Endividamento das Famílias e o Crescimento Econômico

Publicado em 02 setembro 2014

2 comentários

Nos últimos anos, o crescimento econômico brasileiro tem sido perseguido, principalmente, com base no incentivo ao consumo através da facilitação do crédito, da distribuição de renda e benefícios (que reduziram a pobreza e ampliaram a assim chamada classe média) e da diminuição dos juros básicos. Essa política e seus resultados puderam ser mantidos no período de 2011 a 2013, quando a taxa SELIC caiu até 7,12% ao ano, menor patamar dessa variável básica em toda a sua série histórica.


No entanto, a persistência da crise financeira internacional e o conseqüente recrudescimento inflacionário obrigaram que o Banco Central voltasse a subir os juros básicos da nossa economia até os atuais 11,00% ao ano. Aparentemente essa política, aliada a outras providências administrativas e financeiras coadjuvantes, logrou um relativo sucesso no objetivo principal de colocar novamente os índices inflacionários dentro dos limites da meta prevista, conforme se depreende dos resultados apurados nos últimos meses, quando a inflação mensal aproximou-se, praticamente, de zero.


Infelizmente, a elevação dos juros básicos e das taxas bancárias dele derivadas dificultou a manutenção do crescimento do consumo por parte das famílias brasileiras, não porque elas estivessem excessivamente endividadas segundo padrões coletivos internacionais, mas pelo fato de que essas mesmas famílias passaram a ter, individualizadamente, parte maior da sua renda comprometida com o pagamento de prestações resultantes de compras e aquisições antecedentes (oneradas pelo aumento dos juros). Foi uma atitude prudencial dos consumidores brasileiros, circunstância que atestou o alcance de boa maturidade por parte das famílias recém elevadas à classe média, preocupadas com a instabilidade importada e com a prioridade de preservação de suas conquistas recentes. Mas o fato é que, como conseqüência dessa circunstância, o crescimento da economia nacional (expresso na forma da taxa de evolução do PIB) diminuiu bastante, especialmente nos dois primeiros trimestres de 2014.


Quase todos os setores da nossa economia ressentiram-se da diminuição no ritmo de crescimento por conta da turbulência recente que estamos enfrentando, embora cada segmento esteja respondendo a isso conforme as suas próprias peculiaridades. O mercado da Construção Civil, por exemplo, foi menos afetado pela elevação dos juros básicos, já que se apóia em taxas setoriais específicas, desatreladas da SELIC, o que permitiu que os agentes financeiros pudessem continuar a oferecer financiamentos atraentes, especialmente para famílias com renda mensal de até dez salários mínimos, interessadas na aquisição de sua primeira habitação ou de sua única casa própria. Apesar dessa peculiaridade favorável, a indústria habitacional não ficou muito afastada das perdas contabilizadas pelo conjunto do setor industrial.


Essa é uma situação que deve ser monitorada e administrada com bastante atenção, cuidado e zelo para que os remédios certos possam ser ministrados no caso da persistência dos efeitos que potencializaram, no momento atual, a perda de fôlego da economia nacional.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Endividamento das Famílias e o Crescimento Econômico"

MARCOS ALELUIA
MARCOS ALELUIA disse: 03 outubro 2014
Devemos ter zelo e persistência. Viver na Cidade urbanizada, sempre terá um conjunto de fatores relacionados a difícil tarefa de acreditar que todos devem participar. Jamais vou acreditar que a economia nacional venha perde fôlego. A cada 20 anos, as cidades ou metrópoles passa por transformação. Porém 5600 municípios com apenas 30% urbanizado é muito pouco. A sociedade brasileira que não aceita transformação. Eu chamo de assédio moral. Doença crônica, onde empresários, políticos, financistas. Devem prestar atenção em estado com meritocracia. Vamos mostrar na educação dos pequeninos, Etimologia e Metropolização. A importância de participar do crescimento urbano. O mundo está aberto para o Brasil, eu estou aguardando todos que quiserem acreditar neste continente. Povo bom de trabalho que perece ter qualidade de vida. Parabéns pela técnica e desenvolvimento da página. Seu eterno admirador. MARCOS ALELUIA
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 07 outubro 2014
Obrigado pela participação no blog, Marcos.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »