Endividamento das Famílias

Publicado em 26 outubro 2012

4 comentários

Mudar de condição financeira, para pior ou para melhor, é sempre uma questão complicada para a maioria das famílias. Hábitos anteriores têm que ser modificados, seja pela restrição obrigatória de gastos, seja pela possibilidade da incorporação de outras despesas decorrentes de novos padrões de consumo. Essa transição fica ainda mais difícil quando não existe o costume do planejamento cuidadoso do orçamento familiar, incluindo o cotejo periódico das rendas com as possibilidades de seu comprometimento nas diversas classes de despesas, gastos, investimentos ou desembolsos obrigatórios.

A nossa realidade econômica e social está mudando de forma muito intensa e rápida. O estrato que se convencionou chamar de "a nova classe média brasileira" está incorporando um contingente muito significativo de famílias, qualquer que seja o método de classificação e as consequentes variações nos resultados da quantificação. E, para esse contingente, foram abertas, rapidamente, muitas possibilidades de consumo e despesa, que, até então, não faziam parte dos hábitos familiares anteriores. Numerosas situações inconvenientes e embaraçosas resultaram dessa circunstância e costumam ser tratadas, sem muita distinção, sob a denominação genérica de "endividamento excessivo das famílias".

Na ausência de um planejamento individualizado e mais cuidadoso, existe uma regra geral, estabelecida pelo senso comum e pela observação do fenômeno em outras nações, que pode ser de grande utilidade para as famílias brasileiras alcançadas pela ascensão social recente: não é bom comprometer mais do que 30% da renda familiar total no pagamento de prestações continuadas (normalmente resultantes de financiamentos feitos para a aquisição de bens ou serviços).

Evidentemente, esse percentual comporta alguma variação de caso para caso, desde que devidamente classificadas as diversas categorias de despesas envolvidas. A aquisição de itens supérfluos (aparelhos eletrônicos da moda, viagens de lazer, roupas caras, alguns serviços pessoais, despesas de telefonia, etc.), por mais sedutora que possa parecer, deve ser criteriosamente examinada antes da sua efetivação e, em seu conjunto, não pode exceder o percentual mencionado. De outro lado, a aquisição de bens duráveis (veículos, algum tipo de mobiliário, etc.) sempre pode ser desdobrada em duas parcelas: gastos correntes e investimento. Embora não seja fácil o desdobramento correto desse tipo de despesa, em circunstâncias controladas é aceitável algum comprometimento da renda familiar acima do mencionado percentual de 30% para agregar a parcela do investimento envolvido. Há, no entanto, outros tipos de despesas periódicas ou continuadas que devem ser tratadas como investimento, ainda que essa característica nem sempre esteja claramente visível. É o caso, por exemplo, da compra de seguros de saúde, de imóveis e de planos de aposentadoria. A agregação desse tipo de despesa no orçamento familiar, costuma comportar, com alguma segurança, o alargamento controlado do percentual básico de 30% de comprometimento total da renda das famílias.

No caso particular da compra da casa própria, devem ser consideradas, ainda, as vantagens decorrentes da economia de aluguéis, da valorização do imóvel, da formação do patrimônio familiar e do aproveitamento das taxas de juros muito baixas que vêm sendo cobradas pelos agentes financeiros, em oposição ao elevadíssimo custo do dinheiro embutido nas prestações contraídas para a aquisição financiada de bens supérfluos.
  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Endividamento das Famílias"

Ygor Nolasco
Ygor Nolasco disse: 29 outubro 2012
Ótima postagem, Dr. Rubens! Sei bem como é complicado organizar as contas, principalmente no meu caso,que não tenho dia certo para receber. As dicas com certeza irão ajudar. Um abraço!
Eronilda Araujo Gomes
Eronilda Araujo Gomes disse: 30 outubro 2012
Fiquei muito feliz com esta postagem, exatamente o que eu estava procurando para concluir o meu TCC - Tema: Planejamento financeiro e financiamento de imoveis residenciais.
Tatiana
Tatiana disse: 30 outubro 2012
acho muito valida esta materia,para termos bom crscimento é necessario realizar um excelente planejamento.
Parabens!!!!!!!!!!!
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 25 fevereiro 2016
Olá Jéssica. Que bom que gostou das dicas. Você pode conferir mais informações sobre o assunto no site http://www.mrvdecora.com.br/. Um abraço
Carlos Henrique dos Santos Carvalho
Satisfeito com a opinião de planejamento familiar,indepentende de ser funcionário,ou melhor colaborador desta conceituada empresa,que aplica e investe em seu quadro,orientando com estima e apreço,a todos...

Dr. Rubens Menin.

Precisamos de dias melhores,com as orientações transmitidas por um lider,esse é o seu perfil.

Continue assim,e mais sucesso.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Melhoria nas Cidades

Publicado em 07 julho 2015

11 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, construiu e entregou a moradia de 260 mil famílias, desde a sua fundação, há 35 anos. Considerando que o tamanho familiar médio dos nossos clientes é de aproximadamente três pessoas por família, podemos garantir, com orgulho, que um a cada 250 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV. Mas, como perseguimos, obstinadamente, o objetivo de nos constituirmos em uma empresa perene e sustentável, fizemos mais do que simplesmente entregar moradias bem...
Leia mais »

Porque a Construção continua desempregando

Publicado em 31 março 2015

7 comentários

De acordo com o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos cinco meses com dados já disponíveis (outubro de 2014 a fevereiro de 2015), o Setor da Construção Civil registrou um saldo negativo de 250 mil postos de trabalho. Em outros termos, nesse período e em todo o país as demissões excederam as admissões em cerca de 10% da força de trabalho contratada anteriormente. É o maior índice de desemprego entre todos os setores da...
Leia mais »

2014, um ano vitorioso

Publicado em 23 dezembro 2014

7 comentários

Tenho feito, a cada final de ano, uma avaliação resumida sobre o desempenho da nossa Construtora (MRV Engenharia) durante o exercício. Procuro, nessas ocasiões, dividir com os nossos clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e parceiros, informações sobre os eventuais sucessos e fracassos, preocupações e alegrias, previsões e realizações, usando, sempre que possível, uma linguagem de simples compreensão e imagens comparativas. Vou manter a tradição, mais uma vez.Apesar das dificuldades...
Leia mais »

Um setor em constante mudança

Publicado em 18 novembro 2014

2 comentários

18/11: A evolução tecnológica nem sempre tem sido bem compreendida, principalmente entre nós. É muito repetida a queixa de que a rápida automação de processos, a mecanização de tarefas e o uso intensivo dos recursos de informática estariam engolindo postos de trabalho ou comprometendo a empregabilidade. Essa é uma visão imprecisa de quem não enxerga o verdadeiro alcance do progresso e seu impacto positivo na renda e na qualidade de vida de todas as pessoas. Na prática, qualquer país, setor...
Leia mais »

Cidades Médias

Publicado em 11 novembro 2014

6 comentários

A nossa Construtora, MRV Engenharia, vem concentrando parcelas cada vez maiores de suas atividades nas assim chamadas "Cidades de Porte Médio" ou, simplesmente "Cidades Médias". O acompanhamento local e direto desse processo, iniciado há cerca de duas décadas, acabou por favorecer-me com uma visão privilegiada acerca da natureza, intensidade, continuidade no tempo, abrangência territorial e demais características do movimento natural que alcançou a maioria dos municípios com essa tipificação....
Leia mais »