Custo Brasil x Eficiência

Publicado em 05 setembro 2012

1 comentários

O consumidor brasileiro paga preços absurdamente altos pelos serviços ou produtos que compra atualmente. É caro produzir aqui e é caro, também, importar produtos e serviços de outros países. A diferença entre os preços internacionais e os nossos decorre do adicional chamado "Custo Brasil".

Essa parcela adicional que somos obrigados a pagar quando compramos qualquer produto ou serviço resulta de vários fatores: a elevadíssima carga tributária (uma das mais altas do mundo e que já se aproxima dos 40% do PIB), a infraestrutura precária (que aumenta os custos de transporte, seguros, armazenamento, comunicação, energia e outros), juros muito altos (que encarecem o financiamento da produção), encargos trabalhistas muito pesados (que multiplicam o custo final dos salários sem benefício direto para os assalariados), baixa qualificação da mão de obra, uso pouco intensivo de tecnologia atualizada e outras causas de perda na produtividade.

O "Custo Brasil" é o responsável por duas consequências muito graves. De um lado, somos obrigados a pagar, pelos mesmos produtos ou por produtos equivalentes, preços duas ou três vezes mais altos do que os consumidores de outros países. Isso acontece com automóveis, com eletrodomésticos, com o celular da moda, com remédios, com material escolar, com vestuário ou com a maioria dos outros itens de consumo. De outro lado, os produtos e serviços que exportamos ou que poderíamos exportar perdem competitividade no mercado internacional, pois chegariam ao consumidor final a preços desfavoravelmente elevados.

Existem algumas exceções nesse cenário. Há produtos que contam com vantagens especiais para produção local e que compensam o adicional do "Custo Brasil". Isso acontece, por exemplo, com a nossa produção de soja e minérios. A primeira, pela existência de clima, solo e outros fatores excepcionalmente favoráveis. Os minérios, simplesmente pelo prêmio que a natureza nos concedeu ao reuni-los aqui, em grande quantidade e com facilidades de extração. Mas, existem alguns casos especialíssimos, como a construção civil, por exemplo, em que a compensação resulta dos altos índices de produtividade alcançados. A utilização de tecnologia moderna está possibilitando a produção de moradias econômicas a preços semelhantes ou mais baixos do que os obtidos nos demais países, mesmo partindo de insumos (aço e cimento, por exemplo) fortemente impactados pelo "Custo Brasil".
  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Custo Brasil x Eficiência"

Andréa de Souza Nascimento
Andréa de Souza Nascimento disse: 11 setembro 2012
Olá!
Este texto veio em boa hora.Moro em um prédio onde existe uma convenção de condomínio da qual ninguém tomava conhecimento até eu vir morar no mesmo.Tentei fazer valer meus direitos e organizar a bagunça instaurada. Em vão.Com algumas exceções a maioria dos moradores são ignorantes e moram neste espaço como se morassem em casas individuais,fazendo o que querem.É impossível fazer uma reunião porque se negam a presença. Não assumem posturas para não se indisporem com vizinhos e nem terem despesas. Numa situação desta, onde o que consegui foi só um fundo para manutenção da fachada, e que de seis moradores só seis é que pagam, o que me aconselha?
Obrigada.Andréa
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 04 março 2016
Olá Cristiane, tudo bem? Que bom que gostou do empreendimento. Para mais informações, acesse o site http://www.mrv.com.br/ e converse com um corretor on-line. Um abraço, MRV

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »