Por que o PIB não cresce ?

Publicado em 12 novembro 2012

2 comentários

Em economia, quase nada acontece por acaso. Em geral, colhemos o que plantamos ou, também, deixamos de colher o que não plantamos. Em texto anterior deste blog, abordei a questão do baixo crescimento do PIB nacional nos últimos anos, que comparei a um indicador do mau estado de saúde da nossa economia.

Como um crescimento robusto e continuado do PIB é sempre perseguido como meta política e econômica, costuma existir muito otimismo nas previsões governamentais – e, até mesmo, nas de agentes do mercado financeiro – para o desempenho futuro desse índice, mesmo quando esse desejo é visivelmente inalcançável. A última edição do Boletim Focus, elaborado mensalmente pelo Banco Central, ratificou em 1,54% a taxa provável de crescimento do PIB nacional no exercício de 2012. A previsão inicial dessa taxa já chegou a ser de 4,5% e vem sendo progressivamente reduzida à medida que o ano transcorre sem que ocorra a desejada retomada do crescimento. Da mesma forma, o mesmo Boletim Focus, estima, agora, uma taxa igualmente otimista de 4,0% para o crescimento do PIB em 2013.

É verdade que a crise econômica internacional e outros fatores conjunturais contribuíram para o fraco desempenho da nossa economia. Mas, os principais fatores dessa doença são internos e de nossa exclusiva responsabilidade. E, se não forem removidos, continuaremos nesta "ciranda" de otimismo frustrado e de postergação sucessiva do horizonte da tão desejada retomada do desenvolvimento. Em outro texto deste mesmo blog, apontei os gargalos da nossa deficiente e precária infraestrutura como um dos fatores que diminuem a nossa competitividade industrial no exigente mercado globalizado, além de reduzirem, também, a nossa produtividade geral. Mas, decidi voltar ao tema para apontar outro importantíssimo fator de limitação ao nosso desenvolvimento: a burocracia.

Vou exemplificar com dados do segmento que acompanho mais diretamente, ou seja, a construção civil. No entanto, especialistas em outras áreas certamente encontrarão exemplos semelhantes em seus respectivos setores, porque são sintomas da mesma e grave doença geral que precisamos enfrentar com urgência.

O licenciamento de obras e a aprovação de projetos imobiliários, em quase todas as regiões do país, já estão demandando um prazo médio da ordem de três anos e tudo indica que esse prazo deve crescer mais ainda, com a introdução de exigências e dificuldades cada vez mais sofisticadas e complexas, sem qualquer benefício real para as cidades e as comunidades envolvidas. Esse absurdo pode ser melhor percebido se mencionado o aumento dos preços finais de venda dele decorrentes, que já ultrapassaram, em média, 10% do valor total a ser cobrado de cada comprador. Em outros termos, quem pretende adquirir a sua casa própria já estará pagando um sobrepreço da ordem de 10% apenas para custear as despesas originárias da excessiva e desnecessária burocracia envolvida nos processos de licenciamento de obras e aprovação de projetos. Isso, para não mencionar os valores pagos indiretamente na forma de impostos e consumidos justamente no custeio de salários e encargos da inchada máquina pública dedicada a produzir a própria burocracia.
  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Por que o PIB não cresce ?"

Ad.rodrig.
Ad.rodrig. disse: 12 novembro 2012
Mas o que pode ser feito efetivamente, para diminuição dessa burocracia ?Existe algum país modelo ,para exemplicar,combinação de crescimento e menor burocracia?
Atendimeneto MRV Engenharia
Atendimeneto MRV Engenharia disse: 21 março 2016
Bom dia Maria Lúcia, tudo bem? Você encontra mais dicas no site www.mrvdecora.com.br . Um abraço, MRV.
Rodrigo Dultra
Rodrigo Dultra disse: 13 novembro 2012
Excelente texto! O custo causado pela burocracia nos imóveis brasileiros é muito maior se comparado a outros países por causa não só da quantidade de aprovações necessárias como também da qualidade dos serviços prestados pelos orgãos competentes. É o "Custo Brasil" prejudicando a todos!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Renda Per Capita Líquida

Publicado em 08 março 2017

O IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – acaba de divulgar os resultados principais das contas nacionais do exercício de 2016, quais sejam, o PIB – Produto Nacional Bruto e seus derivados diretos. O PIB, na realidade, corresponde à soma de todas as riquezas produzidas dentro do território nacional (desconsiderados os recebimentos recebidos do e as remessas enviadas para o exterior). Essa variável inclui...
Leia mais »

2017 vem aí!

Publicado em 29 dezembro 2016

3 comentários

É fácil aferir o sentimento dos brasileiros acerca do ano que está terminando. À medida que se aproxima o dia da virada de exercício, as manifestações, íntimas ou públicas, da grande maioria dos nossos patrícios só variam na forma ou no adjetivo de qualificação, mas, em geral, quase todas convergem para uma constatação fortemente depreciativa: vai-se embora um ano que não deixa saudades! De fato, foi um ano em que vivemos turbulências políticas e desastres econômicos sucessivos, que acabaram...
Leia mais »

Excesso de Justiça Não é Coisa Boa

Publicado em 31 agosto 2016

1 comentários

Existe uma enorme diferença entre uma sociedade estruturada com base em relações justas entre os cidadãos, com a observância geral dos direitos e sem a prepotência imposta pelos mais fortes, e outra em que os mecanismos de Estado utilizados para garantir essas mesmas relações justas e isonômicas são excessivamente exigidos, apresentam-se permanentemente congestionados e funcionam com intensidade além das expectativas razoáveis. Na primeira hipótese, temos uma situação equilibrada e saudável,...
Leia mais »

Juros Altos: Como Enfrentar Esse Inimigo

Publicado em 25 maio 2016

Antes de 1994, quando a URV (Unidade Real de Valor) foi substituída definitivamente pelo Real (a nova moeda que circula até hoje), a inflação era, de longe, o maior inimigo dos brasileiros e de nossa economia. De fato, àquela altura (junho de 1994), a inflação mensal era de 47,43% e a inflação anual alcançava o inacreditável patamar de 4.922%. Ou seja, o preço de todos os bens ou serviços subia quase 50% em um único mês, entre dois recebimentos consecutivos do mesmo salário!  Essa balbúrdia...
Leia mais »

Mazelas da Indústria

Publicado em 13 abril 2016

2 comentários

Os diversos fatores (internos e externos) que concorreram para debilitar a economia brasileira no momento atual combinam-se de maneira diferenciada em sua ação deletéria pelos diversos setores e segmentos. Por isso, algumas atividades acusaram mais rapidamente os seus efeitos. Também por isso, outros segmentos foram afetados mais fortemente. No presente tópico, quero destacar especificamente o comportamento do setor industrial nessa época de crise e alinhavar algumas das características...
Leia mais »