Por que nunca ganhamos o Prêmio Nobel?

Publicado em 15 outubro 2013

8 comentários

Todo ano, a cada mês de outubro, aguardo o resultado dos laureados com o Prêmio Nobel nas áreas de Física, Química e Economia (concedidos pela Academia de Ciências da Suécia), de Medicina (concedido pelo Instituto Karolinska, a maior universidade médica da Suécia), de Literatura (concedido pela Academia de Letras da Suécia) e da Paz (concedido por um comitê do Parlamento da Noruega). Sempre torço para surgir um brasileiro entre os laureados, lavando a alma nacional, já que nunca tivemos essa honraria desde que o Prêmio foi distribuído pela primeira vez em 1901. Desde então, foram 840 pessoas ou organizações laureadas e nenhum brasileiro.


Essa absoluta ausência nacional entre os agraciados com o Nobel sempre me intrigou. Somos o único país entre os BRICS que jamais levou a premiação. Até mesmo os nossos vizinhos no continente já tiveram o seu momento de glória. Nós não. Mas, por quê? Se somos a sexta economia do mundo, se produzimos itens de razoável complexidade, se já alcançamos um nível cultural relativamente sofisticado e se somos 200 milhões de brasileiros (quase 3% da população mundial) por que nunca levantamos essa taça? Pelas leis da estatística, brasileiros já deveriam ter sido premiados com o Nobel, pelo menos 25 vezes. Esse é o tamanho do nosso atraso nessa corrida.


É verdade que existem injustiças mundialmente reconhecidas. Como a do paranaense César Lattes (o verdadeiro descobridor da partícula subatômica méson Pi, e de outros sucessos no campo da física) ou como a do mineiro Carlos Chagas (que além de descrever, detalhadamente, a etiologia da doença que levou o seu nome, é reconhecido, até hoje, como o mais importante pesquisador de enfermidades tropicais).


Podem ter ocorrido essas e outras injustiças. Mas, o fato é que estamos em débito nessa competição. As premiações cientificas, incluindo a de Medicina, retratam com fidelidade a organização e a excelência do ensino acadêmico nas diversas regiões ou países. Daí a grande concentração de premiados na Europa e nos EUA. Aliás, 257 laureados (30,6% do total) são pessoas nascidas nos EUA. É bem verdade que os norte-americanos investem muito mais que nós em educação superior. Mas, isso não explica, por si só, a nossa defasagem comparativa. Mais do que a diferença nos investimentos, prevalece a falta de qualidade do nosso ensino, penosamente custeado pelo esforço e pelos impostos dos brasileiros.


Fora das áreas científicas, ou seja, no campo da Literatura e na premiação pela Paz, o nosso desempenho é igualmente nulo. Há quem argumente que o uso da língua portuguesa nos isola da comunidade internacional. Premiações recentes no campo da Literatura, concedidas a escritores de línguas relativamente exóticas (pelo menos para o padrão ocidental) desqualificam esse tipo de argumentação. As causas são outras. Assim como as premiações científicas procuram destacar os avanços que efetivamente representem fatores de melhoria na vida das populações, os laureados na Literatura e na Paz também devem simbolizar ações ou processos que levem à harmonia, a compreensão e a boa convivência dos povos. E, nessas áreas, temos insistido com as candidaturas erradas, submetendo indicações fortemente ideologizadas à Fundação Nobel. Quase sempre são personalidades que desfrutam de grande admiração e simpatia dentro do nosso país, mas que, aparentemente, não têm o perfil ajustado às exigências dos que processam as indicações e das instituições que elegem os premiados.


Os norte-americanos, que se orgulham da contribuição dada por seus premiados com o Nobel, para a constituição de uma sociedade melhor, frequentemente mencionam a opinião de que os latino-americanos, e em especial os brasileiros, quase não contribuem para a evolução da humanidade. Se o Prêmio Nobel vier a ser utilizado como escala de medida para essa assertiva, fica difícil encontrar alguma coisa feita ou produzida por brasileiros que tenha servido para melhorar, efetivamente, a qualidade de vida na sociedade global. De todo modo, precisamos modificar esse cenário e "desencantar" na obtenção desse Prêmio e no importante reconhecimento internacional para com a nossa contribuição. Fora os benefícios sócio-econômicos que a inserção de laureados com o Nobel poderá trazer para a nossa população, moldando processos de maior produtividade, de mais inovação e de melhor sustentabilidade.

  • COMPARTILHE:

8 comentários para "Por que nunca ganhamos o Prêmio Nobel?"

José de Souza (Rabelo) Araujo
José de Souza (Rabelo) Araujo disse: 15 outubro 2013
PORQUE!: E o que eu sempre falo aonde eu passo se não houver compartilhamentos,o amor e união entre todos que se tem a mesma ideia que seria a ideia de melhor resultado,eu sei que nosso povo e de união falta iniciativa de quem valoriza á ideia de um premio honroso que nos qualifica a uns bom resultado, e honra e prazeroso se nos OS BRASILEIRO ,ganhasse um TROFÉU com esta magnitude,seria resultado de um povo que faz diferencial em população tão escarce como nosso PAIS.(AMOR E QUE FAZ;-- (AMOR A SUA PÁTRIA!)
Os Brasileiro merecia este premio,falta e isto mão em Obras de criar uma filosofia adequado aos mesmo entenrece,um povo doutrinado no AMOR EM QUE FAZ GANHAR MAIS,E É HONROSO A TODAS NAÇÕES,PARABÉNS AO NORTE AMERICANO POR SER O LUGAR MELHOR DE SE VIVER. VER NO TOP/10 ,"CIDADE MELHOR DE SE VIVER"
Jose de Souza Rabelo Araujo
Jose de Souza Rabelo Araujo disse: 15 outubro 2013
PORQUE!: E o que eu sempre falo aonde eu passo se não houver compartilhamentos,o amor e união entre todos que se tem a mesma ideia que seria a ideia de melhor resultado,eu sei que nosso povo e de união falta iniciativa de quem valoriza á ideia de um premio honroso que nos qualifica a uns bom resultado, e honra e prazeroso se nos OS BRASILEIRO ,ganhasse um TROFÉU com esta magnitude,seria resultado de um povo que faz diferencial em população tão escarce como nosso PAIS.(AMOR E QUE FAZ;-- (AMOR A SUA PÁTRIA!)
Os Brasileiro merecia este premio,falta e isto mão em Obras de criar uma filosofia adequado aos mesmo entenrece,um povo doutrinado no AMOR EM QUE FAZ GANHAR MAIS,E É HONROSO A TODAS NAÇÕES,PARABÉNS AO NORTE AMERICANO POR SER O LUGAR MELHOR DE SE VIVER. VER NO TOP/10 ,"CIDADE MELHOR DE SE VIVER"
Jose Souza Rabelo Araujo
Jose Souza Rabelo Araujo disse: 15 outubro 2013
PORQUE!: E o que eu sempre falo aonde eu passo se não houver compartilhamentos,o amor e união entre todos que se tem a mesma ideia que seria a ideia de melhor resultado,eu sei que nosso povo e de união falta iniciativa de quem valoriza á ideia de um premio honroso que nos qualifica a uns bom resultado, e honra e prazeroso se nos OS BRASILEIRO ,ganhasse um TROFÉU com esta magnitude,seria resultado de um povo que faz diferencial em população tão escarce como nosso PAIS.(AMOR E QUE FAZ;-- (AMOR A SUA PÁTRIA!)
Os Brasileiro merecia este premio,falta e isto mão em Obras de criar uma filosofia adequado aos mesmo entenrece,um povo doutrinado no AMOR EM QUE FAZ GANHAR MAIS,E É HONROSO A TODAS NAÇÕES,PARABÉNS AO NORTE AMERICANO POR SER O LUGAR MELHOR DE SE VIVER. VER NO TOP/10 ,"CIDADE MELHOR DE SE VIVER"
Rabelo
Rabelo disse: 15 outubro 2013
PORQUE!: E o que eu sempre falo aonde eu passo se não houver compartilhamentos,o amor e união entre todos que se tem a mesma ideia que seria a ideia de melhor resultado,eu sei que nosso povo e de união falta iniciativa de quem valoriza á ideia de um premio honroso que nos qualifica a uns bom resultado, e honra e prazeroso se nos OS BRASILEIRO ,ganhasse um TROFÉU com esta magnitude,seria resultado de um povo que faz diferencial em população tão escarce como nosso PAIS.(AMOR E QUE FAZ;-- (AMOR A SUA PÁTRIA!)
Os Brasileiro merecia este premio,falta e isto mão em Obras de criar uma filosofia adequado aos mesmo entenrece,um povo doutrinado no AMOR EM QUE FAZ GANHAR MAIS,E É HONROSO A TODAS NAÇÕES,PARABÉNS AO NORTE AMERICANO POR SER O LUGAR MELHOR DE SE VIVER. VER NO TOP/10 ,"CIDADE MELHOR DE SE VIVER"
Charles Simões
Charles Simões disse: 15 outubro 2013
Sábias palavras.Contudo o senhor há de convir comigo que , como mencionado no último parágrafo há um certo racismo intelectual da academia sueca e dos EUA para com os latino-americanos e em especial os brasileiros. Nós temos Ciência teórica e inventiva,contudo não é esta a imagem que passamos para o mundo , o que torna ,até certo ponto , justificável o tal insucesso neste tipo de competição. Quando a educação e o incentivo a pesquisa científica forem prioridade,este quadro poderá sofrer uma mudança.

Charles Simões
Célio
Célio disse: 16 outubro 2013
Já leu este livro, com link abaixo? Existe é corporativismo geral mesmo.\n"Lágrimas de Sodoma"
José
José disse: 16 outubro 2013
Rubens
Não sei se essas pessoas podem ser classificadas como escolhas ideológicas mas bem poderíamos ter siso agraciados com o prêmio Nobel da Paz com o Lula em vez de Obama naquele ano, Poderíamos ter um Jorge Amado ou Guimarães Rosa em Literatura entre outros
Marcelo da Silva Vieira
Marcelo da Silva Vieira disse: 18 outubro 2013
Prezado senhor:aproximadamente há vinte anos atrás fiz essa mesma pergunta para o meu professor de Ecologia na UFMG, meu querido professor Hélcio Ribeiro Pimenta já falecido, infelizmente... ele me respondeu forma simples me levou na sala na faculdade e pediu que abrisse sua gaveta e retirasse alguns papeis... para minha surpresa eu havia retirado contas, IPTU, IPVA, boleto de condomínio, etc. Eu pergunte professor eu não entendi? Ele me respondeu como um professor brasileiro pode sonhar com um premio Nobel se ele tem que preocupar com seu salário mísero para pagar suas contas e ainda produzir conhecimento dentro do laboratório... os americanos COMPRAM passes de cientistas renomados que são bancados pelas universidades e ainda recebem prêmios para poder fazer a única coisa que move a ciência ÓCIO criativo.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »