Bolha Imobiliária (1)

Publicado em 21 setembro 2012

5 comentários

A eclosão de bolhas imobiliárias nos EUA e na Espanha, antecedidas ou sucedidas por outras menores no Japão, no Oriente Médio e na Irlanda, tem despertado a curiosidade, e mesmo a apreensão, de muitos brasileiros (inclusive entre os leitores deste Blog). Esse é mesmo um assunto importante. Achei conveniente abordá-lo de forma mais abrangente e completa, em uma sequência de tópicos.

Todos os que já realizaram ou estão por realizar o sonho da casa própria, e mesmo aqueles que compram imóveis como investimento, ficam inquietos e apreensivos quando escutam falar na possibilidade de repetição, entre nós, de uma crise imobiliária semelhante às mencionadas. Para que esse temor possa ser afastado com convicção, é preciso examinar conceitualmente a questão e comparar objetivamente a nossa situação atual com as dos países atingidos por essas crises.

O que é, de fato, uma bolha imobiliária? O que propicia a formação ou o surgimento de uma bolha imobiliária em determinado pais? Quais os efeitos de uma bolha imobiliária, para os proprietários de imóveis e para a economia em geral? Estamos imunes ou protegidos contra esses riscos? Essas são as perguntas que interessam na prática. Vou tentar respondê-las de forma clara e objetiva, no espaço disponível neste Blog.

Uma bolha imobiliária é, essencialmente, um evento especulativo dos agentes financeiros, com a conivência, consciente ou não, dos proprietários de imóveis ou de seus compradores. O ingrediente básico para a formação das bolhas é o crédito, oferecido sem a necessária garantia real ou sob a forma de uma aposta na valorização futura dos imóveis. É um negócio financeiro irresponsável, fadado ao insucesso, como muitas das "correntes" e "pirâmides" de vendas ou de distribuição de vantagens que, volta e meia, fazem vítimas entre os esperançosos e iludidos participantes. É, simplesmente, uma questão de saber quem vai ficar com o "mico" na mão ou se tornar o inadimplente final, depois que muitos se locupletaram no processo.

Para que essa "ciranda" funcione é preciso "empacotar" o dinheiro ofertado, ou seja, tem que haver um lastro, real ou fictício, para garantir os financiamentos oferecidos. E isso em escala crescente, como ocorre em qualquer "corrente". A solução para esse engenhoso estratagema consiste na supervalorização dos ativos garantidores, seja com o aumento exagerado das unidades habitacionais comercializáveis, seja com a elevação irreal dos preços imobiliários. Em algumas situações, além desses dois artifícios principais, foram postos em prática métodos ainda mais temerosos. É o caso, por exemplo, da bolha imobiliária norte-americana, quando um mesmo imóvel, já hipotecado no financiamento original, voltou a ser utilizado como garantia para novo empréstimo, sob o pretexto do aumento no seu valor real de venda. Em geral, o crédito obtido pelo proprietário nessa segunda hipoteca era utilizado para aumento de consumo ou das despesas familiares, numa espécie de aposta sobre o futuro ou geração fictícia de renda. Em outros casos, o negócio era aparentemente tão bom, que os proprietários investiam o crédito extra na aquisição de outro imóvel mais valorizado, na tentativa de multiplicar seus ganhos, sem questionarem se estavam pagando um preço razoável. Evidentemente, a sustentação desse mecanismo tornou-se inviável depois de algum tempo, seja por excesso de imóveis, seja pelos seus preços irreais e progressivamente crescentes, ou ainda, pela impossibilidade de liquidação dos empréstimos contratados.

Pretendo detalhar melhor alguns desses aspectos em itens subsequentes deste Blog.
  • COMPARTILHE:

5 comentários para "Bolha Imobiliária (1)"

Dioné
Dioné disse: 22 setembro 2012
A bolha imobiliária no Brasil é real. Quem já viveu uma, consegue vê-la. Terá alguma característica diferente das outras mas, os requisitos,as açoes e as consequencias serao mas mesma.Outros países também negaram sua existência exatamente como estao fazendo no Brasil, mas, o tempo ha de confirmá-la.
lia sousa
lia sousa disse: 22 setembro 2012
Fico muito satisfeita com a abordagem dos temas do seu blog. Assuntos tratados com seriedade e clareza. Por isso estou cada vez mais assídua. Parabéns...
Heitor
Heitor disse: 22 setembro 2012
Muito bom. Os clientes sempre perguntam por isso, e alguns ficam com receio, principalmente os investidores, de estarmos caminhando para uma bolha imobiliária.
Mais uma boa dica do blog para ajudar em nossas vendas!
Amilton
Amilton disse: 22 setembro 2012
no Brasil creio que não haverá bolha imobbiliaria.pois a euforia passou,o mercado encontra se estavel,quem comprou para ter muito lucro no começo do boom,hoje isso não ocorre mais,
Na verdade os preços subiram muito,mesmo com o ensentivo do governo,quem ganha pouco ta dificil de comprar.
Luiz
Luiz disse: 28 setembro 2012
Brasil está com uma economia forte e real, outros países em questão cresceram baseados em números futuros e falsos gerando um caos que até hoje o EUA tenta superar. Não estamos imune a tão famosa Bolha Imobiliaria, porém, não estamos caminhando para uma. Em trocadilhos Brasil só passara por uma bolha imobiliaria se realmente começar a dá passos maiores do que realmente pode.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »