A Mulher no Mercado de Trabalho

Publicado em 27 janeiro 2015

11 comentários

A isonomia entre os gêneros (homens e mulheres) na distribuição de postos e de salários no mercado de trabalho de qualquer país ou região é uma medida concreta do grau de desenvolvimento ou civilização alcançado pelas respectivas sociedades. Quanto mais equilibrada e justa for essa proporção, mais evoluída será a sociedade que a pratica e mais desenvolvida será a sua economia. Habituei-me, de forma natural, com esses valores, por ter vivido em uma família de mulheres muito ativas e de elevado nível cultural. Tenho muito orgulho, por exemplo, da figura da minha mãe, que foi a terceira mulher formada em Engenharia no Estado de Minas Gerais e que sempre trabalhou na profissão até ser compulsoriamente aposentada por idade. Talvez o exemplo familiar tenha sido um dos fatores que levaram a nossa Construtora, MRV Engenharia, a valorizar particularmente a contribuição da mulher engenheira – e de outras profissões – no nosso quadro de colaboradores. Tenho um enorme orgulho de vê-las, numerosas, proficientes e ativas nos nossos canteiros de obras, em funções superiores de gestão e em muitos outros postos da administração do nosso grupo empresarial.


Por conta de tudo isso, estou vendo, com profunda tristeza, a marcha à ré engatada por nosso país, nos anos mais recentes, no que diz respeito à participação justa da mulher no mercado de trabalho. Ao invés de acelerarmos o passo nesse avanço civilizatório, andamos para trás e perdemos posições que já tínhamos dado como conquistadas (aliás, tardiamente conquistadas). Os dados oficiais e não-oficiais estão apontando para essa situação absurda. Ao final do ano passado, por exemplo, o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou os resultados da Pesquisa "Estatísticas de Gênero" mostrando que cresceu a desigualdade entre homens e mulheres no mercado formal de trabalho brasileiro, embora tenha aumentado a proporção destas últimas na PEA – População Economicamente Ativa e no contingente dos que buscam emprego. No que concerne exclusivamente ao salário, a pesquisa mostra que, em média, as mulheres recebem apenas cerca de 70% do que ganham os homens para o exercício de funções iguais ou semelhantes. Outro estudo, divulgado no Fórum Econômico Mundial, mostra que o Brasil caiu nove posições no ranking de igualdade de gêneros, apenas no último ano (da 62ª posição em 2013, para a 71ª posição em 2014). Ou seja, de uma posição muito ruim para outra pior ainda. Estudos que investigam qualitativamente essa situação no cotejo internacional mostram posições ainda mais desvantajosas para o Brasil e que vêm deteriorando-se progressivamente, com destaque para a proporção de mulheres nas posições de comando, supervisão e direção.


Por paradoxal que possa parecer, alguns exemplos muito positivos vêm da China, país com baixa remuneração geral para a sua mão de obra e que, sabidamente, pratica um regime de trabalho muito mais pesado e duro do que todos os demais emergentes. No entanto, no que diz respeito à participação feminina nos postos de liderança, controle e comando, a China vem alcançando posições invejáveis. Segundo os dados divulgados por Grant Thornton International Ltd. (Business Report, 2013) a China foi, em todo o mundo, o país que apresentou o maior aumento no número de mulheres executivas (incluindo presidentes, vice-presidentes e diretoras) naquele exercício. Enquanto a média global da participação feminina em cargos de liderança é de apenas 24%, na China essa proporção já teria alcançado 51%. No nosso país, essa mesma participação teria caído, em 2013, para menos de 23%, ou seja, para um patamar inferior ao da média mundial.


Existem muitos outros aspectos, de natureza mais complexa, que não podem ser examinados no espaço restrito deste blog, como, por exemplo, a circunstância de que a promoção à hierarquia superior de gestão das empresas decorre da própria duração das carreiras de cada profissional, que, no caso das mulheres, é diminuída por aposentadorias precoces. Mas esse tipo de detalhe argumentativo não pode empalidecer o verdadeiro objetivo a ser alcançado pelas nossas políticas de Estado e até por atitudes empresariais específicas, qual seja, fazer reverter imediatamente o escorregão dos últimos anos e acelerar a busca de patamares mais civilizados nesta questão.

  • COMPARTILHE:

11 comentários para "A Mulher no Mercado de Trabalho"

Maria Carmen Lopes
Maria Carmen Lopes disse: 27 janeiro 2015
Bom saber que você defende esta bandeira tão importante na nossa sociedade. Obrigada.
Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 28 janeiro 2015
Olá Rubens,

Gosto muito da forma como escreve, parabéns!

Tenho também uma construtora, porém em Divinópolis-MG, onde fomos os primeiros a assinar contratos com a CAIXA na linha de crédito "Imóvel na Planta - Associativo" e "Apoio à Produção".

Abraço
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 02 abril 2014
Obrigado por participar do blog, Leandro.
Luiz Armando Fairbanks de Sá
Luiz Armando Fairbanks de Sá disse: 28 janeiro 2015
Rubens, Parabens pelo blog e posições bastante importantes para nosso mercado.
Valéria Z. L.
Valéria Z. L. disse: 29 janeiro 2015
Olá Rubens, A discriminação ainda é praticada, no final de 2014, com a crise econômica iminente, para redução de custos, me propuseram reduzir a carga horária de 6 horas para 4, sou engenheira. Mas a proposta foi somente para mim, o setor masculino não sofreria nenhuma redução, em meio a este absurdo, preferi a demissão.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 13 maio 2014
Olá Odacir, agradeço sua participação no blog!
Márcia Maria de A Pereira
Márcia Maria de A Pereira disse: 29 janeiro 2015
Parabéns Rubens!

Disse tudo e são poucos que reconhecem o nosso valor como profissional.
joana souza
joana souza disse: 02 fevereiro 2015
fico feliz em saber do valor que a mulher tem nos canteiros de obra,até porque trabalho na MRV Engenharia.fiz um curso de azulejista em parceria da empresa com a prefeitura,há três anos,fui galgando degraus até chegar a profissional,hoje trabalho na assistência t´wcnica da empresa em Poto Alegre,amo minha profissçao e gosto muito de trabalhar na empresa
Marcia Fermino
Marcia Fermino disse: 06 fevereiro 2015
Fico feliz em fazer parte de uma empresa onde a valorização feminina é notória.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 27 janeiro 2014
Obrigado, João Soares. Bom poder compartilhar minhas análises e receber feed back positivo. Continue participando deste espaço.
Valinhos Imoveis
Valinhos Imoveis disse: 08 fevereiro 2015
De fato não há nada que explique a diferença de tratamento no trabalho que alguns ainda praticam entre mulheres e homens. Mas muito já se caminhou, imagine em vários países do oriente médio aonde a mulher fica próxima ser considerada um nada. Aqui em nossa imobiliária, somos em 4 pessoas, sendo 3 mulheres! Ótima matéria, obrigada!
Karina
Nexxar Imoveis
Damasia Gonzalez
Damasia Gonzalez disse: 16 fevereiro 2015
Entrei no mercado da construçao civil em 79 trabalhando como tecnica de edificações. Ninguem praticamente sabia o que era um tecnico de edificações. Insisti, me tornei engenheira e sempre fui bem acolhida nas construtoras q passei, mas percebia uma diferença no avanço de carreira. Hj, muitos anos depois, ainda percebo um ritmo diferente pro avanço de carreira, embora quantitativamente a mulher tenha aumentado bastante sua participação no mercado de trabalho. Me considero quase uma exceção. Espero ter a satisfação de ver esse quadro diferente nos proximos anos.
Valdicleia
Valdicleia disse: 26 março 2015
Olá, Rubens

Tudo bem com você?

Estava navegando por alguns blogs e tive o prazer de encontrar sua página e conhecer um pouco sobre o seu trabalho. Parabéns pelo conteúdo. Achei superinteressante esta matéria sobre: A Mulher no Mercado de Trabalho.

Gostaria de saber se além de suas ótimas matérias, você estaria disponível a ajudar as pessoas que acessam o seu site também com vagas de emprego, através do Plugin de vagas do sine, site gratuito.
Trabalho no site sine.com.br, se houver interesse, por favor retorne contato.

Abraço.
Lingerie
Lingerie disse: 19 setembro 2015
adorei seu blog,tudo muito organizado,exelentes matérias,lindas fotos sobre o universo feminino, realmente em blog muito bom para nós mulheres ficar antenadas pelas suas dicas - beijos a voce e todos os seus leitores

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »