Carência de Terras Urbanas

Publicado em 03 janeiro 2013

4 comentários

Já apontei os efeitos da burocracia no custo dos terrenos e, por consequência, no preço final de venda dos imóveis construídos nas principais cidades do país. Mencionei a estapafúrdia gincana burocrática que tem que ser vencida para a aprovação de novos loteamentos, circunstância que já produziu, aqui, a escassez generalizada de lotes desembaraçados para as construções. Comparei, também, o prazo máximo de 90 dias com que são aprovados os novos loteamentos nos EUA com o tempo de até quatro anos para idêntico procedimento em quase todas as regiões brasileiras. Quero abordar, agora, outro efeito correlato dessa situação, ainda mais perverso: o entrave que isso representa na batalha para a redução do nosso enorme déficit habitacional, estimado hoje em mais de oito milhões de moradias.


Apesar dos esforços governamentais, materializados principalmente no Programa "Minha Casa, Minha Vida", as construtoras envolvidas na edificação de moradias econômicas não estão conseguindo adquirir os terrenos necessários para cumprir as metas pretendidas. Isso, porque, além da elevação do preço da pequena quantidade de terrenos ainda disponíveis e desembaraçados, as empresas urbanizadoras também não conseguem se comprometer com a entrega de novas áreas, seja por conta da imprevisibilidade e complexidade das exigências para aprovação dos empreendimentos, seja pela demora burocrática nos diversos procedimentos e estágios do licenciamento.


O custo social dessa situação é elevadíssimo. Temos um contingente enorme de brasileiros vivendo em favelas ou em outras formas equivalentes de assentamentos habitacionais precários. Em algumas cidades brasileiras, como Salvador, Recife, Fortaleza, São Luís e Belém, a população favelizada supera 30% do número total de habitantes. No Rio de Janeiro, essa proporção alcança 25%. Em Belo Horizonte e Porto Alegre, os contingentes favelizados situam-se em 20% da população total. Mesmo em São Paulo e Curitiba, onde os índices são melhores, a fração de favelados ainda apresenta níveis assustadores, com cerca de 12% do número total de habitantes. Se consideradas, também as construções irregulares, ilegais ou em situação de risco, ainda que localizadas fora dos perímetros convencionais de delimitação das favelas, a fração dos domicílios precários, insalubres ou inseguros sobe para intoleráveis 50% no Rio de Janeiro e 40% em São Paulo.


Esse é um quadro que precisa ser revertido no menor espaço de tempo possível. Há que se considerar que existem, em quase todos os municípios citados, terras disponíveis para a implantação de novos loteamentos. Temos também um programa governamental de incentivo à aquisição da casa própria estruturado. Dispomos, ainda, de linhas de financiamento muito ágeis e baratas, capazes de atender quantidades maiores da demanda reprimida por moradias populares. Não falta, sequer, capacidade de produção, no setor de construção civil nacional, para ampliar consideravelmente a oferta de novos imóveis. Infelizmente, temos também uma burocracia perversa, que impede a disponibilização ágil e barata dos terrenos necessários para a elevação imediata dos níveis de oferta de novas habitações.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Carência de Terras Urbanas"

Thalita
Thalita disse: 04 janeiro 2013
É incrível a incoerência do governo brasileiro em lançar um programa como o "Minha Casa, Minha Vida" e não facilitar o lado das construtoras diminuindo a burocracia do processo de licenciamento dos terrenos. Esse é o Brasil.
José Cavaco
José Cavaco disse: 04 janeiro 2013
Sr.Eng. Rubens
Suas palavras são certeiras, é preciso acelerar os processos que permitam não apenas os mais necessitados como também os jovens do Brasil a encontrarem moradia própria digna desse nome! Veja o meu caso: Eu e minha esposa queremos sair de casa de meu sogro para começar nosso lar, nossa familia... mas realmente não está fácil encontrar um imóvel adequado á nossa situação financeira. Moramos em Belo Horizonte e vejo com regularidade anúncios da sua empresa nos transportes públicos. Se não for incómodo, gostaria de saber qual seria o plano de financiamento que o vossa mercê recomenda para um casal jovem com rendimentos mensais menores do que 3 salários mínimos... Acredito que se alguém pode ajudar a gente é a MRV! Obrigado pelos conselhos, bom ano para o senhor
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 08 agosto 2016
Bom dia, tudo bem? O empreendimento está localizado em Caruaru, em Pernambuco. Um abraço, Mr.V
morris albert biano
morris albert biano disse: 04 janeiro 2013
infelismente é a falta de pessoas preparadas para diminuir esta burocracia dentro das prefeituras ai fica este joga joga e a população que ve seu sonho ir por agua abaixo.
Roni Dalvi
Roni Dalvi disse: 07 janeiro 2013
Está muito caro viver no Brasil. O valor dos imóveis e aluguéis está ultrapassando o limite da racionalidade mercadológica. Exemplo: vejo em minha cidade uma explosão de valores sem justificativas. Moro em Caxias, cidade da região metropolitana do Rio e em alguns bairros ditos "nobres" existem imóveis com valores iguais ou próximos aos praticados na Zona Sul da Cidade do Rio. Ou seja, com o dinheiro utilizado para comprar uma casa/apê em Caxias podemos comprar um imóvel em Botafogo, laranjeiras, Flamengo, Glória, Barra da Tijuca etc. Existem casas à venda no valor de 1 milhão ! Já vi apt's por 500mil, 400mil, 300mil e muito mais. Isso em locais não "nobres". Em resumo, em muitos locais da região metropolitana existe um apetite enorme da burocracia estatal em consumir os esforços das iniciativas de construção de imóveis para habitação popular. Aliado a isso, muitos proprietários de espaços ociosos estão travando a venda dos mesmos a fim de esperar a sobrevalorização futura. Pra isso, estão cobrando valores surreais pelos terrenos.
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 06 setembro 2016
Bom dia, tudo bem? Agradecemos seu contato, porém a MRV Engenharia é uma construtora, infelizmente não podemos lhe ajudar com esta informação. As decorações apresentadas em nossa página são apenas para apresentar como nossos imóveis ficam quando estão decorados. Espero ter ajudado. Abraços, Mr. V

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »