Âncora Econômica

Publicado em 25 março 2015

5 comentários

Estamos girando no meio de um turbilhão político e econômico que desorienta a todos, prejudica o país, empobrece as pessoas e transmite insegurança aos cidadãos e às famílias. Não pretendo abordar, neste tópico, as razões e os fatores que nos levaram a essa situação. Desta vez, quero apenas enfatizar a necessidade urgente e imperiosa de que "tomemos tento" conforme recomenda essa deliciosa expressão nordestina. E, além de nos conscientizarmos do tamanho e das conseqüências da crise atual, tratemos logo de buscar um atalho seguro e eficiente para nos firmarmos novamente nos pés e vencermos a adversidade do momento.


Em primeiro lugar, temos que parar de girar nesse turbilhão, estabilizarmos o ambiente político e econômico, e seguirmos, com tenacidade, uma rota firme de retomada do progresso. Em situações desse tipo, quando eclodem grandes crises nacionais, alguns países perseguem a estabilidade (param de girar) sob o estímulo de grandes estadistas, de líderes carismáticos ou do próprio corpo político existente, desde que devidamente conscientizado e disposto à missão exigida. É a chamada âncora política, expressão formada a partir do nome do equipamento náutico, mas que também aqui representa o instrumento necessário para garantir a estabilidade das instituições, das leis e das metas de recuperação. Nesse momento em particular, não vejo no nosso país a disponibilidade imediata dos ingredientes necessários para contarmos com uma âncora política e para os primeiros esforços de retomada da estabilidade.


Em muitas situações, a inexistência de uma âncora política não impede o sucesso de outros esforços para organização do ambiente econômico e para a busca da prosperidade. Em geral, isso costuma se materializar na forma de diretrizes e princípios a serem estritamente observados durante um período continuado. É aí que se encaixam as chamadas âncoras econômicas, destinadas a garantir a estabilidade do sistema econômico de produção e a higidez dos indicadores de desempenho. Aliás, a partir do advento do Plano Real, aplicamos uma bem-conhecida âncora econômica, baseada no equilíbrio fiscal, no câmbio flutuante e no regime de metas de inflação. Também não pretendo abordar, desta vez, as razões que levaram ao abandono desse tripé ou, pelo menos, a sua observância menos rigorosa. O importante é que consideremos, logo, o potencial de estabilidade que pode ser obtido com esse tipo de instrumental e voltemos a restabelecer um referencial seguro.


Evidentemente, o agravamento da crise pôs a descoberto a necessidade de adoção de outros mecanismos, tendo em vista que fomos alcançados por um agravante mais perverso, qual seja, a desconfiança ou o descrédito por parte dos mercados e dos investidores (nacionais e estrangeiros). Por isso, passamos a depender, prioritariamente, de uma âncora de credibilidade. A credibilidade ou a confiança só podem ser alcançadas com a prática continuada de uma política econômica segura, sem tropeções e zigue-zagues, e comandada por agentes competentes e de reputação ilibada. Por sorte, o governo brasileiro escolheu muito bem os responsáveis por essa missão, centrada principalmente nas figuras do Ministro da Fazenda (Joaquim Levy), do Ministro do Planejamento (Nelson Barbosa) e do Presidente do Banco Central (Alexandre Tombini). É esse o time encarregado de nos tirar do torvelinho, recuperar a nossa credibilidade e recolocar a nossa economia no rumo do progresso. Temos que garantir total apoio e respaldo a esse trio de agentes, sabendo de antemão que muitas das decisões imediatas poderão conter disposições impopulares, quebra de benefícios exagerados e corte de gastos. A classe política nacional e o nosso empresariado não podem se dar o luxo de bater de frente com o time que foi escalado. É isso, ou continuar girando para o centro do vórtice.


  • COMPARTILHE:

5 comentários para "Âncora Econômica"

Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 25 março 2015
Bom dia,

É verdade, politicamente ainda estamos sem "convergência", basta ver os jornais do dia a dia.
Assim a melhor e mais rápida saída para sairmos do turbilhão é mesmo apoiar o trio econômico citado.

Parabéns pelo artigo!
André Luiz
André Luiz disse: 25 março 2015
Se a presidente tivesse ao menos competência administrativa e bom senso para assumir os erros ao inves de ficar escondendo as maluquices financeira que fez com o brasil em nome de uma popularidade do seu partido, estaríamos muito melhor e o brasileiro até aceitaria o remédio amargo sem reclamar,
Mas a presidenta é o mal maior e ela deveria ver o mal que esta causando ao pais que ela jurou proteger, e como efeito colateral todos os avanços sociais implantados sobre a areia movediça de sua administração econômica vão por terra. e o retrocesso social é o legado deixado pelo pt e dilma.
Julian
Julian disse: 26 março 2015
Muito bom o texto! Tomara que o trio tenha autonomia para tomar as medidas necessárias para retomada do crescimento, sem favorecimetno político.
Vitório Caracciolo Neto
Vitório Caracciolo Neto disse: 27 março 2015
Boa tarde

Penso que nos dias de hoje são necessários projetos que aproveitem a água da chuva , luz solar ,mão de obra local;por fim para baratear a produção de imóveis.
Muita demanda pelos mesmos e pouco aproveitamento de áreas invadidas por favelas;ocupou-se pessimamente esses espaços,deixando famílias mal instaladas ,acarretando doenças que no final acabam dando gastos enormes aos governos.Paraísopolis por exemplo , quantos prédios de 4 andares não poderiam ser feitos e com qualidade de vida para os moradores etc...Seria possível reverter esta situação?
jorge nazar
jorge nazar disse: 01 abril 2015
Sem dúvida,Levy sabe o que deve ser feito,mas deveria ser de outra corrente política vitoriosa.Nesta,ele se sente um estranho no ninho e transmite isso aos investidores.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »