O Perigo das Invasões de Terrenos

Publicado em 20 maio 2014

3 comentários

O estado geral de violência que vem se propagando, perigosamente, pelo País como resultado da complacência pública no enfrentamento das ações de desrespeito à Lei e à Ordem ou, até mesmo, de um velado estímulo à anarquia e à indisciplina, materializa-se de diversas formas. Embora sejam todas igualmente graves e intoleráveis, os acontecimentos dos últimos dias têm centrado a atenção da mídia nos atos de invasão de terrenos e de modos correlatos de agressão ao legítimo direito de propriedade, base do Estado Democrático de Direito e ingrediente indispensável ao avanço da civilização e à segurança da sociedade.


Um dos episódios de maior repercussão nacional foi o que esteve associado à ocupação, por parte do assim chamado MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, de um grande terreno, destinado a empreendimento imobiliário e situado no Bairro de Itaquera, na Cidade de São Paulo. Nesse caso, mais do que a violência da invasão e a estratégica localização do terreno escolhido para a ocupação (próximo ao estádio que abrigará o jogo de abertura da Copa do Mundo de Futebol, garantindo visibilidade internacional para os invasores), o aspecto mais surpreendente foi a atitude do Judiciário, adiando decisão anterior que determinava a imediata reintegração de posse do bem usurpado ao seu legítimo proprietário, após interferência do poder executivo em favor de uma distante, desnecessária, inconveniente e protelatória realização de audiência de conciliação entre as partes (cujo insucesso já é antecipadamente conhecido). A perplexidade com o fato de que, justamente o Estado e suas instâncias encarregadas da manutenção da Lei e da Ordem – que desfrutam do abrigo constitucional para o exercício do monopólio da força – deixem de cumprir sua missão e relaxem no seu cuidado, acaba se transformando em um sentimento difuso de ameaça e insegurança geral.


Mencionei esse exemplo pela circunstância de que ele mostra, com clareza, um aspecto que assombra a sociedade e estimula a violência (na sua forma mais perigosa que é a tendência, cada vez mais observada, em que cidadãos agrupados em turbas descontroladas e agressivas tentam fazer justiça pelas próprias mãos). Esse é um fenômeno sociológico relativamente complexo e, por conta disso, não deve ser objeto de simplificação exagerada ou de explicações simplistas. No entanto, estou convencido de que a sociedade não suporta mais o desrespeito generalizado à Lei e à Ordem e, sentindo-se ameaçada por esse ambiente de selvageria, procura se defender interferindo diretamente nos fatos, ou seja, trocando uma violência por outra violência.


Para não deixar o assunto das invasões, preciso mencionar o episódio das ocupações ocorridas recentemente na área metropolitana de Florianópolis. Ali, uma série de invasões sucessivas perpetradas por um movimento autodenominado "Ocupação Amarildo de Souza" (sim, porque este tipo de crime agora possui nome próprio, como se se tratasse da denominação de um logradouro público em homenagem a algum vulto histórico) foi sendo escorraçada de um lado para outro, até tentar fixar-se no bairro Rio Vermelho, situado na extremidade nordeste da Ilha de Santa Catarina. Neste último ponto, os invasores foram agredidos com fogos de artifício e pedradas pelos moradores locais e hostilizados com xingamentos de "vagabundos" e "parasitas", até que retornassem ao local de origem, escoltados por forças policiais.


A cobertura jornalística desse triste episódio deu grande destaque à atitude corajosa dos moradores de Rio Vermelho, mencionando a defesa dos princípios legais do Estado Democrático de Direito por parte daquela comunidade, na ausência de uma ação rápida e eficaz por parte das autoridades e das forças policiais. Mas, eu não consigo deixar de ver nisso, uma reação perigosa da sociedade – ameaçada pela violência e pela desordem – e a omissão mais perigosa ainda dos poderes constituídos. Reconheço que a sociedade está cansada do clima de violência e da quebra continuada da Lei, mas isso não justifica a vontade de se fazer justiça pelas próprias mãos, como vem mostrando esse rastilho perigosíssimo de episódios estimulados pela leniência do Estado, pela criação de um clima de antagonismo entre estratos da sociedade, entre cidadãos e entre setores diversos, ou até mesmo por conveniências políticas.

  • COMPARTILHE:

3 comentários para "O Perigo das Invasões de Terrenos "

Geraldo de Freitas
Geraldo de Freitas disse: 21 maio 2014
Se qualquer um tentar invadir propriedade minha ou sob meus cuidados reagirei.
Jose
Jose disse: 22 maio 2014
Invasões em nenhum sentido devem ser toleradas.
E o que dizer das invasões "legais"? Onde as grandes corporações corrompem prefeituras para adentrar em áreas antes tidas como tombadas.
vinicius
vinicius disse: 23 maio 2014
Simples meu amigo :"A propriedade atenderá a sua função social" (art. 5º, XXIII da CF).

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »