Contingenciamento Orçamentário ou Eficiência?

Publicado em 25 julho 2013

4 comentários

O Ministério da Fazenda acaba de anunciar um novo contingenciamento orçamentário, bloqueando, desta vez, previsões de gastos administrativos de 10 bilhões de reais. Aparentemente, essa providência seria, não apenas sensata, mas absolutamente necessária para equilibrar as contas públicas, para ajudar na recuperação da meta de superávit primário e, até mesmo, como uma resposta de austeridade ao clamor das ruas e às manifestações de protesto. Mas, essa providência será suficiente? E, mais do que isso, será eficaz, mesmo que parcialmente? Acho que não e, por isso mesmo, decidi abordar este assunto no presente tópico.


Em primeiro lugar, a quantia anunciada é muito pequena e nem chega a fazer diferença nos níveis correntes dos gastos governamentais. Corresponde a menos de 0,62% da arrecadação pública em seus três níveis (federal, estadual e municipal). Mesmo se somada a quantia de outra medida semelhante, anunciada em maio (28 bilhões de reais), o percentual da pretensa economia ainda seria insignificante (2,37%), ou seja, pouco mais de dois por cento de tudo que os governos devem arrecadar este ano. Ninguém perceberá, na prática, a existência de algum esforço de contenção nos gastos públicos.


Além disso, em muitas classes de despesas, o contingenciamento anunciado acaba sendo meramente virtual e não resulta em restrição dos gastos correntes, ou seja, transforma-se em simples gincana orçamentária e não elimina as despesas que se pretendia conter. Talvez alguma passagem aérea deixe de ser emitida diretamente, por esgotamento do limite previsto, mas, certamente, nenhuma viagem deixará de ser feita por causa disso.


Evidentemente, os brasileiros gostariam de ver as contas públicas saudáveis e equilibradas e, com certeza, ficariam muito satisfeitos se não tivessem que comprometer quase 40% de tudo o que ganham (salários, rendas e lucros) para manter os gastos governamentais. Essa é uma meta a ser perseguida politicamente, a médio e longo prazos. Quem sabe chegaremos, algum dia, a percentuais inferiores a 30% como acontece hoje nos EUA? Mas, o que os brasileiros querem mesmo, de imediato, é mais eficiência, racionalidade e transparência nos gastos públicos.


Não estou me referindo, apenas, à indignação recente diante do esbanjamento do dinheiro de todos em viagens feitas sem propósitos públicos, com o uso de aviões e helicópteros oficiais. Os brasileiros estão se ressentindo de algo mais profundo e perverso, ainda que não saibam exprimir esse sentimento com clareza e objetividade e que, muitas vezes, mencionem apenas os exemplos mais escandalosos. Eliminar o desperdício e buscar a eficiência nos gastos públicos seriam objetivos muito mais importantes do que o simples e irrisório contingenciamento orçamentário anunciado.


De que adianta comprar e distribuir mil ambulâncias ou outras tantas UTIs móveis, se os municípios beneficiários, não tendo pessoal e outras facilidades para operá-las, acabam por deixar todo esse precioso recurso transformar-se em sucata em pátios, depósitos de ferro velho ou "debaixo da mangueira". O remédio foi errado. E o gasto também. Não se cuidou do doente, que, no caso, era o sistema de saúde. Apenas se torrou dinheiro público administrando antitérmico em alguém que precisava de antibiótico.


Situação semelhante pode estar acontecendo com a farta distribuição de retro-escavadeiras para as prefeituras, feita em solenidade festiva realizada em Brasília. Quem vai operar essas máquinas? Que tipo de serviço elas vão fazer? Serão eficientes ou, simplesmente, representarão mais uma fonte de gastos para as prefeituras pretensamente beneficiadas (mão de obra, combustíveis, etc.). Uma resposta é certa: essa distribuição política de presentes contribuirá para a redução da eficiência da gestão orçamentária em proporção muito maior do que o contingenciamento anunciado desta vez. Isso, para não mencionar a recente decisão governamental de construir, em larga escala, barcos padronizados na Amazônia e em outras regiões de pesca. Com esse tipo de festival de facilidades, não há carga tributária que agüente. Nem mesmo os absurdos 36,27% atuais.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Contingenciamento Orçamentário ou Eficiência?"

Edson
Edson disse: 25 julho 2013
Os maiores financiadores de campanha petista em 2010 cuspindo no prato em que comem? A explosão de preços que enchem seus bolsos de dinheiro só foi possível por causa deste pacto em 2010. Cuidado.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 30 julho 2013
Caro Edson, primeiro não somos os maiores financiadores de nenhuma campanha e segundo não estamos cuspindo em nenhum prato. O objetivo é construtivo. Tomamos a decisão de fazer o Blog, nos expondo pessoalmente , como forma de tentar de alguma somar no desenvolvimento econômico e social Brasil.
Bianca
Bianca disse: 30 setembro 2013
Eu não poderia deixar de escrever e dizer que é um excelente site com um ótimo conteudo parabéns, vou voltar a visitar frequentemente.
JUNIA KNOP
JUNIA KNOP disse: 21 março 2016
Site de excelente conteúdo e expressamente construtivo a respeito de assuntos específicos e que dizem respeito ao nosso país. Parabéns!
Vou adicionar aos meus favoritos.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »