Palavras que confundem e desinformam

Publicado em 30 maio 2013

1 comentários

O termo "especulação imobiliária" aparece com enorme frequência nos jornais e no noticiário de rádio e TV, sem que signifique, na maior parte das vezes, a divulgação noticiosa de alguma ação especulativa ligada à atividade imobiliária. Quase sempre, essa expressão está se referindo, apenas, à própria atividade de construção civil ou ao desenvolvimento de novas áreas urbanas. Em outras vezes, o equívoco de linguagem costuma ser mais grave ainda, quando o termo é utilizado para designar algum processo localizado de adensamento das construções ou de simples aumento de altura no padrão dos prédios de um determinado bairro ou região. Esse uso inconveniente da expressão não é apenas um hábito da mídia, pois, nisso, a imprensa simplesmente reproduz e reflete uma opção de linguagem dos brasileiros.


A origem do termo, marcadamente brasileiro, está perdida no tempo. Mas, certamente, a expressão deve ter sido utilizada, pela primeira vez, para referir-se ao antigo hábito que levava alguns aposentados, famílias abastadas, viúvas, herdeiros e outras pessoas interessadas na preservação ou aumento do respectivo patrimônio, a deixar lotes de terreno urbano sem utilização, na simples espera de sua valorização futura. O fato é que esse termo acabou por cair no gosto dos brasileiros, que passaram a aplicá-lo fora da acepção original, muitas vezes como sinônimo indevido para a própria atividade de desenvolvimento de novas áreas ou de construção de prédios, de casas e dos equipamentos de infraestrutura urbana. São comuns as notícias que incluem, por exemplo, textos dessa espécie: "a região foi alcançada pela especulação imobiliária há mais de três anos e, desde então, vem sendo intensamente ocupada".


O fenômeno da rápida urbanização verificada no Brasil, no último século, praticamente eliminou o velho hábito de reservar terrenos para uma eventual valorização futura, único procedimento que poderia ser apropriadamente descrito como "especulação" ou "aposta". Mas, apesar disso, a expressão continua a ser amplamente utilizada, com o seu significado fortemente pejorativo, ainda que não corresponda a uma tipificação legal específica que se pretendesse abolir ou desestimular. Tanto assim, que o Estatuto das Cidades, estabelecido pela Lei n° 10.257, de 10.07.2001, como o principal diploma legal destinado a organizar a Política de Estado relativa ao setor, não utiliza a expressão "especulação imobiliária" uma única vez.  Curiosamente, vale observar que, em oposição ao sentido pejorativo utilizado pela expressão brasileira, os EUA e outros países de língua inglesa tratam as atividades de urbanização de novas áreas para a construção ou de sua melhoria e ocupação com o termo "desenvolvimento" (real estate development), que embute uma conotação muito mais positiva, receptiva, qualificativa e pró-ativa.


Nós, brasileiros, apreciamos a invenção de significados novos para as palavras, fugindo da observância das acepções tradicionais da língua. Mas, quase sempre, a cada nova acepção adotada, acabamos confundindo e desinformando mais do que agregando alguma interpretação elucidativa. "Especulação imobiliária" não é a primeira situação desse tipo. Além dela, tivemos muitos outros equívocos semelhantes, que acabaram por confundir as pessoas. Algo parecido com o que aconteceu com a palavra "volatilidade" (que teve sua origem na crise econômica mexicana do Natal de 1994, quando o mundo globalizado se deu conta, perplexo e pela primeira vez, da existência de mecanismos capazes de fazer com que se evaporassem do México cerca de 40 bilhões de dólares em duas semanas e passou a designar o fenômeno com a expressão "capitais voláteis"). Pela sonoridade da palavra ou talvez pela novidade do termo, "volatilidade" passou a significar qualquer coisa em economia e não há mais quem se lhe entenda o sentido na maior parte dos textos publicados atualmente no Brasil.


A Engenharia utiliza a expressão "a céu aberto" para designar um método construtivo de galerias, canalizações e outras obras assemelhadas que são executadas com a remoção do terreno superficial, distinguindo-as daquelas escavadas subterraneamente como se fossem túneis. Uma galeria de esgoto pode ser escavada dessa forma durante a construção, como uma vala posteriormente aterrada. Outras obras, por concepção, podem continuar a céu aberto depois de prontas. O que não faz sentido é o hábito nacional que adotou a expressão "esgoto a céu aberto" até para designar as situações em que não existem os coletores ou interceptores de esgoto! São palavras que mais confundem do que informam.


Os exemplos são muitos. Mesmo os que passam desapercebidamente, como a mania recente de chamar os estádios de arenas, quando se sabe que os primeiros incluem, além do campo, também as arquibancadas e os equipamentos circundantes e as últimas, referem-se, apenas, ao palco ou picadeiro (tradicionalmente cobertos de areia) onde se realizam os esportes, lutas e apresentações. Todos esses hábitos confundem, mas, a conotação pejorativa decorrente do uso indiscriminado da expressão "especulação imobiliária" precisa ser combatida em favor da exata compreensão dos benefícios produzidos pela atividade da construção civil.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Palavras que confundem e desinformam"

Pedro
Pedro disse: 03 junho 2013
O mercado imobiliário brasileiro, atualmente, não passa de um esquema de ponzi. E assim o será até o capital especulativo deixar o país após os eventos esportivos.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »

A Falta de Engenheiros no Brasil

Publicado em 24 junho 2015

1 comentários

Na série "A Engenharia e Seu Ensino – (1) a (5)" que desenvolvi neste mesmo blog entre fevereiro e março de 2013, complementada ao final daquele ano pelo tópico "Mais Engenharia e Mais Engenheiros", examinei detalhadamente a carência brasileira por esse tipo de profissional e as características especiais do ensino nacional nesse particular. Cerca de dois anos depois é inevitável que eu volte ao assunto, atualizando idéias e agregando aspectos especiais do momento atual. Ainda faltam...
Leia mais »

Capacidade de Gestão

Publicado em 07 maio 2015

6 comentários

Desta vez, começo este tópico com um depoimento pessoal, mas que pode ser de grande utilidade para introduzir as questões que pretendo enfatizar aqui. Estive recentemente com um grande investidor estrangeiro, que havia acreditado no Brasil e investido aqui quantidades significativas de capital. Esse investidor estrangeiro perdeu, no período mais recente, com as dificuldades enfrentadas pela economia nacional, volumes financeiros razoáveis e estava justamente consolidando as suas estratégias...
Leia mais »