Lições de países mais civilizados

Publicado em 19 março 2014

7 comentários

Costumo observar que muitos brasileiros cultivam e expressam uma ideia equivocada acerca da validade de nos compararmos com outros países ou de nos inspirarmos no comportamento de outros povos. Não existe na história da humanidade um único exemplo de nação ou povo que tenha se fechado em si mesmo e vivido uma experiência autárquica de forma bem-sucedida. Pelo contrário, sempre que isso ocorreu em diversas épocas e em distintas realidades (desde o isolamento albanês até o fechamento da sociedade japonesa, para ficar em dois exemplos muito conhecidos) os respectivos povos acabaram por acumular um expressivo atraso no ritmo de desenvolvimento econômico e social e na melhoria da qualidade de vida. A difusão do conhecimento, da tecnologia, da organização política e social e dos demais atributos que configuram o progresso da civilização sempre esteve associada aos hábitos e costumes de povos e nações que, por uma circunstância ou outra, abriram-se ao convívio e ao compartilhamento das experiências com vizinhos ou com centros mais desenvolvidos, quase sempre em decorrência do contato comercial.


Fiz essa longa introdução histórica para enfatizar a conveniência de mudança na postura daqueles mais críticos ao cotejo internacional e mais preconceituosos sobre a validade de buscarmos, na realidade externa, exemplos bem-sucedidos de comportamento, em favor do nosso próprio êxito e da necessidade de acelerarmos o progresso nacional e o avanço do nosso bem-estar. Esses exemplos costumam estar distribuídos em diferentes campos, envolvendo aspectos distintos, mas, quase sempre, acabam resultando de paradigmas mais evoluídos de comportamento e de pensamento relacionados com as formas de organização social, com os níveis de educação, com os padrões gerais de ética, com o espírito de solidariedade, com os processos de produção, com a criatividade, com o respeito ao próximo e com a responsabilidade individual. Tudo com causa e conseqüência.


De fato, essas relações transparecem no exemplo simples da organização da produção praticada na fabrica de automóveis da Honda, em Tóquio, onde os pisos das instalações são tão limpos que mais parecem os de um hospital muito asseado. Isso, que já se transformou em um hábito cultural arraigado no Japão, é um dos fatores que contribuem para o elevado padrão de qualidade final obtido naquele país. Mas, além disso, os produtos mais competitivos da indústria local acabam alavancando os padrões de renda e qualidade de vida. O que haveria de mau se nos inspirássemos neste exemplo, como os coreanos estão fazendo?


Para não fugir dos exemplos simples, um pátio de estacionamento nos estádios ingleses, com a mesma capacidade de um similar nacional, esvazia-se, após o término do evento esportivo, em um tempo surpreendentemente menor do que o observado por aqui. A diferença pode ser creditada ao espírito de cortesia colaborativa dos ingleses, na busca do máximo benefício geral, em lugar da atitude que leva os brasileiros a utilizarem o "jeitinho" e a truculência para buscar vantagens individuais. Outros exemplos dessa natureza, incluindo atitudes coletivas de solidariedade, ajudariam a explicar, também, porque os povos nórdicos (Suécia, Dinamarca, Noruega, etc.) alcançaram os níveis mais elevados de educação e qualidade de vida do Planeta. Não valeria a pena tê-los como paradigma ou fonte de emulação?


Para concluir este tópico, pretendo fazer um exercício de generalização: povos e nações que apresentam comportamentos similares aos exemplos mencionados, coincidentemente, ajustam-se a um padrão ético mais civilizado. Não é comum, entre eles, a vandalização de bens públicos e privados ou as demonstrações de baderna coletiva. Pelo contrário, o sentimento dominante ali é a consciência de que a manutenção estrita do Estado de Direito é vantajosa para toda a população, gerando um ambiente favorável ao progresso e à prosperidade. Consequentemente, a maioria compartilha a consciência de que o patrimônio depredado ou destruído terá que ser, inevitavelmente, reposto e pago pela população.

  • COMPARTILHE:

7 comentários para "Lições de países mais civilizados"

Priscila
Priscila disse: 20 março 2014
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Priscila - Imóveis Guarulhos
Priscila - Imóveis Guarulhos disse: 20 março 2014
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Priscila - Imóveis João Pessoa
Priscila - Imóveis João Pessoa disse: 20 março 2014
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Priscila - Imóveis Maceió
Priscila - Imóveis Maceió disse: 20 março 2014
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Priscila - Imóveis Pontal do Paraná
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Priscila - Imóveis Vitória
Priscila - Imóveis Vitória disse: 20 março 2014
é isso que não entendo em nosso país, as pessoas depredam patrimônios públicos e depois querem que eles estejam sempre conservados e que eles não tenham que pagar com isso não querem nem pagar impostos e ainda querem que sobrem para todas as outras coisas para fazerem sempre mais e mais, mas não adianta pedir e reclamar de que não tem se nem ao menos cuidam do que tem.
Lólia
Lólia disse: 27 outubro 2015
Muito 10 esse assunto. (...)

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »