Chance Imperdível para a Previdência

Publicado em 19 dezembro 2013

2 comentários

Em tópico recente deste blog abordei expeditamente a evolução do déficit previdenciário nacional, antevendo que o seu crescimento acelerado fará com que a situação fique insustentável e detone na forma daquilo que chamei, metaforicamente, de "bomba-relógio". Apontei também a maldade que esse confisco intergeracional de riqueza representará para os nossos filhos e netos. E o mais grave disso tudo: registrei o ceticismo dos especialistas quanto às possibilidades de mudança no sistema, já que ela teria um custo político muito elevado para o Congresso e para o Executivo.


Refletindo mais um pouco sobre essa complexa questão, cheguei à conclusão de que o custo político da falta de solução no curto prazo, pelas consequências impactantes no eleitorado (estagnação da economia, perda intensiva de empregos e de renda, confisco emergencial de direitos, etc.) poderá ser maior do que o ônus de decisões impopulares para promover o necessário equilíbrio do sistema. O fato é que não podemos ficar inertes diante da apavorante sequência dos números que descrevem a evolução desse déficit previdenciário, por ano e em bilhões de reais: (2002: 41,6) ; (2008: 77,3) ; (2009: 89,9) ; (2010: 94,1) ; (2011: 90,1) ; (2012: 98,4).


Para cobrir esse déficit crescente o governo tem que transferir ao INSS a quantia equivalente, em cada ano, para que a autarquia possa continuar pagando os benefícios dos segurados, sejam eles funcionários públicos do RPPS – Regime Próprio de Previdência Social (pouco mais de um milhão de servidores) ou beneficiários integrantes do RGPS – Regime Geral de Previdência Social (cerca de 26 milhões de brasileiros). Para garantir essas transferências do Tesouro Nacional ao INSS, o governo dispõe das limitadas alternativas de sempre: aumentar impostos, aumentar o endividamento nacional, cortar investimentos em infraestrutura, diminuir as despesas com educação e saúde ou deixar de cumprir os compromissos com as regras de superávit primário e controle da inflação. Nenhum desses recursos é saudável e continuadamente sustentável.


Por outro lado, se o Congresso e o Executivo enxergarem as vantagens políticas da opção pela reforma imediata do sistema previdenciário, pelo menos nos pontos capazes de garantir-lhe um razoável equilíbrio, os ganhos econômicos e sociais poderão ser imediatos (portanto, ganhos políticos também). Com a eliminação ou redução significativa do déficit, poderão, entre outras coisas benéficas, ser retomados os investimentos públicos em infraestrutura. Poderá, também, ser retomada a prática de obtenção do necessário superávit primário nas contas públicas, tornando o país mais atraente para os investidores internacionais e mais competitivo nas atividades de produção. E esse círculo virtuoso acabará por incrementar o crescimento do PIB, de forma sustentável, e por diminuir a própria expressão percentual da participação relativa dos eventuais déficits previdenciários ocasionais. Tudo isso conspirando a favor da manutenção do nosso elevado nível de emprego e das taxas de crescimento da renda e do consumo.


A nossa situação econômica atual, de desequilíbrio das contas públicas e de baixo crescimento do PIB, por mais paradoxal que possa parecer, está criando uma oportunidade única para uma reforma do sistema previdenciário nacional. Poderemos alavancar o crescimento da economia com o saneamento financeiro da previdência e, com um crescimento mais robusto do PIB, diminuirmos a importância relativa dos déficits resilientes, estratégia que não poderia ser seguida por muitos outros países, como a paralisada Itália, por exemplo.


Essa é uma chance imperdível para alcançarmos posições econômicas mais equilibradas e sustentáveis, dependendo, apenas, de que a nossa representação política tenha juízo e deixe de lado o paralisante medo da impopularidade por atitudes responsáveis e patrióticas.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Chance Imperdível para a Previdência"

Nilton Rondon
Nilton Rondon disse: 05 janeiro 2014
Boa tarde, eu acredito que vai chegar um dia em que o INSS não vai dinheiro suficiente para pagar todos benefícios.
ricardo
ricardo disse: 12 janeiro 2014
O governo perdeu a oportunidade impar de vincular boa parte dos recursos do PRÉ SAL para a previdência. Educação é importantíssima, mas a previdência não fica atrás.
Além disto o caminho ao meu ver é:
- separar de forma definitiva o que for assistência social da conta de previdência. Quem não contribuiu não pode receber aposentaria,deve sim ser assistido, mas em outra rubrica. O deficit seria infinitamente menor ou talvez sequer existisse.
- As aposentadoria deve ser bancada pelas contribuições. Ninguém poderia receber da previdência além do valor que suas contribuições possibilitarem(1 + 1 não pode ser mais que 2 para uns e menos para outros). A infinidade de regras atuais é desonesta e não apenas injusta. Funcionário publico e da rede privada devem ter as mesmas regras.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »