A Credibilidade e os Investidores

Publicado em 04 março 2015

5 comentários

A economia nacional e também o país em si mesmo – como as instituições que materializam o Estado brasileiro – estão no vórtice de uma profunda e perigosíssima crise de credibilidade (termo mais suave que vem sendo usado para substituir a palavra "confiança"). Essa situação é ainda mais chocante quando se observa que ela surgiu e potencializou-se no curto período de tempo transcorrido desde 2009. Antes disso, o país dispunha de uma economia estável, com razoável equilíbrio fiscal, contas públicas sob relativo controle, reservas divisionárias progressivamente crescentes e diminuição paulatina do endividamento público. Tudo isso, garantindo a evolução crescente do PIB – Produto Interno Bruto, se não a taxas chinesas, pelo menos a um ritmo relativamente compatível com aqueles apresentados pelos outros países em desenvolvimento. Aliás, essa situação antecedente garantia grande visibilidade internacional ao Brasil (transformado no "queridinho" dos investidores internacionais e indicado como aquele entre os BRICS {Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul} com maior potencial de crescimento sustentável, por conta de suas instituições estáveis e democráticas, seu ambiente legal confiável e suas diretrizes econômicas equilibradas). Por razões que não poderiam ser abordadas no curto espaço deste tópico, mas que já são de conhecimento público geral, a estrutura da nossa economia sofreu significativa modificação, potencializada, por sua vez, pelos acontecimentos relacionados com a Petrobras. O fato concreto é que as conseqüências não se limitaram à deterioração rápida dos principais índices econômicos, posto terem alcançado, também, a credibilidade do nosso país junto aos investidores nacionais e estrangeiros. Este é o efeito específico que eu pretendo examinar no presente tópico.

Em lugar de o Estado concentrar seus esforços emergenciais no aumento de tarifas e tributos existentes ou na retirada súbita de benefícios ao cidadão comum, melhor faria se reduzisse os seus gastos correntes e se reunisse os esforços de todos em um mutirão ou pacto destinado à recuperação da nossa credibilidade anterior. Entendo que haveria clima para essa cooperação ampla, tendo em vista os benefícios que poderiam ser obtidos com a preservação dos negócios e empresas, dos empregos e da renda. O reequilíbrio e o crescimento da economia, desde que criado o ambiente adequado de confiança e de atratividade, poderia ser ativado com os investimentos internos e externos. Os grandes investidores nacionais estão ressabiados, desconfiados e arredios. Nem é necessário mencionar a progressiva queda na taxa de investimentos nacionais em relação ao PIB, que, pelo andar da carruagem, poderá cair abaixo de 13% em um horizonte não muito distante. Outros indicadores são mais objetivos e práticos para evidenciar essa fuga de investidores: em 2014, pela primeira vez, o número de aberturas de capital através de IPO (oferta pública de ações em bolsa de valores) reduziu-se a um único e heróico evento no nosso país. Outro indicador preocupante, e também um caso inédito, está consubstanciado no fato de que, em 2015, até agora, nenhum título da dívida púbica e privada (Bond) foi emitido, dada a esperada dificuldade na busca de interessados pela compra desses papéis.

Quando se trata de investidores estrangeiros, a situação parece ainda pior. Recentemente, participei de uma série de encontros com investidores internacionais e fiquei chocado com o que pude constatar: um clima geral de hostilidade em relação à economia e à estrutura político-legal do nosso país, convergindo para uma nítida aversão a qualquer possibilidade de investimentos no Brasil. Em alguns desses encontros o assunto foi tratado até com desdém, incluindo menções irônicas ao escândalo da Petrobras. Esse clima é péssimo para os interesses nacionais, já que em um mundo globalizado como o atual, nenhum país ou região poderá prosperar sem uma interação forte e saudável com as principais economias mundiais e com os "players" capazes de alavancar grandes investimentos e negócios. É desse espaço que deveriam ser atraídas as grandes fontes de financiamento para alavancar o nosso próprio progresso, garantindo empregos, rendas progressivamente crescentes e aumento continuado do PIB. Temos que inverter isso. Não podemos ficar no descrédito de todos. Acho importantíssimo e urgente, que as nossas lideranças políticas e empresariais juntem os seus esforços para construírem, objetivamente e sem demagogia, uma "Sociedade de Confiança", para substituir o combalido estado atual.
  • COMPARTILHE:

5 comentários para "A Credibilidade e os Investidores"

emerson
emerson disse: 05 março 2015
se pega dez reais de cada brasileiro todo mes daria para resolver o poblema abtacionaol em cada cidade pelo menos para pagar somente o loteamento avista e usulfluir dos empostos gerados pelos compradores gerando uma grana para o proprio municipio e ajudando tirar muita mulecada das esquina a falta de moradia e uma cituaçao primaria para os governantes avaliar o seu pais
Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 05 março 2015
Artigo conciso, porém esclarecedor e muito pertinente, parabéns!
francisco lima
francisco lima disse: 09 março 2015
Muito bom artigo, mais vocês como empresarios, deveriam ser mais críticos do governo, o que vejo São pessoas muito passivas e sem atitude, o Brasil ta precidando de pessoas mais combativas.
leoncio medeiros
leoncio medeiros disse: 09 março 2015
Muito bom ouvir empresários com trânsito internacional, mas a situação do país somente será resolvida com a substituição deste desgoverno que enganou o Brasil.
Romilson
Romilson disse: 10 março 2015
Muito boa sua análise da econômica. Quando temos um governo com outra visão de economia como o pt que na verdade não sabem de nada!!mataram nossa econômica prematuramente. Só DEUS na causa pra que nosso país volte a ser um estado respeitado temos que mudar nosso governo e uma reforma politica essa é a questão

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »