Bônus Demográfico (3)

Publicado em 11 junho 2013

Já mencionei que a demanda nacional por novas moradias crescerá de 1,5 a 2,1 milhões de unidades por ano até 2030, ou seja, até o final do período em que estaremos desfrutando o prêmio denominado "bônus demográfico". Mencionei, também, que a parte dessa demanda anual (devida principalmente à formação de novas famílias) que não puder ser atendida pela construção das moradias requeridas irá somar-se ao nosso enorme déficit habitacional já acumulado (estimado em quase oito milhões de habitações).


Os benefícios do "bônus demográfico", quando a população em idade de trabalhar e produzir fica muito superior ao número de dependentes – fenômeno que ocorre uma única vez e que, por si só, é capaz de aumentar a renda per capita nacional em até 1,5% ao ano – devem ser aproveitados, prioritariamente, para equacionar dois problemas de difícil solução posterior (depois que a fração de idosos já tiver aumentado desfavoravelmente), quais sejam, o déficit habitacional acumulado e o déficit previdenciário projetado.


Diante desse desafio e para reforçar a opinião que já registrei em outros tópicos deste blog, segundo a qual, dispomos de capacidade nacional mobilizável para chegarmos ao número necessário de construções anuais, parece interessante examinar algumas conclusões do estudo "Potencialidades do Mercado Habitacional" realizado e divulgado em parceria pela Ernst & Young Terco e pela FGV – Fundação Getúlio Vargas. Essa foi a primeira de um conjunto de seis publicações temáticas elaboradas pelas mencionadas instituições a partir de 2008 e presta-se bastante bem ao exame do nosso interesse, já que analisa prospectivamente o mercado habitacional brasileiro justamente até o ano de 2030, que vimos considerando como o limite final do período do nosso "bônus demográfico".


Segundo o estudo das duas renomadas instituições, o investimento habitacional do país estará crescendo no período de interesse, a taxas anuais médias de 4,4% (com forte incremento a partir de 2016) até alcançar o montante anual de R$ 446,7 bilhões em 2030, após ter passado pelo máximo no quinquênio anterior. Neste mesmo cenário prospectivo, o estudo registra um fortíssimo crescimento do crédito imobiliário – com incremento anual médio de 11,2% – que resultará em um montante anual de R$ 290,4 bilhões em 2030, ou seja, em um crescimento da ordem de dez vezes no período de 23 anos considerado. Todos esses números estão razoavelmente compatíveis com os que considerei para formar a minha opinião de que, em prazo não muito longo, a Construção Civil nacional poderá se mobilizar para um desafio desse porte. Desde que estimulada pelas providências necessárias, notadamente no que diz respeito à remoção do excesso de burocracia e à eliminação de outros empecilhos anacrônicos já apontados neste blog.


Por oportuno, achei interessante reproduzir, no presente tópico, outra conclusão já divulgada na imprensa com base nas informações do mesmo estudo citado nos parágrafos precedentes. Com efeito, 57% das novas famílias formadas na primeira década do período considerado no estudo apresentarão renda familiar inferior a R$ 2,0 mil. No período subsequente, ou seja, entre 2018 e 2030, 78% das novas famílias formadas apresentarão renda familiar situada entre R$ 2,0 mil e R$ 8,0 mil. Em outros termos, os subsídios complementares fornecidos pelo Programa "Minha Casa, Minha Vida", em sua configuração atual, perderão praticamente a importância e deixarão de ser amplamente concedidos a partir de 2018. Essa é uma perspectiva muito interessante, pois confere àquele Programa uma característica bastante cobrada nos mecanismos de favorecimento social: uma porta de saída após o cumprimento da missão principal.

  • COMPARTILHE:

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »