Déficit Habitacional (2)

Publicado em 04 julho 2013

4 comentários

No tópico "Bônus Demográfico (3)" publicado recentemente neste blog, mencionei que a demanda nacional por novas moradias crescerá de 1,5 a 2,1 milhões de unidades por ano até 2030, somente para atender à formação de 35 milhões de famílias, prevista no período. Registrei, também, alguns dados e interpretações contidos no estudo "Potencialidades do Mercado Habitacional", divulgado em parceria pela Ernst & Young e pela FGV – Fundação Getúlio Vargas, que estimam em quase meio trilhão de reais por ano o limite máximo de investimento necessário para atender essas demandas imobiliárias do período. Mencionei, ainda, que a parte dessa demanda anual por novas moradias que não puder ser atendida pelos programas de construção irá somar-se ao enorme déficit habitacional já acumulado no País e que já está próximo de oito milhões de residências. Volto a esse assunto para completar a abordagem anterior, focando o restante do desafio, qual seja, a necessidade de eliminação do déficit habitacional acumulado, concomitantemente com o atendimento às novas famílias.


A primeira questão a ser considerada no estabelecimento de estratégias ou de políticas de Estado para enfrentar esse desafio é a exata caracterização do déficit habitacional mencionado. O estudo já referido divide o déficit habitacional brasileiro em duas parcelas: a constituída por moradias precárias, irregulares, insalubres ou inseguras (favelas e cortiços) e a representada pela coabitação de mais de uma família em uma mesma residência (amontoado que ocorre, quase sempre, por falta de opção). Em termos nacionais a segunda parcela (55%) é relativamente superior à primeira (45%), conquanto se registre uma significativa variação regional nessa distribuição. De fato, no Centro-Oeste, a coabitação alcança 73% do déficit habitacional e na Região Norte a desproporção se inverte, com apenas 43% de ocorrências nessa classe. De todo modo, não pode deixar de ser registrado que as duas formas de ocorrência de déficit habitacional, quando somadas, representam cerca de 15% do conjunto total de domicílios existentes no Brasil. Geograficamente, esse último percentual também apresenta enorme variação, desde o mínimo de 9% na Região Sul até o máximo de 29% na Região Norte.


A mesma fonte de referência aponta, também, que o estoque de moradias regulares existentes atualmente no País alcança um valor total estimado em mais de dois trilhões de reais (capital habitacional), com uma idade média de 35 anos. Admitida a vida útil de 50 anos para cada imóvel, e atualizando as mesmas indicações, é válido supor que a simples manutenção do estoque atual de moradias demandaria investimentos anuais superiores a R$ 60 bilhões por ano. Essa é mais uma parcela a ser somada às nossas necessidades básicas de investimento no setor imobiliário.


Em resumo, caso se pretenda eliminar até o horizonte de 2030, pelo menos a parcela do déficit habitacional correspondente às moradias irregulares, precárias, insalubres e inseguras (favelas e cortiços) e, simultaneamente, reduzir pela metade o índice de coabitação forçada, além de atender, na mesma proporção, a demanda acrescentada pela formação de novas famílias, teremos que considerar investimentos anuais superiores a R$ 300 bilhões, em média. Ou seja, mais de R$ 1.500,00 anuais per capita. Esse parece ser o tamanho do desafio na formulação das políticas de Estado para o setor.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Déficit Habitacional (2)"

Manoel Santos
Manoel Santos disse: 04 julho 2013
Esses dados nos mostra o quanto o mercado imobiliário é promissor por um bom tempo e que dificilmente os preços irão abaixar, então assim que tiver a oportunidade a melhor opção é comprar um imóvel.
Luzfer
Luzfer disse: 05 julho 2013
Não existe déficit.
Os primeiros dados do Censo 2010 divulgados pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o número de domicílios vagos no País é maior que o déficit habitacional brasileiro.

Fonte: "http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2010/12/13/numero-de-casas-vazias-supera-deficit-habitacional-do-pais-indica-censo-2010
Felipe
Felipe disse: 05 julho 2013
Meu caro Rubens não sei se já leu, mas segundo o IBEGE não existe déficit habitacional no Brasil. Além disso, considerando a relação renda X preço acredito que há grande margem para queda nos valores dos imóveis. Manoel se você realmente acredita nisso tenho um ótimo terreno na Lua para lhe oferecer. Me mande um e-mail que passo os dados do lote. Att,
Coretor Johnson
Coretor Johnson disse: 09 julho 2013
Perfeita a análise, calcada em números e dados disponíveis publicamente. Sempre falo que os preços podem não subir 30% ao ano depois da Copa, mas como a vida útil do imóvel é 50 anos sempre haverá novos lançamentos, e as novas unidades seguem o preço do terreno (bem escasso) e dos custos (sempre crescentes), por isso imóvel nunca abaixa de preço!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »