A Importância do Investimento em Educação

Publicado em 19 fevereiro 2014

12 comentários

Tenho feito da educação um assunto frequente neste blog. Desenvolvi, há cerca de um ano, uma série de cinco tópicos sob o título geral de "A Engenharia e seu Ensino", na qual comparei a situação nacional com a de outros países, procurando mostrar a importância da educação como ferramenta essencial ao desenvolvimento. Apontei também, no tópico "Por que nunca ganhamos o Prêmio Nobel?", as nossas deficiências educacionais como uma das razões explicativas para a incômoda situação de sermos o único país entre os BRICS a não receber, até hoje, a desejada honraria, mesmo que as leis da estatística apontassem para o fato de que já deveríamos ter ganhado a cobiçada premiação pelo menos 25 vezes. Volto ao tema para acrescentar algumas outras considerações que reputo importantes.


Por uma razão ou por outra, ao longo de toda a nossa história descuidamos da educação dos brasileiros, por omissão, negligência, incompetência, falta de visão ou, até mesmo, por imposição da nossa antiga metrópole colonial. O fato é que, a iniciativa pioneira dos colégios jesuítas, instituídos logo após o descobrimento, não foi tão duradoura quanto deveria, já que o governo português acabou por destruir toda essa preciosa obra em meados do Século XVIII. Na questão do ensino superior, o descolamento brasileiro foi ainda maior: afora algumas iniciativas importantes, mas isoladas (as academias naval e militar da Bahia, a Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro, as Escolas de Medicina do Rio e de São Paulo e as Escolas de Direito do Recife e de São Paulo, com a implantação posterior da Escola de Minas de Ouro Preto e de outras unidades esparsas), as primeiras universidades somente foram estruturadas mais de duas décadas após a Proclamação da República (Universidade de Manaus, Universidade do Paraná e Universidade de São Paulo). Isso quando já funcionavam, há quase 300 anos, algumas renomadas universidades norte-americanas (A Universidade de Harvard foi fundada em 1636).


Quando nos constituímos como um país independente, éramos uma nação de analfabetos (menos de dois em cada cem brasileiros sabiam ler e escrever ou tinham nível melhor de instrução naquela época). E continuamos muito descolados da realidade internacional nesse quesito. O IBGE – Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, divulgou um dado alarmante: a taxa de analfabetismo do país subiu um ponto percentual quando comparada com o ano de 2012, chegando a 8,7% da nossa população. Andamos para trás! Mas, a realidade é ainda pior: se considerarmos também os analfabetos funcionais (aqueles que conhecem as letras e algarismos, mas que são incapazes de escrever ou interpretar um texto mais longo ou de executar operações aritméticas minimamente mais complexas) podemos acrescentar nesta conta catastrófica, mais 18,3% da população brasileira, ou seja, cerca de 37 milhões de pessoas.


Como resultado de tudo isso, produzimos pouco, somos incapazes de nos organizar eficientemente para as diversas atividades da vida (incluindo a ação política), sofremos com a baixa qualidade de vida e, principalmente, temos uma renda muito baixa. Essa situação somente pode ser revertida com uma revolução nos nossos hábitos de aprendizado e na nossa estrutura educacional. Não existe outro método. Para reforçar essa conclusão, vou finalizar esse tópico com um breve cotejo entre o Brasil e a Coréia do Sul, país que adotou extremadamente a educação como sendo a ferramenta capaz de garantir o desenvolvimento e a prosperidade.


Na década de 1960, tanto o Brasil como a Coréia do Sul eram países tipificados como "subdesenvolvidos", sendo que a nossa renda per capita era um pouco superior à dos coreanos. Tínhamos, também, outros indicadores de desenvolvimento econômico e social melhores do que os daquele país asiático, com o qual competíamos vantajosamente na luta por contratos internacionais de construção civil e de fornecimento de alguns itens industriais. Aí os coreanos começaram a virar o jogo, investindo maciçamente em educação e, principalmente, cultuando o aprendizado com uma devoção quase religiosa (que leva muitos deles a dedicarem 90 horas do seu tempo semanal aos estudos). Hoje, os nossos antigos concorrentes erradicaram o analfabetismo e já abrigam 82% de seus entusiasmados jovens em ótimas universidades. Os resultados dessa opção nacional não tardaram a aparecer: a Coréia do Sul atingiu um estado de desenvolvimento muito elevado, transformando-se, por exemplo, em um grande exportador de automóveis de qualidade, de onde importamos um substancial volume. Mais do que isso, a renda per capita dos coreanos é, hoje, cerca de três vezes a dos brasileiros. Ou seja, os coreanos estão ficando prósperos e ricos, muito ricos...

  • COMPARTILHE:

12 comentários para "A Importância do Investimento em Educação"

Priscila
Priscila disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
Priscila - Imóveis Guarulhos
Priscila - Imóveis Guarulhos disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
Priscila - Imóveis João Pessoa
Priscila - Imóveis João Pessoa disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
Priscila - Imóveis Maceió
Priscila - Imóveis Maceió disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
Priscila - Imóveis Pontal do Paraná
Priscila - Imóveis Pontal do Paraná disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
Priscila - Imóveis Vitória
Priscila - Imóveis Vitória disse: 19 fevereiro 2014
O Governo brasileiro ( não vou me referir ao Brasil em geral pois temos uma grande parte que não se inclui nesta lista ) sempre teve outras prioridades além da educação, o dinheiro é uma delas sempre se importaram em ficar ricos do que serem inteligentes, mas acho que a primeira coisa depende da segunda, ser inteligente leva a ser rico... e se o pais não é inteligente vai ser passado para trás pelos o que são muito fácil, foi como aconteceu com a Coréia
werbeth
werbeth disse: 19 fevereiro 2014
Boa tarde!
para forma de conhecimentos nossas Brasileiros que tenhamos o hábito em comum de achar que IBGE é Brasileiro,erramos nesse pensamento o correto da sigla é INSTITUTO BELGO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Quando o Brasil tiver um Governo que tenha Avisão para Educação Economia Finança e Tecnologia começaremos a gatinhar rumo ao progresso até lá iremos merce carregando o regresso diante dos demais países menore que o Brasil com o PIB trez vezes maiores que o nosso.
Segundo o programa internacional da avaliação de alunos(PISA) DE 2010 os coreanos ficarão 5 lugar, isso tudo ocorre por que a corea vem aplicando na educação os roytes do petróleo valorizando seus educadores, o contrario do pensamento Brasileiro....
são essa retrocida de de pensamento que desfavorece o desempenho do brasil diante dos demais países.
werbeth mrv
werbeth mrv disse: 19 fevereiro 2014
Boa tarde!
para forma de conhecimentos nossas Brasileiros que tenhamos o hábito em comum de achar que IBGE é Brasileiro,erramos nesse pensamento o correto da sigla é INSTITUTO BELGO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Quando o Brasil tiver um Governo que tenha Avisão para Educação Economia Finança e Tecnologia começaremos a gatinhar rumo ao progresso até lá iremos merce carregando o regresso diante dos demais países menore que o Brasil com o PIB trez vezes maiores que o nosso.
Segundo o programa internacional da avaliação de alunos(PISA) DE 2010 os coreanos ficarão 5 lugar, isso tudo ocorre por que a corea vem aplicando na educação os roytes do petróleo valorizando seus educadores, o contrario do pensamento Brasileiro....
são essa retrocida de de pensamento que desfavorece o desempenho do brasil diante dos demais países.
werbeth ribeiro
werbeth ribeiro disse: 19 fevereiro 2014
Boa tarde!
para forma de conhecimentos nossas Brasileiros que tenhamos o hábito em comum de achar que IBGE é Brasileiro,erramos nesse pensamento o correto da sigla é INSTITUTO BELGO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Quando o Brasil tiver um Governo que tenha Avisão para Educação Economia Finança e Tecnologia começaremos a gatinhar rumo ao progresso até lá iremos merce carregando o regresso diante dos demais países menore que o Brasil com o PIB trez vezes maiores que o nosso.
Segundo o programa internacional da avaliação de alunos(PISA) DE 2010 os coreanos ficarão 5 lugar, isso tudo ocorre por que a corea vem aplicando na educação os roytes do petróleo valorizando seus educadores, o contrario do pensamento Brasileiro....
são essa retrocida de de pensamento que desfavorece o desempenho do brasil diante dos demais países.
werbeth ribeiro dos inocentes
werbeth ribeiro dos inocentes disse: 19 fevereiro 2014
Boa tarde!
para forma de conhecimentos nossas Brasileiros que tenhamos o hábito em comum de achar que IBGE é Brasileiro,erramos nesse pensamento o correto da sigla é INSTITUTO BELGO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Quando o Brasil tiver um Governo que tenha Avisão para Educação Economia Finança e Tecnologia começaremos a gatinhar rumo ao progresso até lá iremos merce carregando o regresso diante dos demais países menore que o Brasil com o PIB trez vezes maiores que o nosso.
Segundo o programa internacional da avaliação de alunos(PISA) DE 2010 os coreanos ficarão 5 lugar, isso tudo ocorre por que a corea vem aplicando na educação os roytes do petróleo valorizando seus educadores, o contrario do pensamento Brasileiro....
são essa retrocida de de pensamento que desfavorece o desempenho do brasil diante dos demais países.
werbethmrv
werbethmrv disse: 19 fevereiro 2014
Boa tarde!
para forma de conhecimentos nossas Brasileiros que tenhamos o hábito em comum de achar que IBGE é Brasileiro,erramos nesse pensamento o correto da sigla é INSTITUTO BELGO GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Quando o Brasil tiver um Governo que tenha Avisão para Educação Economia Finança e Tecnologia começaremos a gatinhar rumo ao progresso até lá iremos merce carregando o regresso diante dos demais países menore que o Brasil com o PIB trez vezes maiores que o nosso.
Segundo o programa internacional da avaliação de alunos(PISA) DE 2010 os coreanos ficarão 5 lugar, isso tudo ocorre por que a corea vem aplicando na educação os roytes do petróleo valorizando seus educadores, o contrario do pensamento Brasileiro....
são essa retrocida de de pensamento que desfavorece o desempenho do brasil diante dos demais países.
SELMO R. DOS SANTOS
SELMO R. DOS SANTOS disse: 16 julho 2014
Senhor, Rubens Menin, eu sempre comentei com meus amigos, sobre falta do desenvolvimento na educação dos brasileiros, e a muitos anos venho discutindo, com meu grupo a pouca aplicação, e interesses no apoio à população idosa, no entanto, constatei nos seus textos muitos conhecimentos, cobranças, observações importantes neste sentido. Meus parabéns e obrigado por seu apoio ao nosso povo.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »