Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia, a cooperação desinteressada, o voluntariado, a solidariedade, a ajuda aos necessitados em momentos de crise econômica ou quando da ocorrência de catástrofes naturais, as ações altruísticas permanentes em apoio a causas humanitárias e na busca de níveis melhores para a própria humanidade. Para esse propósito não preciso elencar postulados e conclusões de sociólogos renomados, inclusive daqueles que são citados com mais freqüência, como os marcos representados pela "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", de Max Weber; pela "Teoria do Equilíbrio Geral", de Kenneth Arrow e pela "A Sociedade de Confiança", de Alain Peyrefitte. Também não pretendo retroceder às características da nossa colonização ibérica e católica. Prefiro desenvolver o assunto com base nas minhas próprias observações e nas convicções pessoais que já formei. É mais simples, mais direto e mais adequado para um texto opinativo de blog.


Quero partir de uma constatação básica e concreta: no Brasil, temos um comportamento geral mais egoísta, menos generoso e mais focado nos interesses pessoais e familiares do que aquele observado na maioria dos países mais desenvolvidos, com baixíssimo nível de doações caritativas, de esforço voluntário nas causas comuns e de apoio financeiro ou gerencial a instituições não governamentais de benemerência pública. Os estudos divulgados pela Charities Aid Foundation, renomada instituição inglesa com atuação global, indicam, também, que os norte-americanos são o povo com maior propensão ao voluntariado e à filantropia, praticando hábitos arraigados de doações patrimoniais ou financeiras para instituições de interesse público ou para causas especiais (universidades, estabelecimentos médicos, etc.). Segundo esses mesmos estudos, os norte-americanos entenderam, desde a formação de seu país, que deveriam ajudar os seus compatriotas necessitados por acreditarem que essa não seria a função básica do Estado ou, em outros termos: "o governo deve ser pequeno para que o povo seja grande". Na realidade, esse pressuposto coletivo tem um corolário imediato: quanto maior e mais hipertrofiado for o Estado, maior será a possibilidade de fraudes, de corrupção e de desperdício do dinheiro público, comendo a renda de todos. Já que não esperam e nem querem muita ação do governo nesses assuntos, os norte-americanos, naturalmente, tomaram para si a responsabilidade de ajuda aos necessitados e de apoio ao desenvolvimento humanitário. Além disso, por reconhecerem, também natural e generalizadamente, que o sucesso econômico alcançado licitamente por empreendedores é um fator positivo que lhes confere mérito especial no julgamento coletivo, os norte-americanos acabaram por disseminar enormemente o hábito de grandes doações por parte desses mesmos empreendedores bem-sucedidos e reconhecidos. Da nossa parte o comportamento é outro: o brasileiro fica sempre a espera de que o governo cuide dos necessitados e, até mesmo, deles próprios, ainda quando têm capacidade de trabalho e de cuidar da sua própria vida. Não é à toa que, entre nós, viceja um forte preconceito antiempresarial e um sentimento igualmente forte de condenação ao sucesso financeiro das pessoas que atingiram um estágio que lhes propiciaria, junto com o reconhecimento comunitário, atitudes filantrópicas mais abrangentes.


Ao final de tudo, como o Estado é pouco eficiente e esbanjador, ao se apropriar exageradamente, da renda das pessoas, acaba por retornar pouco aos contribuintes e fazer com que o número de dependentes desse mesmo Estado cresça continuamente.  Essa é uma questão de difícil solução no curto prazo, mesmo porque a consciência dos brasileiros vem sendo continuadamente prejudicada por um ensino cada vez mais ideologizado nesse particular. Mas, apesar disso, temos que fazer um esforço para disseminação e prática de hábitos mais favoráveis à filantropia e à benemerência geral.

  • COMPARTILHE:

3 comentários para "Filantropia"

Miguel
Miguel disse: 18 agosto 2015
Realmente quem conhece os Países desenvolvidos percebe claramente que são os Hábitos a raizados na sociedade o que faz a diferença.
Brasil tem muito a crescer e precisamos começar de semente em semente, plantando sem perder as Esperanças e não ficar de Braços cruzados.
Muitos reclamam da situação do nosso País mas não move uma Palha para tentar fazer algo diferente.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 26 agosto 2015
Olá Miguel. Agradeço sua participação no blog.
Rodrigo Cabral
Rodrigo Cabral disse: 30 agosto 2015
Parabéns, ótimo artigo!

Outro dia vi um documentário da GloboNews, da aventura de um repórter em Cuba.

Ele se surpreendeu, pois, ao entrevistar as pessoas, a maioria aprovava o regime comunista. As pessoas nitidamente demonstravam medo de uma eventual falta de assistência do governo, comportamento infantil.

Nesse ambiente, empreendedorismo é bicho de 7 cabeças!

Que o Brasil tenha mentes corajosas, como um Steve Jobs e Bill Gates, que ousaram e desbravaram novos negócios!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »

O Caso Eike Batista

Publicado em 17 março 2015

15 comentários

Os rumorosos acontecimentos que envolveram o empresário Eike Batista nos últimos anos fizeram com que a sua situação ficasse bem conhecida do grande público. No entanto, embora conhecida, essa situação não tem sido bem interpretada pela maioria dos brasileiros. Não estou me referindo, aqui, aos detalhes bizarros dos processos movidos contra ele, notadamente o último deles, em que um juiz de mau comportamento (e já afastado das suas funções), passou a usufruir pessoalmente dos bens do...
Leia mais »