Mais Engenharia e Mais Engenheiros

Publicado em 10 dezembro 2013

1 comentários

Nos meses de fevereiro e março deste ano, desenvolvi neste blog a série "A Engenharia e seu Ensino", quando tive oportunidade de destacar alguns pontos importantes para calibrar a relação entre oferta e demanda por engenheiros, para comparar a situação nacional com a de outros países e para identificar as causas da grande evasão de pretendentes a essa opção de carreira. Iniciei aquela série repetindo a constatação internacional de que: "a existência farta de engenheiros, tecnólogos e de outros perfis profissionais semelhantes é um ingrediente essencial para alavancar e sustentar o desenvolvimento econômico e social dos respectivos países e regiões, incluindo a fração daqueles, que não atua diretamente nas funções específicas da Engenharia". Decorrido quase um ano do término da referida série, estou voltando ao assunto para uma abordagem mais atualizada e para algumas comparações objetivas, no propósito de enfatizar, ainda mais, a necessidade brasileira de formar um contingente muito maior de engenheiros qualificados.


Depois que a Europa, os EUA e o Canadá sustentaram o seu desenvolvimento com o concurso de um vasto contingente de engenheiros (movimento iniciado na Inglaterra durante a Revolução Industrial do Século XVIII, época em que a profissão ainda estava sendo formalmente estruturada, mas que já contava com os embriões das corporações de mecânicos habilidosos e com a participação de tecnólogos e cientistas independentes), os assim chamados "tigres asiáticos" trilharam o mesmo caminho (a contribuição dos engenheiros tem sido particularmente notável no desenvolvimento do Japão e na arrancada subsequente da Coréia do Sul e da China). Esse modelo foi percebido, no mundo globalizado, como o caminho mais direto e seguro para que todas as demais nações possam alcançar níveis mais elevados de prosperidade e de bem-estar.


Para não fugir da nossa vizinhança cultural e geográfica, é interessante observar o que está acontecendo no México. Aquele país latino-americano percebeu essa relação de causa e efeito e passou a incorporá-la no seu planejamento nacional. Ali já existe um contingente de 580 mil estudantes de Engenharia, uma cifra muito significativa, já que esse número é superior ao total observado na Alemanha (país que sempre se apresentou em posição preponderante no ranking de densidade de engenheiros). Além disso, é um contingente superior ao observado no Brasil (sabendo que a nossa população é quase duas vezes superior à mexicana). Com esse esforço, o México ultrapassou os EUA na relação do número de estudantes de Engenharia para cada grupo de mil habitantes (4,9 contra 3,6) embora a produtividade dos engenheiros norte-americanos ainda seja 30% maior que a dos mexicanos.


Essa política já está apresentando resultados práticos. E muito exitosos. De início, os engenheiros mexicanos foram os responsáveis pelo ressurgimento da indústria automotiva naquele país, com escala significativa e com elevado grau de competitividade no mercado mundial. Mais recentemente, os mexicanos estão dando outro passo importante ao estabelecerem no seu país um núcleo variado e capacitado para o desenvolvimento de pesquisas e para o projeto de componentes e de modelos com aplicação na indústria automotiva globalizada. Dentro em breve, poderemos acompanhar a substituição dos apreciados veículos fabricados no México, por modelos projetados e desenvolvidos por mexicanos para industrialização em escala mundial. Algo semelhante ao que aconteceu, em menor escala, na consolidação de um polo aeronáutico no Brasil, a partir da contribuição do ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Esse é apenas um exemplo setorial dos benefícios que podem resultar da adoção de uma política de Estado destinada a reforçar a formação de engenheiros em cursos de qualidade.


A propósito, se estamos interessados em atrair jovens vocações para a área da Engenharia e em dar um choque de qualidade nos nossos cursos nesse campo, além de olhar para o exemplo mexicano, teremos que examinar, também, os resultados recentes alcançados pelo Brasil no PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, desenvolvido e aplicado pela OCDE – Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Infelizmente, caímos mais quatro posições no ranking de 65 países que participaram do PISA (53ª para 57ª posição, ou seja, no fim da lista). E o que é mais grave: a nossa pequena melhoria no ensino da matemática (de 386 para 391 pontos) equivocadamente festejada por muitos, foi bastante inferior à conseguida pelos países que estão empenhados seriamente no crescimento educacional. Encerro com a mesma afirmação destacada na série "A Engenharia e seu Ensino": o aprendizado deficiente da matemática no Ensino Médio assusta e desvia pretendentes aos cursos acadêmicos de Engenharia. Precisamos mudar isso com urgência.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Mais Engenharia e Mais Engenheiros"

Luiz Fernando
Luiz Fernando disse: 10 dezembro 2013
Concordo plenamente.
Acredito que qualificar o corpo docente, e as próprias instituições de ensino, vão ajudar na qualificação do país e, quem sabe, melhorar nossa posição nos próximos anos, no ranking citado.
Escolas como o ITA, FEI, sistema SENAI, contribuem há décadas na formação de qualidade. Mas é difícil ver novos centros com tamanha qualidade, surgirem na mesma proporção da demanda que nosso mercado está exigindo atualmente.
Quem sabe um dia, o governo acorda, e resolve apostar em educação, tanto quanto países asiáticos estão fazendo e se destacando em vários segmentos econômicos, graças aos pesados investimentos na qualificação profissional.
Abs.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »