Mecanização na Construção Civil (2)

Publicado em 19 setembro 2012

1 comentários

Em tópico antecedente, mencionei a questão dos impactos da mecanização dos canteiros na racionalização da força de trabalho e seus efeitos secundários, seja na melhoria da aplicação dos insumos básicos, seja na própria qualificação da mão de obra e, consequentemente, nos seus níveis de remuneração.

Achei importante detalhar um pouco mais esses últimos aspectos, porque eles costumam ser os menos visíveis para quem não acompanha diretamente o processo em curso no Brasil.

Na última década, com o aumento geral da produtividade, os nossos salários subiram, substancialmente, em direção aos melhores níveis internacionais. Nesse período, a mão de obra vem sendo progressivamente qualificada, as condições de trabalho estão ficando muito mais seguras e confortáveis e as edificações vêm alcançando níveis muito mais elevados de qualidade e sustentabilidade socioambiental.

Tudo isso representa um progresso notável. Mas, ainda há um longo caminho a percorrer. Apesar dos nossos avanços recentes, o Brasil utiliza, hoje, apenas 3% do total de equipamentos de mecanização da construção existentes no mundo. A China, no extremo oposto e onde está em curso um impressionante volume de construção, já alcançou 48%, ou seja, quase a metade do número total de equipamentos disponíveis no planeta.



A MRV tem sido pioneira em muitos aspectos desse processo de mecanização dos canteiros e vem investindo fortemente na modernização do planejamento das obras e na aquisição ou locação de equipamentos. No último exercício, nossa construtora investiu cerca de R$ 120 milhões somente em locação de equipamentos de mecanização ou automação. E, com isso, já obtivemos resultados muito satisfatórios na diminuição dos prazos de entrega das edificações, na redução do desperdício de materiais e no alcance de níveis mais elevados de qualidade. O nosso quadro de colaboradores vem atingindo níveis mais elevados de qualificação e, consequentemente, padrões superiores de remuneração. No nosso caso, não se tratou de simples opção gerencial. Há muito tempo temos considerado essa promissora e inexorável possibilidade de melhoria tecnológica, incluindo o exame direto da situação alcançada em vários países, pelas maiores construtoras do mundo.
  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Mecanização na Construção Civil (2)"

Roberto Peralta
Roberto Peralta disse: 06 dezembro 2013
boa tarde, gostaria de saber qual a fonte da informação do percentual da mecanização aqui no Brasil e no exterior, achei interessante o dado.


obrigado

abs

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »