Apartamentos do Futuro

Publicado em 19 novembro 2013

13 comentários

Nos últimos anos, nada mudou mais rapidamente no Brasil do que a nossa demografia. Já tive oportunidade de tratar desse assunto neste blog, quando analisei a natureza do assim chamado "Bônus Demográfico". Em outro tópico, sob o título de "Seu Apartamento Ideal – Tamanho", mencionei que a queda continuada da taxa de fecundidade das brasileiras estava produzindo, como consequência, a progressiva diminuição do tamanho das famílias. Nesse mesmo tópico, apontei que o número de pessoas por moradia tinha caído de 3,8 moradores por habitação na década de 1980 para apenas 1,8 pessoas por unidade nos tempos atuais.


Desta vez, quero examinar com um pouco mais de detalhe os efeitos dessas tendências demográficas no padrão das construções e no comportamento do mercado imobiliário no futuro imediato. Essa é uma questão importantíssima, não só para o planejamento das construtoras e incorporadoras, como também para os próprios compradores potenciais de novos imóveis, que precisarão ficar atentos às tendências do mercado se quiserem manter o valor patrimonial e as possibilidades de boa venda futura das moradias que estão adquirindo agora.


Na prática, essas tendências demográficas já se configuram no mercado imobiliário nacional como um aumento significativo da participação de dois estratos etários importantes: aqueles constituídos por pessoas mais maduras (usualmente tratado como terceira idade) e o formado por jovens (novos casais, com ou sem filhos, e solteiros que alcançam a possibilidade de exercer o seu desejo de morarem separados dos pais).


O primeiro desses estratos (terceira idade) cresce em proporções mais significativas por conta do aumento da expectativa de vida e das condições de independência financeira. Eles têm as suas exigências específicas e as possibilidades de pagarem por elas. Para atender esse tipo de público, as construtoras e incorporadoras terão que adaptar os padrões arquitetônicos de seus empreendimentos. Os apartamentos do futuro, para esse estrato, incluirão, obrigatoriamente, muitas comodidades específicas, como pisos revestidos com materiais antiderrapantes e fáceis de limpar, maior quantidade de elevadores, portas internas e externas mais largas e banheiros mais espaçosos. Os edifícios para esse público deverão incluir muitas facilidades e comodidades, como lavanderias, serviço de diaristas e de apoio, comércio de conveniência (steep malls) e segurança especializada.


Por seu turno, o outro estrato que está ganhando grande proporção e ganhará mais ainda com a continuidade das tendências demográficas (os jovens casais e os solteiros independentes) demandará imóveis de menor tamanho, porém acrescidos de alguns itens e facilidades especiais. Para esse tipo de público, a localização passará a ser um atributo mais considerado, privilegiando as escolhas das áreas ditas "mais nobres" ou aquelas mais próximas dos locais de trabalho. Os edifícios procurados pelos potenciais compradores desse estrato deverão estar de acordo com o novo estilo de vida dos jovens moradores e precisarão compensar a diminuição da área interna de cada unidade com o acréscimo de ambientes e equipamentos de uso comum (salão de festas, espaço gourmet, quadras e piscinas, jardins e outras facilidades para receber amigos e visitantes ou para o seu próprio lazer. Além de uma densidade maior de vagas de garagem.


Os dois públicos examinados nessa brevíssima análise configuram tendências e exigências substancialmente diferentes, um do outro. Esse é o desafio para o planejamento adequado por parte das construtoras. Além de projetar os seus novos empreendimentos com foco nos dois estratos que já são preponderantes no mercado, talvez tenham que considerar possibilidades mistas ou abrangentes, que agreguem, também, unidades destinadas aos demais segmentos e ofereçam oportunidades de transição ou de troca entre habitações de distintos padrões.

  • COMPARTILHE:

13 comentários para "Apartamentos do Futuro"

Fragomeni Negócios Imobiliários
Fragomeni Negócios Imobiliários disse: 19 novembro 2013
Para cada público há um tipo de imóvel que se encaixa mais.
Guilherme Arcanjo
Guilherme Arcanjo disse: 20 novembro 2013
Seria interessante ressaltar alguns aspectos relevantes na vida de uma pessoa da terceira idade.
Como ambientes mais tranquilo ou aspectos menos chamativos, cores calmas atendem está solicitação.
Localização também é fundamental, levando em consideração que possuem várias necessidades e comportamentos diferentes.
Interessante a esse publico a criação de Hall de entrada, mais ambientes em comuns, assim acarretando uma melhor convivência com vizinhos e amigos, hoje essa faixa etária não gosta de ficar apenas dentro do apartamento.
ODAIR JOSÉ LEANDRO
ODAIR JOSÉ LEANDRO disse: 22 novembro 2013
Excelente conteúdo, é um assunto que eu gosto muito e trás informações valiosas pra pessoas com espírito de empreendedor.
morgana
morgana disse: 05 dezembro 2013
Boa tarde, Rubens! A MRV ja analisou a regiao de Vitoria da Conquista/BA?Cidade em crescimento e com construtoras distantes do padrao MRV q possui imoveis populares e com precos acessiveis.Pensem nisso! A populacao conquistense clama por uma construtura estilo MRV na cidade.Obrigada! Morgana Carmona
Mateus
Mateus disse: 09 dezembro 2013
Muitos, ou provavelmente todos os imóveis atuais, já se adequaram aos novos padrões e demandas das famílias brasileiras.

É normal encontrar apartamentos pequenos, com medidas que variam entre 50 e 70m², mas com cômodos bem distribuídos e diversas áreas de lazer no pátio do condomínio. Por sinal, áreas de lazer podem fazer diferença na hora da compra, talvez por questão de status ou simplesmente por "expandirem" parte da experiência que o comprador pode ter naquela residência.
Adriana M. Carvalho
Adriana M. Carvalho disse: 13 dezembro 2013
boa tarde, como faço para encaminhar um e-mail particular ao Sr Presidente da MRV?
Adriano Arbex
Adriano Arbex disse: 04 janeiro 2014
Sr. Rubens, parabenizo-o pelas pertinentes e esclarecedoras exposições. São de grande valia para nossa formação profissional.

Também observo como entrave a formação orientada pelo imediatismo dos profissionais em arquitetura, sem a visão adequada das necessidades psico-sócio-econômica dos usuários de imóveis e as demandas necessárias por políticas urbanísticas.
Ainda, a falta de percepção dos produtores em relação a necessidade de oferecer produtos com as características demandadas. Como profissional que atua nas duas pontas, só vejo dicotomias dentro da cadeia produtiva: no planejamento e conceituação dos produtos, burocracia excessiva dos agentes governamentais - para coibir a ganância empresarial; sistema de financiamento (SAC x Price) que só visa interesse bancário; sistema de apuração de custos inadequados comprometendo o preço final.
Tatiana
Tatiana disse: 06 março 2014
Boa tarde, Rubens!!!De fato, a população conquistense clama por uma construtura como a MRV aqui!!! Vitória da Conquista/BA, mais conhecida por "suíça baiana", é uma cidade em crescimento. Várias construtoras têm investido aqui, como a Prisma que recentemente lançou o empreendimento HARAS, oferecendo show de lançamento com o cantor Renato Teixeira.Os loteamentos já venderam praticamente todos!Sou coordenadora do curso de engenharia civil aqui e vejo de perto a força da construção na cidade. Seria maravilhoso receber a MRV em nossa cidade,oferecendo oportunidades de emprego, estágios e recebendo, em troca, sucesso de vendas!!!Abraços!
Tatiana
Tatiana disse: 07 março 2014
Ah, só um detalhe, sou coordenadora do curso de engenharia civil da FTC. Se precisarem de algumas informações,estarei à disposição!Att., Tatiana Godinho

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »