A Versão e o Fato

Publicado em 05 fevereiro 2014

6 comentários

Não posso deixar de aproveitar o espaço deste blog para aduzir um pequeno comentário sobre a proverbial racionalidade dos mercados, sustentada apaixonadamente por muitos desde que veio a lume, em 1776, o celebrado livro "Uma Investigação Sobre a Natureza e a Causa da Riqueza das Nações", do escocês Adam Smith. Os mercados nem sempre são racionais e, no momento atual, a irracionalidade de algumas atitudes econômicas aceitas globalmente como a moda da estação embute um enorme perigo potencial para o nosso país.


É interessante compararmos, como expectadores internos – portanto privilegiados e bem informados agentes – dois episódios sucessivos que demonstram que a versão da estória muitas vezes é mais efetiva, difundida e dominadora do que a realidade daquilo que se está contando. Daí o potencial de dano ou de prejuízo, já que, algumas vezes até conseguimos corrigir os fatos ou dar-lhes outro curso, mas, quase nunca está ao nosso alcance modificar uma versão alardeada aos quatro ventos, com roupagem de verdade incontestável ou científica (como se espera da racionalidade dos mercados).


Em 2001, o economista inglês Jim O’ Neill criou a sigla BRIC para agregar, sob uma denominação comum, o Brasil, a Rússia, a Índia e a China, países que se apresentavam, no início do novo século, como aqueles mais credenciados a exibirem forte crescimento e taxas elevadas de expansão econômica. Dez anos depois, por iniciativa dos próprios países englobados na denominação, a sigla original foi ampliada para BRICS de modo a integrar, também, a África do Sul (South Africa) em um grupo formal de cooperação mútua e de ação política coordenada.


Durante algum tempo, os BRICS se converteram em símbolo de pujança e vitalidade econômica, reconhecido em todo o globo. Não era raro o noticiário internacional que distinguia os BRICS com a explicação "os cinco grandes do mundo emergente" ou outras formas assemelhadas de lhes reconhecer o status e a importância. Os membros desse seleto grupo eram apontados como os campeões do novo século, cujos problemas internos eram minimizados ou acobertados para não lhes atrapalhar a condição de alvo preferencial dos investimentos e das apostas internacionais. Mais do que o fato, valeu aqui a versão. Enquanto puderam, os BRICS tiraram enorme proveito dessa propaganda transformada em presente inesperado. Recebemos investimentos fartos. Nós, brasileiros, sabíamos que essa estória estava muito mais dourada do que a realidade concreta, mas aderimos ao "oba, oba" pois, afinal, éramos os beneficiários dessa irracionalidade dos mercados.


Não demorou para que surgisse outra irracionalidade semelhante, com versão muito distinta do fato que pretendia retratar, apontando em sentido contrário ao que se seguia anteriormente. Dessa vez, na pressa de englobar países e buscar explicações generalizadas, o Morgan Stanley (o maior banco de investimentos do mundo) cunhou outra expressão: "The Fragile Five" – ou os cinco frágeis – para englobar Brasil, África do Sul, Índia, Indonésia e Turquia, países em desenvolvimento cujas economias estariam em desordem e que, portanto, deveriam ser evitados como destino dos investimentos globalizados.


A criação apressada desse novo clube já está fazendo grandes estragos por aqui. Transformada em verdade científica dos mercados e, como tal, aceita rapidamente pelos grandes investidores internacionais, essa nova irracionalidade afugenta a entrada de capitais externos e cria novos embaraços para as contas nacionais. É um jogo pesado, mas cujo desenrolar não poderemos assistir passivamente desta vez. Especialmente porque, como expectadores privilegiados e bem informados, mais uma vez, sabemos que a nossa realidade não é tão ruim como a versão posta a circular. Ainda temos alguns fundamentos econômicos razoavelmente sólidos, apesar da nossa desaceleração econômica momentânea. Além disso, como mostrei no tópico antecedente deste blog, a desvalorização cambial (fenômeno comum aos "Cinco Frágeis") certamente será um estímulo à nossa competitividade industrial.

  • COMPARTILHE:

6 comentários para "A Versão e o Fato"

werbeth
werbeth disse: 05 fevereiro 2014
- People of the same trade seldom meet together, even for merriment and diversion, but the conversation ends in a conspiracy against the public, or in some contrivance to raise prices
"A ciência é o grande antídoto contra o veneno do entusiasmo e da superstição"
- Adam Smith, conforme relatado por Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN: 85-01-07213-3 (pág. 459)
werbeth mrv
werbeth mrv disse: 05 fevereiro 2014
- People of the same trade seldom meet together, even for merriment and diversion, but the conversation ends in a conspiracy against the public, or in some contrivance to raise prices
"A ciência é o grande antídoto contra o veneno do entusiasmo e da superstição"
- Adam Smith, conforme relatado por Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN: 85-01-07213-3 (pág. 459)
werbeth ribeiro
werbeth ribeiro disse: 05 fevereiro 2014
- People of the same trade seldom meet together, even for merriment and diversion, but the conversation ends in a conspiracy against the public, or in some contrivance to raise prices
"A ciência é o grande antídoto contra o veneno do entusiasmo e da superstição"
- Adam Smith, conforme relatado por Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN: 85-01-07213-3 (pág. 459)
werbeth ribeiro dos inocentes
werbeth ribeiro dos inocentes disse: 05 fevereiro 2014
- People of the same trade seldom meet together, even for merriment and diversion, but the conversation ends in a conspiracy against the public, or in some contrivance to raise prices
"A ciência é o grande antídoto contra o veneno do entusiasmo e da superstição"
- Adam Smith, conforme relatado por Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN: 85-01-07213-3 (pág. 459)
werbethmrv
werbethmrv disse: 05 fevereiro 2014
- People of the same trade seldom meet together, even for merriment and diversion, but the conversation ends in a conspiracy against the public, or in some contrivance to raise prices
"A ciência é o grande antídoto contra o veneno do entusiasmo e da superstição"
- Adam Smith, conforme relatado por Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN: 85-01-07213-3 (pág. 459)
antonio dicenzi
antonio dicenzi disse: 10 fevereiro 2014
Aceito doação de apartamento. Independente das condições do mesmo. Aceito um apartamento na cidade de São Paulo ou Grande São Paulo. O desejo de possuir um é genuíno, porém no momento não posso comprar um. Por isso peço a você que faça essa doação e serei imensamente grato. Que Deus lhe devolva este milagre em muita saúde. Obrigado

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »