Bônus Demográfico (2)

Publicado em 04 junho 2013

5 comentários

Sob esse mesmo título, em agosto do ano passado, abordei neste blog a relação entre o fenômeno demográfico e a demanda nacional por construção de novas moradias. Daquela época até hoje, alguns indicadores ficaram mais consolidados e as divergências de interpretação por parte dos especialistas em demografia acabaram por se reduzir e se tornaram mais convergentes. Ao mesmo tempo, algumas tendências do mercado imobiliário nacional resultaram mais nítidas e perceptíveis.


Com a queda de fecundidade da população brasileira, que já se situa no patamar de 1,9 filho por mulher, aceleramos o processo usualmente denominado de "bônus demográfico", que descreve a situação em que a população economicamente ativa, ou seja, aquela em idade de trabalhar e produzir, fica muito superior ao número de dependentes (crianças, idosos, incapazes e mulheres excluídas do mercado formal de trabalho). Mantidas as tendências atuais, a nossa população total não ultrapassará 220 milhões de pessoas, máximo que será alcançado por volta do ano de 2038, e a partir do qual iniciaremos uma fase de persistente redução no número de habitantes, até voltarmos a contar, ao final do século, com cerca de 175 milhões de brasileiros. Nessas circunstâncias, o prêmio do "bônus demográfico" estará terminado por volta do ano de 2030, já que, a partir de então, o número de idosos, incapazes e outros excluídos do mercado de trabalho, além da fração reduzida de jovens, passará a superar, novamente, o da população economicamente ativa.


Até lá, ou seja, até 2030, o número de famílias brasileiras aumentará em mais de 35 milhões, alcançando o máximo de 95,5 milhões de unidades familiares. A cada ano, um grande contingente de jovens passará a formar novas famílias e demandará moradias na mesma proporção. Grosso modo, considerando as sucessões no aproveitamento do mesmo domicílio, as substituições por obsolescência e outros fenômenos intervenientes, podemos considerar a existência de novas demandas no período como algo que crescerá de 1,5 milhão até 2,1 milhões de moradias por ano. Parte desse avantajado número, não atendida pelas novas moradias construídas anualmente no país, irá se somar ao nosso escandaloso déficit habitacional, estimado em 7,9 milhões de moradias, segundo o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, órgão vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Só para situar o tamanho desse desafio, vale registrar que o volume total de construção de moradias em todo o país não vem conseguindo superar a marca de 500 mil unidades nos anos mais favoráveis. Ainda em termos simplificados: se nada mudar, estaremos condenando, a cada ano, até 2030, de um milhão a um milhão e meio de famílias a engrossarem o contingente das favelas e outras formas de sub-habitação.


Aqueles que vêm acompanhando as publicações deste blog conhecem a minha opinião sobre a existência de capacidade nacional mobilizável para atender uma demanda anual da ordem de 1,5 milhão de novas moradias, que poderia ser alcançada em prazo não muito longo. Desde que, evidentemente, isso viesse a ser convertido num esforço nacional explícito, para que pudessem ser removidos os empecilhos atuais, incluindo a infernal burocracia que faz com que a aprovação de novos empreendimentos imobiliários ultrapasse três anos de penosos e repetidos procedimentos administrativos.

  • COMPARTILHE:

5 comentários para "Bônus Demográfico (2)"

Daniano penafaorte
Daniano penafaorte disse: 04 junho 2013
Muito interessante , muito trabalho pela frente. De fato se o nosso Brasil quiser ele consegue resultados muito mais rápido e consistente.quiseram construir estadios de futebol e assim o fizeram. Ou seja, o Brasil precisa desburocratizar e priorizar.
Daniano Penaforte
Daniano Penaforte disse: 04 junho 2013
Muito interessante , muito trabalho pela frente. De fato se o nosso Brasil quiser ele consegue resultados muito mais rápido e consistente.quiseram construir estadios de futebol e assim o fizeram. Ou seja, o Brasil precisa desburocratizar e priorizar.
Daniano Silva
Daniano Silva disse: 04 junho 2013
Muito interessante , muito trabalho pela frente. De fato se o nosso Brasil quiser ele consegue resultados muito mais rápido e consistente.quiseram construir estadios de futebol e assim o fizeram. Ou seja, o Brasil precisa desburocratizar e priorizar.
José Tadeu P. Carvalho
José Tadeu P. Carvalho disse: 09 junho 2013
Sou corretor de imóveis e delegado sub-regional do CRECI-MG em Pouso Alegre-MG e pelo visto e estudos que o Sr. vem fazendo o Brasil está muito longe de uma bolha imobiliária, está correto pensar desta forma? ou estas condições de moradia só se aplicam as classes c e d ?
Parabéns pelo trabalho.
Att. Tadeu
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 17 junho 2013
Olá, agradeço os comentários no post.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »