Criação de Emprego e Produtividade

Publicado em 07 abril 2015

6 comentários

O ritmo de crescimento da economia de qualquer país impacta e é impactado pela geração de emprego nessa mesma economia. As duas variáveis guardam uma relação causal recíproca e interagem com alguma defasagem (geralmente pequena). Sempre que aumenta o estoque de postos de trabalho ocupados, costuma ocorrer, em seguida, o crescimento do PIB – Produto Interno Bruto, ou seja, de todas as riquezas produzidas no país (salários, lucros, rendas, etc.), mantidas constantes as demais variáveis. No sentido oposto, e também com alguma defasagem, sempre que ocorre retração econômica continuada em um país (estagnação ou redução do PIB), costuma acontecer uma diminuição no número de postos de trabalho ocupados, com a conseqüente deterioração dos salários e das rendas.


No momento atual da economia brasileira, o baixo crescimento do PIB e a perspectiva de recessão já começam a pressionar o nosso mercado de trabalho, com o fechamento de vagas e com a redução do contingente populacional ocupado. De acordo com o CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego), no mês de fevereiro último, a geração de empregos formais apresentou o pior resultado dos últimos 16 anos. Os setores que mais contribuíram para o péssimo resultado apresentado no mês de fevereiro, nesse particular, foram o Comércio (redução de 30.354 postos de trabalho) e a Construção Civil (diminuição de 25.823 vagas). A prevalecerem as relações causais já mencionadas, teremos, conseqüentemente, um segundo trimestre com fraco desempenho da economia. Essa perspectiva segue a mesma lógica daquela utilizada pelas agências especializadas que pesquisam, por exemplo, as quantidades produzidas no setor de cartonagem (embalagens) para embasar previsões de desempenho industrial nos períodos subseqüentes: menos embalagens encomendadas hoje, menos produtos comercializados na seqüência ou, também, menos mão de obra contratada hoje, menos produção nos períodos seguintes.


Esse quadro torna-se ainda mais complexo quando se examina a produtividade no trabalho e seus efeitos. Aumentos reais de salários e rendas (acima da inflação) somente são sustentáveis quando eles superam, também, os paradigmas anteriores de produtividade. Em outros termos, aumentos salariais sustentáveis somente são possíveis quando associados à diminuição ou, no máximo, à manutenção dos custos totais de produção. Se o número de homens-hora gastos para a produção de um automóvel ou de um apartamento sofre diminuição pelo aumento da produtividade, a diferença entre os custos totais nos dois instantes pode ser transformada sustentavelmente em ganhos salariais ou aumento de renda. Tentativas fora dessa lógica natural são fadadas ao insucesso, ainda que respaldadas em lei ou decreto. Em sua complexidade infernal, a economia tratará de eliminar os excessos não sustentáveis, com os meios de que dispõe, entre os quais, o crescimento inflacionário para diminuir o valor da moeda distribuída a maior. Portanto, o que deve ser perseguido, como fonte de prosperidade geral e de estabilização econômica é o aumento da produtividade nacional, seja com o investimento em novas tecnologias de produção, na melhoria da nossa precária infraestrutura ou com a educação e capacitação da nossa mão de obra. Nunca é demais lembrar que, em 1980, um trabalhador brasileiro tinha o mesmo nível de produtividade de um coreano e dez vezes mais do que o de um chinês. Passados 35 anos, a situação se inverteu absurdamente: o nível de produtividade dos chineses já está quase ultrapassando o dos brasileiros, enquanto os coreanos ostentam índices quatro vezes maiores do que os nossos. E, para piorar as comparações: os índices de produtividade nacional não crescem há mais de três décadas.


A nossa Construtora, MRV Engenharia, percebeu essa situação há muito tempo e vem aplicando esforços significativos na melhoria de seus índices de produtividade, seja com o investimento em novas tecnologias de gestão e produção, seja com um intenso programa de capacitação do numeroso contingente empregado nas suas obras e até mesmo das famílias desses últimos e das comunidades vizinhas à sua área de atuação. Para atingirmos as nossas metas de erradicação do analfabetismo e de promoção do aprendizado, estaremos inaugurando no próximo dia 17 de abril, a centésima escola de alfabetização e qualificação (100ª Unidade MRV Escola Nota 10) que vimos implantando em nossos canteiros de obra. As atividades que oferecemos nessas unidades, que incluem Ensino Fundamental, e cursos específicos de Alvenaria, Pedreiro de Acabamento, Bombeiro Hidráulico, Gesseiro, etc. têm modificado a vida de mais de 1.800 alunos operários. O nosso programa inclui, ainda, a contratação, em todo o Brasil, de alunos de cursos profissionalizantes oferecidos pelo SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, além da ativação de cursos específicos de qualificação que já envolveram mais de mil treinamentos presenciais e 26 mil horas de capacitação virtual. Tudo isso, complementado por um importante programa de estágios que já tive oportunidade de detalhar em outro tópico deste blog.


Pretendi, com esse depoimento, estimular o meio empresarial para a ativação de atividades semelhantes, de acordo com as possibilidades de cada um, para que possamos dar uma contribuição efetiva ao aumento geral da produtividade nacional e à estabilização da nossa combalida economia, promovendo, com isso, a prosperidade dos nossos colaboradores e de suas famílias.

  • COMPARTILHE:

6 comentários para "Criação de Emprego e Produtividade"

Marcos A O Castro
Marcos A O Castro disse: 08 abril 2015
Caro senhor Rubens Menin, tenho lido e seguido seus posts no Facebook e quero parabenizá-lo por suas opiniões lúcidas sobre os aspectos político-econômicos do Brasil. Um abraço.
Gabriel Tôrres
Gabriel Tôrres disse: 14 abril 2015
Caro Rubens, parabéns pelas ponderações. Acredito que você tenha sido cirúrgico na questão da produtividade: estamos acostumados a inchar o quadro de funcionários para obter certo nível de produção, enquanto outros países (e consequentemente, outras culturas) não enfrentam o mesmo problema.
É comum observarmos em obras nos Estados Unidos 5 ou 6 funcionários executarem atividades que no Brasil demandariam pelo menos 20 pessoas: o mesmo homem que faz a locação de um local opera uma escavadeira, carrega, transporta o material e ainda executa outras funções. Aqui teríamos um apontador, ajudante, operador, encarregado mestre de obras...
Precisamos mudar a cultura do "só faço o que sou pago pra fazer". Com isso conseguiremos tornar nossa economia mais produtiva e, consequentemente, mais competitiva.
Abraços!
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 16 julho 2014
Obrigado pela participação no blog, Carmem.
Rogério Braz
Rogério Braz disse: 15 abril 2015
Shr Rubens;Por fins eu venho a comunicar a minha enorme
Sastifação em prestar serviço a MRV engenharia,
Maior e o prazer de VC como meu inspirador,tenho VC como ídolo na arte de construir.
Rogério Braz
Rio de janeiro
CAMPO GRANDE Grupobrazinstalacoes
andres mendez
andres mendez disse: 20 abril 2015
Prezado Rubens, o conceito está certo dentro de uma cultura mais conservadora, na nossa indústria da construção temos uma cultura profissional muito atrasada e cheia de jeitinhos.
Parcerias são algo que não contém lealdade e caráter, por isso que nossa BOLHA será muito diferente das outras, Perderemos mercado e postos de trabalho pela falta de interesse na preparação de programas de produtividade e não teremos gestão profissional, porque lutamos muito mais pelo poder. Isto está atrapalhando o desenvolvimento em muitas frentes e causará problemas na construção. Produtividade nacional é muito difícil de achar se temos pouca produtividade na empresa e a prosperidade que deve ser um bem comum apenas, é uma ilusão para a maioria. Uma coisa é certa Devemos acreditar na capacidade da nossa gente, das nossas empresas e do nosso mercado, para superar essa cultura arraigada do ego profissional excessivo, que domina as empresas e sufoca a criatividade e o progresso como algo que pertence a todos
Andres P Mendez
Andres P Mendez disse: 20 abril 2015
Prezado Rubens, o conceito está certo dentro de uma cultura mais conservadora, na nossa indústria da construção temos uma cultura profissional muito atrasada e cheia de jeitinhos.
Parcerias são algo que não contém lealdade e caráter, por isso que nossa BOLHA será muito diferente das outras, Perderemos mercado e postos de trabalho pela falta de interesse na preparação de programas de produtividade e não teremos gestão profissional, porque lutamos muito mais pelo poder. Isto está atrapalhando o desenvolvimento em muitas frentes e causará problemas na construção. Produtividade nacional é muito difícil de achar se temos pouca produtividade na empresa e a prosperidade que deve ser um bem comum apenas, é uma ilusão para a maioria. Uma coisa é certa Devemos acreditar na capacidade da nossa gente, das nossas empresas e do nosso mercado, para superar essa cultura arraigada do ego profissional excessivo, que domina as empresas e sufoca a criatividade e o progresso como algo que pertence a todos
Sidinei G Ribeiro
Sidinei G Ribeiro disse: 28 abril 2015
Sr. Rubens,
Bom dia!

Gostaria de parabenizá-lo pela dissertação sobre a economia brasileira atual e mais especificamente o nosso mercado imobiliário.
O problema é que a população em geral, é imediatista. E aí, voltamos aquele ditado "Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?".
Vendemos para termos recursos para evoluirmos ou Investimos no conhecimento para vendermos mais e de forma eficiente?
A conclusão da maioria é que, não temos tempo para estudar. Isso acaba tendo como consequência a improdutividade cada vez mais aumentada.
Eu penso diferente, após quinze anos de experiência, estou seguindo outra linha de raciocínio, invisto no meu conhecimento. Essa é a minha sugestão e que todos os brasileiros compreendam mais cedo ou mais tarde a importância do conhecimento pensando no médio longo prazo.

Um abraço,
Sidinei G Ribeiro
Consultor de Imóveis
E-mail: sidinei.mrv@gmail.com

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »