A Questão dos Portos

Publicado em 19 março 2013

1 comentários

Infelizmente, por diversas razões que afetam a nossa capacidade de produção – que incluem, desde a elevadíssima carga tributária até a baixa taxa geral de investimentos, passando pelo excesso de burocracia e por outros fatores que tenho mencionado neste blog –, a nossa economia passou a depender muito da exportação de produtos primários, com destaque para minérios e grãos. São esses itens que vêm sustentando, a duras penas, a nossa balança comercial, pressionada, por sua vez, pelas nossas importações crescentes de insumos e de produtos que deixamos de produzir competitivamente, num processo que os economistas chamam de "desindustrialização".





Numa situação desse tipo, que obviamente precisa ser revertida, não poderíamos estar criando ainda mais dificuldades e custos para o nosso comércio exterior, seja para o nosso abastecimento básico com as importações, seja para a venda estratégica dos itens que exportamos. Mas, por mais absurdo que possa parecer, é justamente isso que estamos fazendo, há muito tempo. Temos, talvez, o sistema portuário mais ineficiente, caro, inseguro e antiquado do mundo e não estamos sabendo modificar esse cenário com a rapidez e a objetividade necessárias.


Ao final do mês de fevereiro passado, a grande imprensa nacional noticiou (sem o merecido destaque), um fato chocante: os importadores chineses da nossa soja desfizeram um negócio vultoso, anteriormente programado e contratado, desviando nove navios graneleiros para outro país exportador do mesmo produto! Os dois primeiros navios programados, com capacidade conjunta para transportar 110 mil toneladas de soja, foram emergencialmente desviados para buscar o produto no Golfo do México (EUA). Na sequência e com maior antecipação, os outros sete navios estão sendo reprogramados para carregar a soja em portos da costa Oeste norte-americana. Não se trata, apenas, de um prejuízo de vendas que, em um único negócio, se aproxima de 2% do total das exportações brasileiras de soja em grão, previstas para a temporada em curso. O risco maior é perdermos o cliente, definitivamente, para um exportador concorrente, localizado muito mais próximo da China. Neste caso, o que levou os chineses ao cancelamento da compra? Simples, a existência de uma fila de espera de 40 dias para carregamento nos portos brasileiros, absurdo que pode ampliar-se para 50 dias ou mais nos próximos meses.


Entendo perfeitamente o inconformismo dos chineses com essa situação. Aquele país teve que organizar seu próprio sistema portuário, para ter um suporte confiável, ágil, econômico e seguro, na medida exigida pelo dinamismo atual de sua economia e pelos enormes volumes de importação e exportação que ocorrem ali. Pude ver pessoalmente as modernas instalações dos portos de Xangai e Hong Kong, transformados em dois dos maiores entrepostos mundiais e operados com grande eficiência. Nada comparável ao que temos por aqui.


Para mudarmos a caótica situação do sistema portuário nacional, precisamos, entre outras coisas, de realizar investimentos pesados, que excedem a capacidade do Estado. Um esforço dessa magnitude, que pode ultrapassar R$ 30 bilhões só na primeira etapa (seis vezes mais que o montante do investimento público feito no setor, nos últimos 10 anos), não pode dispensar a contribuição dos capitais privados. Para atrair esses últimos e na tentativa de incluir algumas providências modernizantes no sistema portuário nacional, o governo editou a Medida Provisória n° 595/12 (presentemente em tramitação no Congresso Nacional), que modifica o regime legal estabelecido na regulamentação anterior (Leis nos 8.630/1993 e 10.233/2001). Esse processo de exame legislativo é de grande importância, não só para que se impeça que alguns avanços propostos venham a ser prejudicados por interesses corporativos anacrônicos, como, também, para que possam ser acrescentados, talvez, novos pontos de modernização no regime legal.


O que interessa, de fato, é que sejam criadas as condições para a efetiva modernização das instalações portuárias nacionais e de sua administração, na medida das exigências do comércio exterior brasileiro. Precisamos escoar eficientemente a nossa produção e, ao mesmo tempo, reduzir os custos das importações dos produtos e insumos que adquirimos no exterior (inclusive combustíveis). Não existe a menor perspectiva de alcançarmos níveis superiores de desenvolvimento econômico sustentável sem que tenhamos um sistema portuário adequado e eficiente. Essa é uma lição a aprender com a própria China.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "A Questão dos Portos"

valdir ferreira da silva
valdir ferreira da silva disse: 19 março 2013
su deficiente fisicoganho 1 salario minimo vcs nao tem nadapra mim posso pagar

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »