Geração de Empregos na Construção Civil

Publicado em 29 agosto 2012

2 comentários

A crise financeira internacional vem contribuindo para o baixo desempenho da nossa economia, cujo PIB deve crescer menos de 2% este ano. Por pior que seja esse efeito, ainda navegamos em uma situação de relativo conforto, com o crescimento do salário médio e sem consequências sociais muito sofridas. Essa situação menos desfavorável resulta, essencialmente, da conjunção de vários fatores que possibilitaram a manutenção do nível de emprego no Brasil.



De fato, o nosso índice de desemprego (relação entre o número de desempregados e a PEA – População Economicamente Ativa) mantém-se inferior a 6%, condição próxima daquela aceita como limite do "pleno emprego". Poucos países têm conseguido isso, com destaque para Áustria e Japão, com cerca de 4,5%. A média da União Européia situa-se na faixa de 10,5%, sendo que Grécia e Espanha superam 20%. Até a poderosa economia norte-americana enfrenta um índice de desocupação superior a 8%.

Não estamos assim por acaso. Nos últimos anos, a construção civil se converteu no grande empregador nacional, compensando, de certa forma, a perda continuada de postos de trabalho em outros ramos da indústria e garantindo a manutenção dos ganhos salariais. Fenômeno semelhante ocorre no Japão, com o aumento significativo do mercado de emprego na construção. Mas é interessante observar que, enquanto os japoneses foram forçados a reconstruir prédios e infraestrutura destruídos por catástrofes naturais (terremoto e tsunami), nós estamos construindo coisas novas e implementando um importante programa habitacional. Nesse contexto, a construção civil, que já é responsável pela geração de 16% do PIB brasileiro, passou a empregar 3,5 milhões de pessoas, ou seja, cerca de 6% de todos os postos de trabalho oferecidos no país. Somente em 2011, esse setor criou mais de 300 mil novas vagas, cujo nível médio de remuneração continuou subindo.

Devemos torcer para que a complicada situação financeira internacional se resolva rapidamente e para que o crescimento da nossa economia possa retomar o seu ritmo anterior. Mas, durante essa fase de dificuldades, a contribuição dada pelo setor da construção civil poderá se sustentar. Isso porque, temos metas nacionais impostergáveis – na eliminação de um escandaloso déficit habitacional – e podemos persegui-las independentemente de contingenciamentos externos. Na construção civil, temos uma dependência relativamente pequena de insumos importados e estamos sendo financiados, essencialmente, por poupança interna. E, sobretudo, constituímos um setor empresarial capacitado, genuinamente nacional.
  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Geração de Empregos na Construção Civil"

Jeffney Soares
Jeffney Soares disse: 30 agosto 2012
Este é um dos motivos pelos quais tenho tanto orgulho de fazer parte desta empresa. Temos uma responsabilidade muito grande de continuarmos crescendo, e, com lucratividade, sem esquecermos da qualidade, para continuarmos garantindo, em nosso setor, tantos empregos, empregos estes que sustentam milhares de famílias por todo o Brasil! Agradeço à Deus, todos os dias, por poder levantar pela manhã e poder fazer parte de algo tão grandioso. Um grande abraço família MRV!!
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 25 fevereiro 2016
Bom dia Djalma, tudo bem? Acesse mrv.com.br/trabalheconosco para conhecer as vagas e cadastrar-se no banco de talentos MRV.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »