habituais, ou seja, corrói progressivamente as rendas e os salários. Grande número dos insatisfeitos desconfia de que essa perda no poder de compra decorre, também, da incidência exagerada de impostos, já que a questão da nossa elevada carga tributária tem sido muito noticiada e comentada. Decidi voltar a esse assunto justamente na tentativa de contribuir um pouco mais para que todos possam chegar a um entendimento melhor acerca dessa importantíssima questão, nessa época de manifestação de queixas e de esperanças.


De início, há que se destacar que, em média, os brasileiros pagam impostos e taxas equivalentes a quase 40% de tudo o que ganham ou produzem (salários, rendas e lucros), quando se calcula a carga tributária (36,27%) como a relação percentual entre a arrecadação de impostos pelos três níveis de governo (superior a R$ 1,6 trilhão) e o PIB nacional (da ordem de R$ 4,5 trilhões).
Na realidade, a nossa carga tributária atual deve ser superior a 42% do PIB, se consideradas outras formas de arrecadação e de custeio da máquina governamental que não são contabilizadas diretamente como impostos ou taxas, conforme já tive oportunidade de abordar no tópico "Carga Tributária Disfarçada", publicado em março deste ano. Aliás, alguns especialistas estimam que esse percentual pode estar se aproximando de 45% do PIB, se considerado, também, o aumento do endividamento público (que não deixa de ser uma forma disfarçada de imposto utilizada para o custeio da máquina governamental). De todo modo, é fora de dúvida o crescimento exagerado desse percentual, seja na comparação internacional (muito superior à carga tributária dos EUA, do Japão e dos demais países emergentes), seja na comparação com os níveis que o Brasil já praticou no passado (menos de 20% antes de 1964; menos de 30% antes de 1999, aproximadamente). Por conta dessa incidência cada vez mais elevada, os preços dos bens e serviços produzidos no Brasil não param de crescer.


A partir desse pano de fundo, podemos considerar, de forma simplificada e sem perda significativa de precisão, que o bolo tributário nacional é formado de três parcelas: metade corresponde aos impostos que incidem diretamente na produção e no consumo dos bens e serviços e estão embutidos nos respectivos preços, uma quarta parte resulta da taxação direta dos ganhos, rendimentos e lucros (salários, dividendos, rendas, etc.) e outra quarta parte é representada por impostos e taxas diversas (venda de imóveis, taxas aduaneiras, impostos sobre operações financeiras, propriedade de veículos, etc.) sendo que essas duas últimas fatias da pizza também repercutem no preço final dos bens e serviços vendidos aos brasileiros. É uma pizza muito desequilibrada, com a parcela correspondente à primeira metade (aproximadamente 50%) resultante da arrecadação direta sobre a produção e o consumo exageradamente maior do que a observada em outros países (10% nos EUA e 30% nas nações que integram a OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).


Temos um fato novo, que pode ajudar muito no processo de conscientização dos brasileiros acerca dessa distorção tributária: a Lei n° 12.741/2012 que obriga o lançamento, em todas as notas fiscais ou cupons eletrônicos de venda ao consumidor, de sete dos impostos diretamente incidentes sobre a produção e comercialização de bens ou serviços (IPI, ICMS, ISS, IOF, PIS, COFINS, CIDE). Pena que a vigência dessa obrigação tenha sido postergada por um ano, por ato governamental baixado no início do mês. Essas disposições, quando estiverem sendo completamente praticadas, evidenciarão de modo mais nítido, a contribuição dessa primeira metade da pizza tributária na formação dos preços cobrados da população insatisfeita.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "A Carga Tributária e o Consumo"

Rodrigo Silva
Rodrigo Silva disse: 02 julho 2013
Sinceramente, não me senti nenhum pouco surpreso sobre esta lei citada por ultimo ter sido postergada, afinal para esconder os "detalhes" do povo o governo é PRO!.

Adorei o post, parabens!
Leonardo
Leonardo disse: 16 julho 2013
Pra mim, essa lei que obriga o lançamento dos impostos nas notas fiscais não tem efeito prático algum. Quando é que vamos discutir pra valer uma reforma tributária no Brasil?

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »