Por que investir em ações?

Publicado em 01 novembro 2012

Investir em ações ou papeis negociados nas Bolsas de Valores nunca foi um hábito em nosso país. Enquanto nos EUA, na maioria dos países europeus, na China e em algumas economias emergentes, pelo menos 20% das pessoas físicas fazem algum tipo de investimento em ações, no Brasil, o número de investidores não ultrapassa 580 mil, ou seja, cerca de 0,3% da nossa população. Na prática, essa proporção é ainda menor, já que apenas 130 mil brasileiros podem ser classificados como investidores ativos em ações, por fazerem, pelo menos, uma operação por mês.

As causas dessa distorção são muitas e variadas. A sucessão de crises econômicas, algumas muito graves, intercaladas entre os períodos de estabilidade ou prosperidade com que nos deparamos ao longo de toda a nossa história republicana, contribuiu para a consolidação, entre os brasileiros, de um sentimento geral de descrença ou desconfiança nos mecanismos de aplicação em bolsa e no mercado de ações. Esse efeito de fundo pode ter sido potencializado, também, pela existência, entre nós, de um nível muito elevado de desinformação acerca das práticas corriqueiras do mercado de ações e pela ausência generalizada de hábitos de educação financeira. Mas, o fator preponderante para esse tipo de comportamento em épocas recentes, foram as elevadíssimas taxas de juros a que esteve sujeita a nossa economia. De fato, nesse ambiente de juros estratosféricos, as aplicações de renda fixa, quase todas derivadas da emissão primária de títulos públicos, tornaram-se imbatíveis em rentabilidade e extremamente sedutoras para o cidadão comum, em vista da simplicidade das operações envolvidas e da aparente segurança final diante de riscos e incertezas.

No entanto, esse comportamento singular do investidor brasileiro pode estar mudando, não para se ajustar ao padrão internacional e nem, tampouco, como simples decorrência do amadurecimento da nossa economia, mas como resultado da grande redução nas taxas primárias de juros, posta em prática nos últimos dois anos. Nesse novo ambiente, computadas todas as parcelas – incluindo as incidências tributárias e os custos administrativos –, as aplicações pré-fixadas ou de renda fixa e, até mesmo, a popular caderneta de poupança, vêm se tornando progressivamente menos competitivas no cotejo com as aplicações de renda variável (especialmente os derivativos de ações). Nesse cenário, para garantirem bons resultados, notadamente no longo prazo, os brasileiros deverão incorporar novos hábitos nos seus investimentos pessoais e familiares, contemplando o mercado de ações e os papeis negociados nas Bolsas de Valores.

Independentemente das vantagens diretas perseguidas por cada investidor ou família, esse movimento produz um efeito extremamente positivo para o conjunto da economia. De fato, com o fortalecimento do mercado de ações e, consequentemente, da facilidade de novas captações financeiras nas Bolsas de Valores, as empresas e o setor produtivo poderão contar com uma fonte importante de capital para as ampliações de instalações, para a incorporação de tecnologias avançadas, para o desenvolvimento de novos produtos e para a geração de empregos mais qualificados. Em outros termos, posto em marcha, esse processo traz, em seu bojo, um poderoso mecanismo de auto-alimentação, que acaba se refletindo em taxas superiores de desenvolvimento econômico e social, com características ímpares de sustentabilidade.
  • COMPARTILHE:

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »