O processo que não teve fim... (ainda)

Publicado em 26 fevereiro 2014

6 comentários


Grandes manifestações populares de inconformismo ou protesto não são novidade e acontecem de tempos em tempos, em variados lugares, algumas contribuindo para o progresso da civilização e outras produzindo mais prejuízos que benefícios.  O que distingue umas das outras é a sua validade moral, a sua objetividade, a manutenção do foco e, principalmente, a contaminação ou não dos movimentos por práticas espúrias de violência indiscriminada, de vandalismo despropositado e de outras atitudes que podem transformar manifestações legítimas, justas e necessárias em baderna generalizada e destrutiva.


Alguns exemplos são úteis para realçar essa dualidade. É o caso da Revolução Americana, que levou à constituição dos EUA em 1776. Houve violência nesse processo, materializada em uma guerra entre o exército do novo país e as tropas inglesas. Mas, essa violência, aceita como justa pela grande maioria dos historiadores modernos, foi aplicada na busca do legítimo direito à liberdade e o movimento nunca perdeu o seu foco original, marcado pelo inconformismo dos norte-americanos com a excessiva tributação imposta pela Coroa Britânica, com a submissão dos juízes à vontade do Rei inglês e com a falta de liberdade dos colonos (incluindo a sua representação no parlamento). Daí o sucesso do movimento, consubstanciado na pujança do país que gerou e na inspiração para muitas outras lutas libertárias.


Poucos anos depois, em 1789, eclodiu a Revolução Francesa, inspirada nos mesmos princípios iluministas e decorrente do legítimo inconformismo do povo francês pela exagerada tributação (que excluía da cobrança de impostos a nobreza abastada e o clero), pelo fausto da monarquia e pela fome generalizada – que persistia desde o término da luta contra a Inglaterra (Guerra dos Sete Anos). Neste caso, porém, o movimento foi logo contaminado pelo radicalismo dos jacobinos – que cortavam as cabeças uns dos outros e espalhavam o terror –, pela intolerância geral, pela violência despropositada contra a Igreja e contra as instituições seculares e pelo vandalismo irracional. Esse último, infelizmente, ficou materializado na destruição de valiosas peças do soberbo patrimônio cultural francês, incluindo a estatuária e as obras em madeira lavrada da Catedral de Notre Dame. Esse descaminho não poderia ter outro desfecho: a frustração do objetivo inicial, a insolvência ou o agravamento da insatisfação popular, o surgimento da tirania do Imperador Napoleão Bonaparte e a restauração subseqüente da monarquia, com a volta das dinastias dos Boubons e dos Orléans ao poder.


Outro exemplo semelhante poderia ser extraído do episódio da tomada e depredação do Palácio de Inverno, em São Petersburgo, durante a revolução russa de 1917. A insatisfação nascida da longa e penosa participação da Rússia na 1ª Guerra Mundial e da fome dela decorrente já tinha produzido os efeitos de deposição do Czar Nicolau II e de formação de um Governo Provisório com índole democrática, que se instalou, justamente, no Palácio de Inverno da antiga capital russa. A causa original se perdeu com o radicalismo iniciado a partir da bárbara invasão desse prédio monumental, da vandalização de peças ornamentais de grande valor artístico e da bebedeira geral e incontrolável a que se dedicaram os baderneiros, por vários dias, na antiga adega imperial. Depois dessa guinada, a revolução se desvirtuou e produziu quase sete décadas de tirania e opressão, além do episódio crítico da grande fome nacional iniciada em 1821.


Entre nós, tivemos o exemplo notável do movimento das "Diretas Já". Por ter sido ordeira, mesmo com o seu caráter fortemente reivindicativo em busca da liberdade política, a manifestação – que reuniu milhões de pessoas nos comícios de Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo e contagiou todo o país – produziu os efeitos pretendidos, substituindo o regime de exceção por governos democráticos e legitimamente eleitos, ainda que a primeira investidura, de Tancredo Neves, tenha ocorrido pela via indireta do sufrágio em um Colégio Eleitoral. Sem baderna e sem vandalismo, a insatisfação popular e sua expressão em praça pública acabaram por fazer restaurar a liberdade política.


Mencionei esses eventos (e poderia ter incluído outros, igualmente didáticos, como a Revolução Gloriosa de 1688 no Reino Unido e os distúrbios franceses de Maio de 1968) para destacar o nosso impasse atual. O inconformismo geral da sociedade brasileira veio à tona nas manifestações espontâneas de junho do ano passado. Infelizmente, o movimento foi invadido e contaminado por um bando de oportunistas, arruaceiros e vândalos inconseqüentes. As manifestações, expressas legitimamente, foram se esvaziando aos poucos e acabaram reduzidas a episódios de depredação do patrimônio público e privado e, por força do exemplo e da leniência, transformaram-se em absurdo método rotineiro de protesto, com o incêndio de ônibus e pancadaria por qualquer pretexto. Agora, os arruaceiros já cometem até homicídio! O Supremo Tribunal Federal teve uma sessão suspensa pela ameaça de invasão, seguida por outra tentativa de ocupação do próprio Palácio Presidencial. O resultado disso? O processo iniciado com as manifestações de junho do ano passado não teve fim, não produziu resultados e, ao que parece, atemorizou os brasileiros de bem para qualquer tentativa de voltar a expressar o seu legítimo inconformismo. Esse movimento ainda pode ser recuperado? Ou terá, como muitos outros, apenas deixado prejuízos e estimulado a violência?

  • COMPARTILHE:

6 comentários para "O processo que não teve fim... (ainda)"

Priscila
Priscila disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.
Priscila - Imóveis Guarulhos
Priscila - Imóveis Guarulhos disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.
Priscila - Imóveis João Pessoa
Priscila - Imóveis João Pessoa disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.
Priscila - Imóveis Maceió
Priscila - Imóveis Maceió disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.
Priscila - Imóveis Pontal do Paraná
Priscila - Imóveis Pontal do Paraná disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.
Priscila - Imóveis Vitória
Priscila - Imóveis Vitória disse: 27 fevereiro 2014
Eu espero que as manifestações sejam para um bem maior como a diminuição da passagem de ônibus, de investimentos em infraestrutura, educação e saúde... mas acho que os protestos contra a copa e querer boicotar a copa do mundo são protestos em vão que só vão gerar violência e degradação e mais gastos para consertar esses mesmo estragos sem fazer o que eles realmente lutam... deixa a copa agora já é tarde demais, agora outros motivos concordo que temos que sim lutar.. mas lutar priorizando principalmente a paz que é uma das coisas essenciais para uma nação funcionar.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »