Brasil x China: Investimentos em Infraestrutura

Publicado em 30 abril 2014

3 comentários

Volto a comparar os dois países (Brasil e China), mas não para analisar a enorme diferença entre ambos no que concerne ao desempenho econômico geral. Desta vez, pretendo destacar a disparidade das circunstâncias, das diretrizes econômicas e políticas e das estratégias relacionadas com uma categoria especial de investimentos: aqueles feitos em infraestrutura, para gerar melhores sistemas de transporte e circulação (de cargas e de pessoas), de energia, saneamento e comunicação e de armazenamento e silagem, entre outros equipamentos essenciais ao progresso continuado e sustentável.


No tópico antecedente deste blog tive a oportunidade de atualizar as análises que venho fazendo acerca da evolução ou involução da capacidade nacional de investir, considerando os indicadores mais importantes: Taxa Interna de Poupança, Investimento Estrangeiro Direto – IED e Taxa de Formação Bruta de Capital Fixo. Mostrei que o quadro formado por todos esses indicadores não é bom e que está piorando em períodos mais recentes. Mas, preciso reconhecer, também, que não seria fácil alcançar uma modificação imediata desse quadro, tendo em vista as dificuldades políticas para a alteração de algumas das diretrizes econômicas gerais, além da demora natural para que os efeitos dessas mudanças possam se manifestar plenamente (como é o caso da reversão do clima de desconfiança que se consolidou no exterior acerca do nosso desempenho e dos respectivos riscos).


Mas, nem por isso devemos nos conformar com a situação ou ficarmos inertes diante das dificuldades a serem vencidas. Existem algumas atitudes e procedimentos administrativos de implantação mais fácil – já que não colidiriam com as diretrizes políticas gerais adotadas atualmente – e que poderiam produzir resultados no curto prazo. O exame da realidade chinesa pode favorecer a configuração desse elenco de providências e posturas administrativas.


É desnecessário mencionar que a China vem investindo maciçamente em infraestrutura, implantando sistemas modernos e eficientes de transporte, comunicação, energia, armazenagem e todos os demais itens que vêm garantindo o rápido progresso daquela nação. Mas é interessante observar que os maciços investimentos chineses em infraestrutura vêm sendo suportados, preponderantemente, por capitais nacionais, ainda que a China ocupe a privilegiada situação de 2° país que mais recebeu Investimento Estrangeiro Direto – IED, em 2012, segundo o "World Investment Report 2013" divulgado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento - UNCTAD. Isso resulta, em parte, da elevada Taxa Interna de Poupança colhida no gigante asiático, mas, também, pelos atos e declarações formalizadas que garantem a segurança jurídica dos contratos de investimento e a minimização dos riscos para os investidores.


Além disso, a China conta com uma agência muito ativa, o Instituto Nacional de Auditoria, com atribuições estabelecidas na própria Constituição daquela República Popular e que, entre outras ações, faz uma permanente e forte cobrança ao governo chinês para que sejam destinados mais recursos para os projetos de infraestrutura. Ao mesmo tempo, esse Instituto monitora rigorosamente os demais departamentos e repartições governamentais para garantir que os diversos projetos e dotações contemplem prioritariamente os investimentos em infraestrutura, além de exigir a simplificação dos procedimentos de licenciamento e aprovação de projetos. Ou seja, trata-se de um órgão ainda mais abrangente e objetivo do que a nossa anterior experiência (infelizmente desativada precocemente) com o Ministério da Desburocratização. Mas, nada tão difícil de ser replicado por aqui, ainda que se admita um resultado menos espetacular diante da proverbial disciplina e persistência dos orientais e a necessidade de formatação compatível com a nossa estrutura legal e organizacional. Bastaria só um pouco dos ingredientes básicos: vontade política e determinação administrativa. É assim que se estabelecem prioridades e se alcançam os objetivos pretendidos.

  • COMPARTILHE:

3 comentários para "Brasil x China: Investimentos em Infraestrutura"

Ordélio Azevedo Sette
Ordélio Azevedo Sette disse: 01 maio 2014
Gostei muito de sua análise comparativa da China em termos de política de desenvolvimento da infra-estrutura vis a vis o Brasil.
O fato principal a meu ver e que não temos um plano nacional e nem mesmo um projeto estruturado de desenvolvimento. Os diversos níveis da administração federal, estaduais e municipais não estão coordenados e cada um faz o que lhe dá na cabeça e esses atos pulverizados representam um grande desperdício de recursos e esforços, revelando-se ineficientes.
Isso sem se falar na corrupção, que está se tornando endêmica.
Parabéns pela análise.
Forte abraço Ordelio
emanuel
emanuel disse: 25 maio 2014
Excelente analise. A diferença da estruturação da china para o brasil esta casa vez maior.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »