Licenciamento Ambiental Desvirtuado

Publicado em 08 agosto 2013

2 comentários

Temos uma tendência natural para ir, pouco a pouco, complicando as coisas, burocratizando os processos, transformando procedimentos simples em rituais absurdamente complexos e demorados, criando empecilhos, taxas e custos extras e envolvendo equipes cada vez mais numerosas, caras e dedicadas a defender, em primeiro lugar, os seus próprios interesses corporativos e benefícios funcionais. Essa característica não é exclusiva de um setor ou de um ramo de atividade, sendo antes, uma tendência observável em quase todas as áreas, especialmente naquelas excessivamente reguladas ou que dependem preponderantemente da ação dos agentes públicos. Mas, dependendo das circunstâncias, algum setor específico pode sofrer uma crise aguda desse mal, que precisa ser enfrentada e corrigida de modo mais rápido, objetivo e eficaz. É o caso do Licenciamento Ambiental de empreendimentos, que estou destacando no presente tópico.


Ninguém pretenderia eliminar esse tipo de controle e de ajustamento para a racionalização e otimização dos empreendimentos. O Licenciamento Ambiental representou um avanço extraordinário sob qualquer perspectiva de análise e passou a ser uma exigência imprescindível para o conforto, segurança e prosperidade sustentável das populações. No Brasil, a consolidação desse procedimento administrativo veio com as Leis nos 6.938, de 31/08/81 e 7.804, de 18/07/89, com acréscimos e adaptações subsequentes, incluindo a regulamentação materializada em Instruções, Resoluções e Portarias diversas.


Em princípio, o Licenciamento Ambiental pode ser conduzido por instâncias da administração municipal (em caso de delegação conveniada com o estado), pelos órgãos estaduais integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente (na maioria das situações) ou, em caráter supletivo (quando os impactos alcançam uma região expressiva ou correspondem a empreendimentos especiais), pelo IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Na prática, um sem número de outras instâncias, instituições, conselhos e comitês costuma ser envolvido. Simplificadamente, cada empreendimento deve ser licenciado em três fases, recebendo, respectivamente, a LP (Licença Prévia), a LI (Licença de Instalação) e a LO (Licença de Operação), sendo que, já há algum tempo, essa última deixou de ser definitiva e passou a ter que ser renovada periodicamente, em prazos muito curtos. Cada uma dessas etapas exige a elaboração de estudos onerosos, a apresentação de copiosa documentação, o ativamento de providências trabalhosas e caras (que podem envolver a organização e custeio de audiências públicas) e o indefectível pagamento de taxas e emolumentos.


Mais danosos que o aumento de custos produzido por essa trapalhada burocrática, são os atrasos que essa distorção provoca no próprio cronograma de implantação dos empreendimentos, quando não lhes inviabiliza definitivamente o propósito. Quase sempre, as demoradas exigências são redundantes e não representam qualquer benefício prático para as comunidades afetadas e para os próprios recursos ambientais envolvidos. E não são raras as situações em que dificuldades são propositalmente colocadas por motivações políticas ou por interpretações ideologizadas das normas e disposições. Isso, para não falar da doença oportunista da corrupção, que sempre se beneficia de ambientes onde dificuldades são criadas para a venda de facilidades.


O cipoal burocrático que foi se avolumando no processo de Licenciamento contradiz o próprio espírito da Lei n° 6.938 que, em seu Art. 4°, Inciso I, dispõe, justamente, que "a Política Nacional do Meio Ambiente visará à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico". Essa posição destacada na Lei resulta de conclusões aceitas internacionalmente, sem controvérsias, segundo as quais a falta de prosperidade, com a consequente manutenção do nível de miséria e de baixa renda, é a principal ameaça ao equilíbrio ambiental e à sua sustentabilidade. E, neste caso, a prosperidade da população brasileira e o desenvolvimento da nossa economia estão sendo os prejudicados mais diretos pela burocracia desenfreada que se instalou no âmbito dos processos de Licenciamento Ambiental de muitas cidades e estados. Precisamos aprimorar esse setor com urgência, simplificando os procedimentos, agilizando as decisões e resgatando os conceitos originais que foram afetados pelo avanço insaciável do dragão burocrático.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Licenciamento Ambiental Desvirtuado"

Gisele
Gisele disse: 25 janeiro 2014
Boa Tarde Sr. Rubens Menin.

Estamos fazendo um trabalho de conclusão de curso (MBA Controladoria pela FGV)e escolhemos sua empresa para fazer o trabalho, porém estamos com dificuldades para encontrar algumas informações. Gostaríamos muito de estabelecer um canal de contato com o senhor para obtermos êxito em nosso trabalho. O senhor poderia nos ajudar?

Obrigada pela atenção.

Gisele.
Javier Álvarez
Javier Álvarez disse: 02 julho 2014
Parabéns pela matéria, muito interessante. A luta, ao meu entender, deve começar com grandes mudanças desde as construtoras, oferecendo imóveis muito mais sustentáveis do que até agora é conhecido. E assim, deixando obsoletas as leis e procedimentos, criando um grande valor agregado ao produto (prédios auto-sustentáveis), e ridiculizando a atual forma de resolução e gestão de licenças ambientais. Isto, alem de tudo, gera muitos mais benefícios para a empresa, pois o consumidor acaba preferindo estes empreendimentos. Assim todos ganham. Se quiser mais informações de como fazer isso, estou a disposição. Obrigado.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 03 setembro 2012
Olá Sidney. Ver este resultado é realmente gratificante e motivador. "Metas se viáveis e tenazmente perseguidas são um extraordinário instrumento de gestão." Obrigado pelo comentário!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

O que é uma empresa sustentável?

Publicado em 23 julho 2015

5 comentários

Embora "sustentabilidade" tenha se transformado na palavra da moda – e talvez por isso mesmo –, há uma grande confusão sobre esse conceito. A maior parte das pessoas acha que uma empresa é dita sustentável quando adota parques e praças e cuida do "verde" ou, no máximo, quando ela obedece as normas ambientais ou desenvolve posturas ecologicamente corretas. Claro que respeitar o meio ambiente e cuidar dele é uma atitude importantíssima e representa um requisito mínimo para se alcançar a...
Leia mais »

O envelhecimento das nações e a previdência

Publicado em 18 junho 2014

9 comentários

A população mundial está envelhecendo rapidamente. Os especialistas em demografia calculam, agora, que o planeta não deverá ultrapassar mais o contingente populacional de 10 bilhões de habitantes e que a sua população total passará a diminuir dentro de poucas décadas. Isso ocorre, basicamente, pela diminuição generalizada da taxa de fecundidade (n° de filhos por mulher) e pelo aumento da longevidade média decorrente das melhorias alimentares e de saúde (número de anos da expectativa de vida ao...
Leia mais »

Filantropia e Legado entre Gerações

Publicado em 19 setembro 2013

1 comentários

A sociedade norte-americana é singular em sua forma de entender a educação e de tratar as instituições que se dedicam à importantíssima tarefa de preparar e formar a população daquele país. Há, entre os hábitos, costumes e regras vigentes nos EUA, pelo menos três que são emblemáticos, conforme resumirei a seguir:1) Os norte-americanos aceitam como obrigação natural dos cidadãos residentes em cada comunidade (bairro, cidade, condado, etc.) o custeio das escolas públicas de nível básico, pago na...
Leia mais »

Uma Parceria de Esperança

Publicado em 10 setembro 2013

Já mencionei diversas vezes neste blog a minha convicção de que as empresas bem-sucedidas têm responsabilidades e obrigações diante da sociedade e do ambiente que lhes proporcionaram o êxito e o sucesso. E uma parte importante desses compromissos está consubstanciada na obrigação, que cada empresa tem, de contribuir para a efetiva melhoria da qualidade de vida e da perspectiva de ascensão social ou de progresso humano das comunidades mais diretamente envolvidas com as respectivas atividades ou...
Leia mais »

Gestão Integrada das Regiões Metropolitanas

Publicado em 01 agosto 2013

2 comentários

Tenho mencionado com alguma frequência, tanto em textos mais recentes como em tópicos publicados há mais tempo neste blog, os efeitos da nossa elevadíssima taxa de urbanização, responsável por aglomerar nas cidades, quase 85% da população nacional. Analisei, com o detalhamento possível neste espaço, alguns impactos desse processo de intensa urbanização no mercado imobiliário, na organização do território e na desatualização precoce da infraestrutura das cidades. Todavia, quero acrescentar,...
Leia mais »