Fundo de Reserva em Condomínios

Publicado em 07 setembro 2012

7 comentários

Geralmente, as Convenções de Condomínio dos prédios residenciais já preveem a cobrança, junto com a taxa mensal para as despesas correntes (taxa básica de condomínio) de um adicional para formação do "Fundo de Reserva". Esse adicional pode variar de um prédio para outro, mas costuma situar-se na faixa de 5 a 10% da referida taxa básica. Cabe ao síndico, conforme as necessidades de cada situação e devidamente autorizado por assembléia dos condôminos, fixar e cobrar ambas as parcelas.

Em alguns casos, no entanto, o síndico deixa de cobrar o adicional para formação do "Fundo de Reserva" e estabelece o valor mensal da taxa de condomínio apenas como suficiente para o custeio das despesas correntes (limpeza, manutenção, vigilância, contas de água e energia das partes comuns, etc.). Não se forma, assim, o Fundo previsto.
Nessas situações, ou seja, na inexistência do "Fundo de Reserva", costumam acontecer inconvenientes graves. Os imprevistos (dano ou roubo de equipamentos, emergências de manutenção, pequenos reparos nos jardins, etc.) sempre acontecem. Se o condomínio não dispõe de fundos para fazer face a esses imprevistos, as despesas têm que ser rateadas emergencialmente, com todos os embaraços e dificuldades que essa providência costuma trazer para o síndico e para os condôminos.

Portanto, os síndicos e os próprios condôminos devem estar conscientes de que a cobrança de uma taxa mensal (pequena quando comparada com as chamadas emergenciais ou extras), para a formação do "Fundo de Reserva", não é apenas uma obrigação que costuma ser negligenciada. Essa cobrança mensal é conveniente e, sobretudo, prudente. O ideal, aliás, é que esse adicional seja suficiente para um crescimento continuado do "Fundo de Reserva", de modo a garantir as inevitáveis melhorias e reformas periódicas de maior porte (como as pinturas de fachada, por exemplo).
  • COMPARTILHE:

7 comentários para "Fundo de Reserva em Condomínios"

Moyses Waisberg
Moyses Waisberg disse: 10 setembro 2012
Vale ressalvar que no caso de imóvel alugado, o Fundo de Reserva é por conta do Locador.
Sidnei Glasman
Sidnei Glasman disse: 27 junho 2013
Gostaria de obter uma informação sobre fundo de reserva. Na situação de inquilino, paguei durante 5 anos o fundo de reserva. Eventualmente eu solicitava a restituição e a administradora devolvia.
Mas, na maioria das vezes negligenciei e não solicitei.
Agora estou desocupando o imóvel e pleiteandoa devolução do fundo de reserva que a meu ver deveria ser pago pelo proprietário, mas tanto a proprietária do apartamento, quanto a administradora alegam que eu teria este direito se solicitasse de imediato e não agora que acumulou R$ 2.000,00
Eeles estão corretos?
fabio
fabio disse: 13 agosto 2013
Olá, Muito se questiona sobre a participação dos inquilinos para a formação de fundos dos mais diversos em condomínios. O aceito é que os inquilinos arquem com as despesas ordinárias, como água, luz Mas há também casos em que inquilinos devem arcar com os rateios extras. É quando esses foram usados para cobrir despesas ordinárias, por exemplo,serviços extras como manutenções de portões que danificaram, compras de luzes para o condomínio, pagamento do serviço de manutenção do prédio,problemas no elevador e outros.Tais serviços são feitos com a sobras do condomínio após todos os pagamentos. porem não temos fundos de nada no prédio. Então gostaria de saber se o inquilino tem algum direito a restituição por parte do proprietário ou não nesse caso.
pode-se ter usado uma arrecadação extra para pagar as contas do mês. Nesse caso, os inquilinos devem, sim, contribuir para a sua restauração.
Jessica
Jessica disse: 24 julho 2014
Boa noite!

Meu nome é Jéssica, gostatia que me esclarecesse uma dúvida:
moro em um concomínio muito grande, e a 2 meses foi trocada a administradora, e essa convocou uma reunião para informa aos condôminos que a além do valor cobrado do condomínio, também seria incluso mensalmente o valor de 170,00R$ para custear as dispesas com faxina etc... Alegaram que estamos sem nenhum valor no fundo de reserva, porém pelo que sei o valor cobrado e estabelecido por lei para esse tipo de despesa é o próprio condomínio, portanto eles não poderiam nos cobrar um valor tão siginificante além do que já estamos pagando.
Clarice Teixeira
Clarice Teixeira disse: 05 maio 2015
Olá, gostaria de saber se é devida a cobrança de taxa extra para aquisição de um equipamento sendo que temos instituído o Fundo de Reserva em 10% e que o valor acumulado é superior (quase que o dobro) ao valor do equipamento.
JRM BENEFÍCIOS C/ JOSE ROBERTO
JRM BENEFÍCIOS C/ JOSE ROBERTO disse: 08 novembro 2015
Olá!
Gostei muito dos benefícios.
Proporcionam economia, praticidade e melhor qualidade de vida.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

O que é uma empresa sustentável?

Publicado em 23 julho 2015

5 comentários

Embora "sustentabilidade" tenha se transformado na palavra da moda – e talvez por isso mesmo –, há uma grande confusão sobre esse conceito. A maior parte das pessoas acha que uma empresa é dita sustentável quando adota parques e praças e cuida do "verde" ou, no máximo, quando ela obedece as normas ambientais ou desenvolve posturas ecologicamente corretas. Claro que respeitar o meio ambiente e cuidar dele é uma atitude importantíssima e representa um requisito mínimo para se alcançar a...
Leia mais »

O envelhecimento das nações e a previdência

Publicado em 18 junho 2014

9 comentários

A população mundial está envelhecendo rapidamente. Os especialistas em demografia calculam, agora, que o planeta não deverá ultrapassar mais o contingente populacional de 10 bilhões de habitantes e que a sua população total passará a diminuir dentro de poucas décadas. Isso ocorre, basicamente, pela diminuição generalizada da taxa de fecundidade (n° de filhos por mulher) e pelo aumento da longevidade média decorrente das melhorias alimentares e de saúde (número de anos da expectativa de vida ao...
Leia mais »

Filantropia e Legado entre Gerações

Publicado em 19 setembro 2013

1 comentários

A sociedade norte-americana é singular em sua forma de entender a educação e de tratar as instituições que se dedicam à importantíssima tarefa de preparar e formar a população daquele país. Há, entre os hábitos, costumes e regras vigentes nos EUA, pelo menos três que são emblemáticos, conforme resumirei a seguir:1) Os norte-americanos aceitam como obrigação natural dos cidadãos residentes em cada comunidade (bairro, cidade, condado, etc.) o custeio das escolas públicas de nível básico, pago na...
Leia mais »

Uma Parceria de Esperança

Publicado em 10 setembro 2013

Já mencionei diversas vezes neste blog a minha convicção de que as empresas bem-sucedidas têm responsabilidades e obrigações diante da sociedade e do ambiente que lhes proporcionaram o êxito e o sucesso. E uma parte importante desses compromissos está consubstanciada na obrigação, que cada empresa tem, de contribuir para a efetiva melhoria da qualidade de vida e da perspectiva de ascensão social ou de progresso humano das comunidades mais diretamente envolvidas com as respectivas atividades ou...
Leia mais »

Licenciamento Ambiental Desvirtuado

Publicado em 08 agosto 2013

2 comentários

Temos uma tendência natural para ir, pouco a pouco, complicando as coisas, burocratizando os processos, transformando procedimentos simples em rituais absurdamente complexos e demorados, criando empecilhos, taxas e custos extras e envolvendo equipes cada vez mais numerosas, caras e dedicadas a defender, em primeiro lugar, os seus próprios interesses corporativos e benefícios funcionais. Essa característica não é exclusiva de um setor ou de um ramo de atividade, sendo antes, uma tendência...
Leia mais »